Image Slider

domingo, 28 de setembro de 2014

Dica da Semana: “O Filho da Mãe”

bernardo carvalhoAutor: Bernardo Carvalho
Editora: Companhia das Letras

Sinopse: Em O filho da mãe, Bernardo Carvalho orquestra uma multiplicidade de vozes e pontos de vista, sem nunca perder de foco o motivo recorrente da maternidade, imbricado com o seu avesso: o sentimento de orfandade, de desamparo e desajuste, cuja representação mais crua é a guerra. "As mães têm mais a ver com a guerra do que imaginam", diz a certa altura uma personagem. O livro, de certo modo, é a demonstração poética disso.

Embora o pano de fundo da história seja a segunda guerra da Tchetchênia, em 2003, Carvalho volta-se neste romance à figura da mãe, ao tema da maternidade. Serão as mães, moduladas e refratadas nas diversas histórias que aqui se entrelaçam, o fio condutor de uma trama singular, cujo resultado vem confirmar a posição do autor entre um dos mais originais e inovadores da literatura brasileira contemporânea.

São Petersburgo, cidade literária por excelência, é o epicentro da tragédia. Mas, como costuma acontecer nos livros de Bernardo Carvalho, a ação se expande vertiginosamente no tempo e no espaço. Do Oiapoque ao Nieva, de Grozni ao mar do Japão, chegam os estilhaços desses dramas nucleares de mães culpadas, filhos extraviados e pais tirânicos ou ausentes. Todos os personagens parecem, em alguma medida, estar fora do lugar, em famílias e países alheios - daí a força que adquire, no contexto, a figura monstruosa da quimera, aberração rejeitada pela natureza e pelo homem. 

Romance de alta voltagem emocional, sem prejuízo do viés crítico e da complexidade da construção narrativa, O filho da mãe é um passo à frente na literatura sempre inquieta e surpreendente de Bernardo Carvalho.
--

Honestamente, eu poderia dizer um montão de coisas sobre esse livro. Coisas boas, coisas ótimas, coisas fantásticas. Todas verdades. Só tenho uma reclamaçãozinha sobre esse livro e é coisa pequena. Colocaram um personagem meio inútil na trama. Aleatório. Desnecessário. Mas é fácil ignorá-lo e seguir em frente.

Olha só, ainda estou no meio de uma ressaca literária por causa desse bendito livro. Então perdoem se eu for sincera demais, emocional demais e objetiva de menos. Acredito que todo mundo que já tenha passado por isso vai simpatizar.

Mas... Esse livro, céus! Fazia tempo que eu não tinha sido tão afetada por uma história e seus personagens. Não estou dizendo que vocês serão cativados por todos. Pelo contrário, vocês terão vontade de jogar alguns deles pela janela. Eu certamente tive. Várias vezes. Porém, vale à pena. Vale muito, muito à pena. Cada segundo em que eu quis gritar, cada segundo em que eu tive acessos de raiva. Ou então os momentos em que sorri quieta ou me apaixonei um pouquinho mais pelos personagens maravilhosos que tem nesse livro. Porque eles são reais, palpáveis. Humanos. E todos nós sabemos como é difícil encontrar personagens assim.

Eu não sei o que dizer para convencê-los a ler esse trabalho primoroso de Bernardo Carvalho. Porque é isso que é: um trabalho pri-mo-ro-so. De caracterização, de desenvolvimento, de... Tudo. Posso dizer? Bem, vou. Tudo. Tudo nele é absolutamente fantástico. Talvez seja porque ainda está muito recente na minha memória, mas tenho dificuldades em encontrar um livro que possa se equiparar ao que esse livro propôs. Uma análise da sociedade e do papel materno nesta. Uma análise da influência das mães – para bem ou para o mal – nas guerras.

Não temos santas aqui. Temos mulheres. Mulheres de carne e osso. Mulheres dispostas a fazer de tudo por seus filhos. Ou não. E é esse o diferencial desse livro. A narrativa peculiar, o caráter atemporal da história e a participação de São Petersburgo, quase seu próprio personagem nessa trama, são sensacionais.

Minha recomendação? Leiam. Se quiserem chorar depois, podemos dividir uma caixinha de lenços.

Thaís Cabral - Estudante de Publicidade, pseudo-escritora, leitora compulsiva e chocólatra. Gosto de séries de TV (americanas e/ou britânicas), filmes e anime/mangá.

sábado, 27 de setembro de 2014

Review: New Girl 4x02 - "Dice"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Dice", exibido no dia 23/09/2014! 

new girl 4x02




















quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Review: Agents of SHIELD 2x01 - "Shadows"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Shadows", exibido no dia 23/09/2014. 

aos 2x01

A temporada começa com um flashback, só para dar um gostinho de Agent Carter, que estreia só em janeiro, mas logo volta para o tempo real, nos apresentando a nova equipe da S.H.I.E.L.D. Alguns meses se passaram desde o season finale, e desde então Skye arranjou uma franja e mais algumas pessoas entraram para a equipe. Isabelle Hartley era uma agente da SHIELD e se juntou ao grupo, com ela vieram mais dois amigos mercenários da época em que ela estava trabalhando undercover.

Apesar de não conhecermos os personagens, eles são engraçados e sua dinâmica conquista logo no início. Os dois mercenários não são vinculados à SHIELD e só estão lá mais pela Hartley, que tem motivos pessoais para estra lá, que poderiam muito bem ter sido explorados na série, mas não foram.


O clima entre o grupo original de agentes também está bastante diferente depois de todos os traumas do season finale. Coulson passou a maior parte do hiatus viajando pelo mundo, tentando encontrar agentes que ainda fossem leais à SHIELD. Basicamente, estão só Skye e May interagindo uma com a outra, o que é ótimo porque amo as duas, mas deixa aquele buraco no coração por não estar o time inteiro reunido.

grant ward 2x01

A volta de Coulson coincide com eles encontrarem informações sobre o 084 original, que vimos no flashback, e logo eles estão arrumando planos. O vilão da semana é um cara que consegue transformar o material da sua pele conscientemente, que foi supostamente morto pela equipe do Garrett. Isso, é claro, faz com que Coulson mande Skye falar com Ward, que ainda está preso.

Passei o hiatus inteiro repetindo o mesmo mantra: sem arco de redenção para o Ward, por favor. E continuo nessa. Dê o arco de vilão a ele ou simplesmente o deixem apodrecer na cadeia, honestamente ninguém liga. A única coisa interessante no Ward é como ele foi dissimulado ao enganar todo mundo na temporada passada, mas ele continua sendo um babaca nazista. Não me importo nem um pouco se ele está arrependido, acho que não faz sentido os personagens o perdoarem e vai estragar a série se algum dia ele voltar a fazer parte da equipe. E se for realmente muito necessário mesmo redimi-lo que seja “redenção por morte”, porque aí não vamos mais ter que vê-lo, só assim é quase aceitável (apesar de ainda ser questionável no ponto de vista de qualidade do texto).

Mas, tudo bem, estou exagerando, nada disso aconteceu ainda, então não há por que se preocupar. Skye compartilha meus sentimentos por Ward, e não se deixa levar por seus joguinhos de culpa. Ela consegue toda a informação necessária, por onde o vilão estaria recebendo ordens da Hidra, e sai antes que o Ward conseguisse prender sua atenção falando sobre o pai dela. Eu estou curiosa sobre o pai da Skye, que (quase) vimos muito brevemente temporada passada, mas acho que temos problemas maiores por enquanto. Deixa o Ward para revelar isso antes de morrer ou algo assim.

marvel's agents of shield 2x01

Também está de volta mais um personagem da temporada passada, o general Talbot, que continua com um discurso anti-SHIELD/Hidra para a mídia. Ele não faz nada muito demais no episódio, além de ser sequestrado pela nossa equipe e, assim, acabar fornecendo sem querer o acesso para eles deterem o vilão.

Depois de o usarem, a equipe inteira – menos o Coulson, que comanda só pela voz – sai para impedir The Absorber (o absorvedor?) de roubar o 084, já que o governo foi idiota o bastante para leva-lo exatamente para onde escondem o objeto. Imaginei que fosse ter pelo menos mais uma camada de segurança para todos os objetos secretos e perigosos que pegaram as SHIELD, mas nah, foi relativamente fácil chegar até lá. Difícil foi impedir o absorber. Isabelle abre o 084 e, em um momento de inocência e idiotice, resolve usá-lo contra o vilão. Sério mesmo? Todos esses anos de SHIELD e fica tocando nas coisas assim?! Sem nenhum cuidado, sem nem saber do que se trata. Assim não dá.

E não dá mesmo: ao tocar no 084, sua mão começa a virar pedra ou algo igualmente doloroso. Ela sente que vai morrer, mas quando eles checam o que fazer com o Coulson, ele simplesmente manda continuarem no plano. O amigo mercenário, que não se importa com a SHIELD, resolve desobedecer as ordens e salvar a miga, tá certo. Enquanto ele, o outro mercenário, e Isabelle correm para salvá-la, o resto da equipe continua com o plano: roubar um avião. E conseguem, yay. Perderam metade do pessoal, mas agora eles têm um avião invisível e isso é tudo o que importa no final.

Porque a vida não está nada fácil para eles, Isabelle pede para cortarem o braço dela. Por quê? Só para causar aquela sensação de aflição nos telespectadores, que agora ficaram com a imagem de um braço sendo cortado na cabeça. Necessidade disso não tinha, já que o Absorber logo apareceu na frente do carro, causando a morte de Isabelle e de um outro cara. Mal chegaram e já morreram. Não fiquei surpresa, mas também não gostei.

Parece que um deles viveu para contar a história, mas duvido que fique por muito tempo. E de volta a nossa pequena equipe. Pelo menos temos o lindo do Triplett, que estou rezando para virar regular e substituir o Ward para sempre, aquele outro agente que eu não sei o nome e apareceu por uns cinco segundos, e o Koenig, que estou, assim como Triplett, tentando entender qual é a dele. 

leo fitz 2x01

Vocês devem ter reparado que eu não mencionei duas pessoas importantes da equipe na resenha: Fitz e Simmons. Deixei para o fim, para poder me dar um tempo para absorver tudo o que aconteceu, deixando minha alma se reconstruir um pouco depois dessa total destruição.

A última notícia que tivemos de Fitz no finale foi que ele estava vivo e é isso, não sabíamos sobre seu estado de saúde nem nada. Então no início do episódio vemos Fitz e Simmons juntos trabalhando, Fitz está tendo problemas na fala, mas ainda está trabalhando, com o apoio de Simmons. Aí você pensa “ahh, que fofo, melhor do que eu esperava!”. Só que não, porque poucos a poucos todas as ilusões são destruídas.

Durante o episódio inteiro, vamos vendo Fitz tentando continuar a vida normalmente, sempre com Simmons completando suas frases. Todos os outros duvidando de sua habilidade para continuar o trabalho, mas ela apoiando.

Então, no último momento, é revelado que Simmons foi embora meses atrás.

Fitz sofreu lesões do lobo temporal, mas não temos mais muitas informações sobre quais danos foram esses. O importante é que ele está tendo alucinações com a Simmons. É bastante interessante notar como a Simmons nas alucinações sempre consegue completar as frases para ele, então me parece que é um bloqueio mais psicológico seus problemas com a fala. Quero saber cadê o acompanhamento médico e psicológico do Fitz, porque podia ajudar bastante.

Quero muito que a Simmons volte, e espero que tenhamos um flashback de quando ela foi embora, para entender a situação. Imagino a culpa que ela esteja sentindo e vai ser pior ainda quando ela descobrir das alucinações. E não quero nem ver quando Fitz descobrir que a Jemma foi embora, vai doer demais.

Fico um pouco chateada com a falta de apoio que o Fitz está recebendo. Eu sei que eles têm outras coisas com que se preocupar, tentando reconstruir a SHIELD e tudo mais, mas eles mal aparecem lá, ainda estou na dúvida se alguém ao menos percebeu que ele está tendo alucinações. Eu entendo que eles não confiam que o Fitz vai conseguir resolver o negócio da invisibilidade, o que faz sentido, ele provavelmente não vai nesse momento. Ele teve sérios danos cerebrais, que influenciam na parte da criação e novas ideias, e ainda está sofrendo um alto nível de estresse. Mas por que pediram para ele fazer isso, para começar? Por que ninguém está tentando ajudá-lo?

Apesar de me deixar muito triste, é de um jeito positivo, eu gosto bastante dessa história, desde que ela continue sendo aprofundada.

O Melhor:
+ May cuidando do Coulson
+ Skye continuando a não confiar no Ward
+ Fitz(simmons)

O Pior:
- Morte da Isabelle desnecessária
- Falta de uma boa explicação para a Simmons ter ido embora (o que eu espero que venha nos próximos episódios)
- Não foi mencionada a saúde mental do Coulson, cliffhanger da última temporada

Nota: 8,0


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Dica da semana: Fanfics

Se existem duas coisas que eu realmente amo no mundo são ler e assistir séries, por isso acho que não é nenhuma surpresa que o meu amor por fanfics de séries seja muito grande. A dica da semana foi feita para fugir das séries, então eu sei que indicar fanfic por aqui é um pouco forçar a barra, mas vou indicar mesmo assim!

As fanfics, também conhecidas como fanfictions ou apenas fics, são histórias (ficção) criada por fãs de alguma coisa. Existem fanfics de todos os fandoms possíveis: atores, bandas, livros, séries, animes e desenhos animados. Acredite se você consegue pensar em algo, existe uma fanfic disso. Não vou ficar contando a história das fanfics aqui, porque quem quiser é só jogar no google, mas o que importa é que elas existem há muitos anos e cada dia crescem mais, existindo vários sites especializados com isso. Em português, temos sites específicos como o nyah! e o FFOBS, mas, considerando esse blog, vou falar de onde a maior parte das fics de série, que são em inglês, ficam o ff.net e o AO3, que é o meu preferido.

Navegar nos sites é bastante simples: você apenas escolhe o fandom, depois os personagens ou ship que quer e vai procurando o que deseja. O AO3 tem ainda mais benefícios, como procurar por tags como "Alternate Universe - High School" ou "Fake Marriage" e você acha todas fanfics nesse estilo. 
 
Eu queria passar o dia indicando fanfics para vocês, mas infelizmente a) não tenho todo esse tempo, e b) eu quase nunca marco as fics que eu leio. 
Vou então fazer uma breve indicação de fanfics de Arrow, mais especificamente Olicity, porque hoje em dia 99% das fics que eu acompanho são deles, então são as que eu lembro do nome.



Caso você não seja muito de ler fanfics, comece por uma one-shot, dê uma chance, aqui vão cinco das minhas preferidas:

E aqui estão as long-fics (algumas mais longas do que outras):

Oliver e Felicity se conhecem antes da ilha. Eles dormem juntos uma vez, Oliver vai viajar e seu barco afunda. Felicity descobre que está grávida, mas acredita que Oliver está morto.
Cinco anos depois, Oliver volta.

Universo alternativo em que a Felicity é filha da Dinah de um relacionamento anterior e morou com o pai pela maior parte da vida dela, até que ele a abandona de novo na casa da mãe, quem ela só costuma visitar nas férias. Felicity então precisa aprender a conviver com suas meias-irmãs, Laurel e Sara, seu padrasto, Quentin Lance, e sua própria mãe. Apesar da fic ser Olicity, e contar com a presença de um Oliver adolescente e pré-ilha, a fic é muito mais voltada no relacionamento entre a Felicity e a família, desenvolvendo temas da construção parental e relacionamento fraternal.

Essa é uma fic que eu nunca teria imaginado que daria tão certo, mas dá. Nela, não é o Oliver que é traumatizado, e sim a Felicity. Depois da morte do irmão, Felicity não consegue lidar com o luto, envolvendo-se em dificuldades, e acaba indo morar na rua. Depois de anos levando essa vida, ela conhece Thea Queen e elas acabam desenvolvendo uma amizade. Apesar de no início às coisas parecerem estranhas e OOC, todos os personagens são tão bem desenvolvidos que não tem como deixar de gostar de ler.
 
Nesse universo alternativo de almas-gêmeas (o meu tipo preferido de AU), uma marca (como uma tatuagem) aparece em cada par de alma-gêmea no dia em que eles se conhecem. A história já está finalizada e é linda. Vocês deveriam também aproveitar e ler todas as fics dessa autora!

Felicity conhece o Oliver e o "Hood" como duas pessoas diferentes. Enquanto começa a formar uma amizade com Oliver, ela vai servindo como "conselheira técnica" para o Hood nos casos relacionados. A fic explora como os eventos se dariam diferente se a Felicity tivesse conhecido o Oliver como Hood primeiro, ao invés de Oliver Queen, ela segue exatamente a mesma ordem da série, estando no momento no meio da primeira temporada, de forma que nós possamos observar as pequenas mudanças.

Um universo alternativo em que a Felicity trabalha para a polícia e é detetive, sendo colocada como nova parceira do detetive Lance, ao mesmo tempo em que Oliver volta da ilha. Seguindo o mesmo modelo da fic acima, ela reconta a primeira temporada, com os mesmos acontecimentos, só que com essa pequena - grande - diferença da Felicity estar investigando os casos relacionados ao vigilante. Ela tem um grande foco na parceria entre Felicity e Lance, o que eu adoro, mas também tem, é claro, algumas cenas entre Oliver e Felicity. 

Mais uma desse estilo! Depois que o Oliver volta para casa e conhece Felicity no episódio 1x03, eles acabam dormindo juntos em uma festa depois. A fic aborda como isso afeta o relacionamento deles e os eventos da primeira temporada. 

Oliver é ferido em território estrangeiro e, para conseguir acesso ao quarto dele, Felicity forja um casamento entre dois, que acaba vazando. Aproveitando o casamento falso para melhorar a imagem da empresa e expulsar Isabel da QC, os dois resolvem fingir que estão realmente casados.

Oliver e Felicity estão em um relacionamento estável quando ela é misteriosamente sequestrada e ninguém sabe o que aconteceu. Enquanto procura desesperadamente por ela, Oliver reflete sobre o último ano e seu relacionamento com Felicity.

Ok, eu poderia continuar isso por muito tempo, porque eu já li e estou lendo muitas fics, mas acho melhor parar. Vou deixar vocês com esse lindo tumblr: The Olicity Library, que tem MUITAS indicações de fics Olicity, incluindo tags por categorias e uma lista dos dez melhores autores (votados pelos seguidores) e suas fics mais populares. Minha meta de vida é ler todas as fics indicadas aí.

E é isso, desculpa por só indicar Olicity, talvez na próxima dica eu indique algo de algum dos meus outros fandoms. Que ship vocês gostariam de ver recomendações?
Ah, se tiverem alguma fic para me indicar (inglês ou português), por favor, comentem!


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

O "mistério do abacaxi" é finalmente desvendado!

the pineapple incident

Depois de quase dez anos, os fãs de How I Met Your Mother finalmente podem descansar, sabendo o que aconteceu no famoso episódio "The Pineaple Incident", o décimo da série. Apesar do Ted do futuro ter comentado, ainda na primeira temporada, nunca ter descoberto como o abacaxi tinha ido parar com ele, a curiosidade do público parece ter falado mais alto para os escritores.

A cena acabou sendo cortada no episódio oficial, mas nem por isso vamos deixar de vê-la!
Vocês podem conferir no buzzfeed ou assistir aqui:




terça-feira, 16 de setembro de 2014

Mais uma confirmação no Fan Weekend!

Parece que mais alguém está confirmada no evento de Teen Wolf no Brasil...

Nossa querida Allison (Crystal Reed) confirmou no twiiter o quão animada está para o Fan Weekend! Além dela, os atores Max Carwel, Tyler Posey e Holland Rodes irão participar do evento que acontece em dezembro (x) (x).
O Fan Weekend terá alguns momentos de meet & greet, perguntas e respostas, sessão de fotos, coquetel e jantar com os atores. Sonho?


O que vocês acharam? Animados para o evento?


Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

domingo, 14 de setembro de 2014

Dica da Semana: série de jogos 'Emily's Delicious'

emily's honeymoon cruise
foto do último jogo lançado

O jogo parece ser um simples jogo de servir mesas e clicar nos produtos rápido, atendendo os clientes com eficiência. Já vi muitos nesse estilo, mas desde a época em que eu jogava muito esses tipos de jogos até hoje eu acho que o Delicious tem um ótimo diferencial e por isso merece estar na dica da semana.

Emily, a personagem principal, é uma pessoa que adora ajudar todo mundo e basicamente trabalha em tudo que é lugar. A premissa é simples: ganhar a pontuação e servir mesas com eficiência. Agora, uma coisa que já chama a atenção (e que evolui ao longo das já dez versões do jogo) é que Emily tem uma história. Outro personagem constante, além dos pais de Emily, é François, o amigo e fiel escudeiro de Emily. Ele aparece sempre e posso até dizer que a amizade é fofa.

Cada jogo e fase dele tem desafios que influenciam o objetivo principal. Além de ter um rato, que pegando você pode ganhar uma pontuação extra em toda fase, temos objetos a serem encontrados, a atenção dividida com certos clientes, e muito mais... Imagine o que se pode fazer com dez jogos da série... Haja criatividade.

Aqui está a lista da série toda:
1 Delicious
2 Delicious 2
3 Delicious: Emily's Tea Garden
4 Delicious: Emily's Taste of Fame
5 Delicious: Emily's Holiday Season
6 Delicious: Emily's Childhood Memories
7 Delicious: Emily's True Love
8 Delicious: Emily's Wonder Wedding
9 Delicious: Emily's Honeymoon Cruise
10 Delicious: Emily's New Beginning

Se percebermos o layout do jogo vai melhorando consideravelmente até o que é hoje. A personagem principal e seu desenho se tornaram algo muito mais elaborado... O que eu acho legal é que em várias etapas da criação, os designers e toda a equipe do jogo pedem ajuda aos fãs em alguma mudança, por meio do blog do jogo (até 2011) e a página do facebook.

emily's delicious wedding
imagem promocional do Delicious: Emily's Wonder Wedding
Acho interessante que depois de um tempo começamos a ver a vida amorosa de Emily. Em determinado jogo, por exemplo, o próprio jogador pode escolher qual dos dois interesses românticos ela deve ficar... Tenho certeza que foi trabalhoso criar duas 'storylines' a partir dai. Mas o fato é que na edição seguinte, temos outro namorado para Emily e esse continua durante todo o resto... Acompanhamos assim os preparativos do casamentos dela, sua lua-de-mel e a próxima edição será a gravidez da personagem. No meio disso tudo temos, como eu disse, os desafios relacionados à tudo isso.

Outro diferencial que acredito que a série tenha seria a preparação das comidas. Soa estranho, mas o jogo não é só você pegar coisas da cozinha e pôr nas mesas, e sim, algumas vezes, grelhar as carnes ou encher balões ou até assar bolos. Além disso, algumas fases tem ajudantes que facilitam o trabalho de limpar as mesas ou até servem distrações para os clientes esperarem mais felizes (e assim você ganha mais pontos).

Podemos ver também que os criadores tem uma preocupação em criar um ambiente ali. Os cenários são muito bem elaborados e cada lugar tem sua comida e música específicas. Se repararmos há os detalhes nas mãos dos clientes ao comer e beber que acho bem bacana. Ao longo da série também dá para ver que o jogo se expandiu e não é mais sobre restaurantes, sempre com variações como lojas, creches e etc.

Uma coisa interessante foi que teve um ou dois jogos que os criadores optaram por lançar uma fase por semana, mas parece que o próximo não será assim. Como eu disse, há um lançamento à caminho relacionado à gravidez de Emily. O nome é Delicious: Emily's New Beggining e aos poucos estão saindo alguns pequenos teasers de como será a nova edição, que lançará ainda esse ano na primavera.

emily's new beggining
'pense em um nome [para o bebê]'
Acredito que eu gosto muito desse jogo porque ele engloba muitas coisas, de certa forma. É a rapidez de servir, as histórias, os desafios, os personagens, os detalhes, a interação dos criadores com os fãs,... Enfim, com certeza recomendo.

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Reprise: The Office (US)

the office us


The Office é uma série de comédia em formato de pseudodocumentário. Sendo uma adaptação da série britânica The Office da BBC, seus episódios retratam o cotidiano dos funcionários de um escritório em Scranton, Pensilvânia, filial da empresa fictícia Dunder Mifflin Paper Company. Curiosidade: Para simular o visual de um documentário verdadeiro, a série é filmada com uma única câmera, sem a presença de características comuns a uma sitcom como platéia no estúdio ou risadas de fundo.

Admito que no começo me assustei com o Michael (Steve Carrell). Ele é um personagem sexista, racista e por ai vai. Por que eu continuei assistindo, você pergunta? Bom, eu diria que os gifs da série eram engraçados e tudo parecia melhorar conforme as temporadas passavam e eu resolvi dar uma nova chance à serie.

O Michael é um personagem complicado e devo dizer que ele tem um  foco grande, afinal ele é o chefe de todos no escritório da Dundler Mifflin e, como muitos dizem, o coração da série. Claro, ele era irritante, mas eu sabia que isso tudo era uma forma de sarcasmo para falar sobre as realidades da sociedade - pelo menos é assim que eu vejo. Todos nós conhecemos um Michael, uma pessoa desinformada, que por mais que tente sair de certos preconceitos da sociedade, não consegue. Com o passar do tempo, no entanto, não tem como não gostar dele. Vemos que por trás daquela camada de piadas, há uma pessoa sensível, que só quer ter amigos e sair da solidão. Todos no escritório vão percebendo isso, e acredito que a Pam seja a primeira.

Pam (Jenna Fischer), a secretária que forma o par romântico mais perfeito de todos (desculpa, tenho que ser fangirl nesse momento). Fica claro que ela e o Jim (John Krasinski) são o casal principal da série. Sempre naquele vai e vem, mas que o fundo você sabe que eles são feitos um para o outro. Tudo que eu conseguia pensar era que não aguentaria esperar para ver os dois juntos só no último episódio da série. Pequeno spoiler, fiquem tranquilos, tudo se resolve na terceira temporada. Admito que fico com medo quando casais tão queridos ficam juntos. Não me entendam mal, eu amo, mas existe a possibilidade deles esfriarem um pouco. Com Pam e Jim, por mais que tivessem esses momentos, os escritores sempre sabiam nos trazer de volta a fofice como ninguém.

jim and pam

Quanto ao Jim, ele é o cara perfeito. Dá os melhores presentes, sempre bem pensados e relacionados à piadas internas. Parece ser um dos únicos que percebe o quão loucas são certas ideias ou pronunciamentos do Michael. Ele pode ter demorado para falar dos seus sentimentos para Pam, mas é um dos que mais se preocupam com todos ali dentro, percebendo machismos e etc. (spoiler) Na última temporada, acredito que os escritores quisessem dar um drama a mais na história e fazem Pam e Jim brigarem mais que o normal. Podia ter tido menos drama, mas entendo que talvez seja para mostrar que todo casal (até os mais perfeitos) podem passar por dificuldades no relacionamento. No final, claro, tudo se resolve e as declarações de amor de um para o outro são fofas, como sempre.

Na série, vemos algumas caras familiares como Mindy Kaling, Rashida Jones (para os fãs de Parks and Rec) e Ed Helms. Fiquei bem surpresa com Helms. Conhecia ele de "Se beber não case", óbvio, mas seu personagem, Andy, é outro por quem é possível se apaixonar. Imagine um ex-participante de coral na faculdade, que sabe harmonizar a voz como ninguém. Esse é o Andy. O personagem que poderia ser só alguém para incomodar Jim no novo trabalho, se tornou muito mais. (spoiler) Admito, na última temporada, Andy cai no meu conceito, afinal que tipo de pessoa some durante semanas e deixa a namorada sem notícias para ir para as Bahamas ou sei lá onde? Mas a gente tenta entender que todos tem seus momentos de loucura.

Bom, não poderíamos falar de The Office, sem falar do Dwight (Rainn Wilson). Ele trabalha numa fazenda com o primo e sabe qualquer coisa que se possa imaginar sobre animais e natureza. Com certeza é apaixonado pela empresa e tudo que ele quer na vida é ser assistente do diretor regional, e diretor um dia. Dwight é quase um nerd e é ótimo ouvi-lo falar de Beatles, Harry Potter, videogames, Battlestar Galactica e etc. Assim como Michael, que de vez em em quando tem suas citações.

dwight
créditos
A relação dele com o Jim (e a Pam) evolui de uma forma maravilhosa. Como sempre dizem, quando duas crianças brigam, elas na verdade se gostam. Jim sempre implica com Dwight, durante a série inteira, mas aos poucos vamos percebendo que os dois estão trabalhando juntos há muito tempo e conhecem bastante um do outro. Eles tem até táticas de venda juntos... Percebemos então certas ações do Dwight que mostram que, apesar de ganhar certa discussão, ele começa a ser flexível ou até ajuda Jim, sem admitir, claro. Quando você vê, no final, percebemos que Jim adora as estranhezas (se posso chamar assim) do Dwight e passa a fazer good pranks (pegadinhas do bem). Jim tentando se enganar, enquanto faz coisas boas pelo amigo... ai ai...

Achei brilhante a continuidade no seriado. Todas as piadas sempre indo e voltando, vivas e muitas vezes recontadas como se não soubéssemos. Muitos personagens vão e vem, e tinham certas coisas que você ficava feliz por relembrar, quase como se você estivesse lá. Eu sei, você pode perguntar, não deveria ser assim? Não é essa a responsabilidade? Mas acredito que muitas séries se percam um pouco nisso, e claro, ninguém é perfeito.

Os outros personagens são ótimos. Kevin com amor por comida; Meredith com seu jeito independente, sem se importar com que os outros pensam; Stanley com seu jeito mal humorado; Phillys com o seu jeito confiante; Kelly com suas dicas de moda; Ryan com suas ideias inovadoras; Creed com seu currículo suspeito; Toby com sua rivalidade com o Michael; Oscar com sua autoafirmação e genialidade; Angela com suas manias; Erin com sua ingenuidade fofa; e Darryl com seu jeito irônico. Temos também personagens que não aparecem muito, mas fazem grande diferença. Por exemplo, a Holly. Ela se torna rapidamente um par romântico para o Michael e devo dizer que os dois são outro casal fofo. Ela ri das piadas dele e os dois parecem se entender como ninguém nunca entenderia.

kevin
kevin
"Mini-cupcakes? Como em mini versões dos cupcakes normais, que já são mini versões de bolo? Honestamente, quando isso acaba com vocês pessoal?"

Sem Carrell nas últimas duas temporadas, a série perdeu um personagem muito importante, mas devo dizer que a nona temporada teve suas sacadas brilhantes. O fato de finalmente falarem do documentário que vemos durante todas essas temporadas é perfeito. Adoro esses choques entre realidade e ficção: ver os personagens interagindo com os câmeras (quer dizer, Pam e o cara do microfone), eles descobrindo o quanto filmaram das suas vidas às escondidas, a influências disso na história, além de termos promos do documentário e até conferências com os personagens.

Li algumas coisas sobre a série e devo dizer que concordo que certos assuntos deixaram a desejar no final. Por exemplo, o abandono da carreira de Pam. Na verdade, achei que seria pior, porque parece que ela continua trabalhar com murais, apesar de não seguir seu sonho de ser designer. Mas mesmo assim, às vezes parece que a personagem foi reduzida à ter filhos. Claro que há muito mais do que isso... O segundo filho foi para acompanhar a gravidez da atriz, e Pam, sendo uma personagem forte, persiste em seus desenhos e criações mesmo assim.

Muitos reclamam dos finales de grandes séries e devo dizer que essa foi uma das exceções (para mim, pelo menos). Tem um casamento e encontramos todos os personagens, até os que tinham sumido. Kelly e Ryan com sua história de amor... E sim, Michael também aparece, e nem tanto como queríamos, mas devo dizer que a última fala é a cara dele. Foi algo como: "Isso é o que todo pai quer. Ver seus filhos juntos e casados uns com os outros."

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

domingo, 7 de setembro de 2014

Dica da Semana: o livro "Morte em Veneza"

Autor: Thomas Mann
Editora (dessa versão): Saraiva de bolso
Título Original: Der Tod in Venedig

Sinopse: Em A Morte em VenezaThomas Mann apresenta uma escrita complexa e profunda, onde quase cada parágrafo pode ter várias leituras. Em contraponto, o enredo é praticamente inexistente: um homem de meia-idade viaja até Veneza, apaixona-se platonicamente por um jovem rapaz polaco extremamente atraente e morre sem sequer ter trocado uma palavra com ele.








O livro é pequeno. Tem somente 90 páginas na versão pocket-book. A história - com suas analogias, referências e sua profundidade - tornaram esse livro um dos meus queridinhos atuais, apesar de sua finura. O autor é Thomas Mann (1875-1955), ganhador de um Nobel de Literatura e um Prêmio Goethe, e um dos grandes nomes da literatura alemã.

Bem, de volta ao livro. O nome é "Morte em Veneza", e foi publicado pela primeira vez em 1912. A trama centra-se em Gustav von Aschenbach, um famoso escritor que já passou dos cinquenta anos. Em busca de inspiração para seu novo livro e arrebatado por um súbito desejo por aventura, ele viaja para Veneza. Lá, conhece o belo Tadzio, um jovem polonês de quatorze anos por quem se interessa profundamente. Tão enamorado fica, que ele não percebe quando um surto de cólera toma a cidade.

Diversos temas são abordados, dos quais o menor talvez seja a homossexualidade. O significado de beleza para um artista é o principal, obviamente. Aschenbach não só admira Tadzio, como também deseja ser tão bonito quanto o rapaz, chegando ao extremo de maquiar-se para parecer mais jovem e atraente quando no início da história ele ridicularizara outro homem por fazer o mesmo.

Visto que os fatos nos são contados da perspectiva de Aschenbach, alguns pontos da história são questionáveis, no mínimo. A reciprocidade dos sentimentos de Tadzio talvez seja o maior deles. Nunca temos certeza se o jovem percebe - ou gosta - da atenção de Aschenbach. Por sinal, nem mesmo os sentimentos do próprio Aschenbach podem ser aceitos sem antes nos perguntamos se ele realmente ama Tadzio ou ama somente a beleza do jovem.

Ah! Eu poderia falar muito, mas muito mais. Mas vou parar por aqui, pois não quero estragar a diversão de ninguém que, por ventura, se interesse e decida ler o livro.

Para quem não tem interesse em ler, posso dizer que fizeram uma adaptação para o cinema em 1971. Este foca mais no relacionamento de Aschenbach e Tadzio, embora o mistério da reciprocidade dos sentimentos permaneça. Segundo me disseram, o filme também é lindo.

Outras adaptações do livro incluem a última ópera feita por Benjamin Britten, em 1973, uma dramatização feita pela rádio BBC, em 1997, e uma peça de balé feita por John Neumeier, da Companhia de Balé de Hamburg, em dezembro de 2006.

Minha dica? Leiam o livro. Não toma muito tempo e a experiência é sem igual.


Thaís Cabral - Estudante de Publicidade, pseudo-escritora, leitora compulsiva e chocólatra. Gosto de séries de TV (americanas e/ou britânicas), filmes e anime/mangá.

sábado, 6 de setembro de 2014

Final alternativo oficial de How I Met Your Mother

Depois do polêmico final da série, os escritores prometeram que o DVD conteria um final alternativo. E, após alguns meses de espera, os fãs finalmente podem conferi-lo.


E aí, o que acharam? Melhor do que o original?

Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Review: Teen Wolf 4x11 - "A Promise to the Dead"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "A Promise to the Dead", exibido no dia 01/08/2014! 




















terça-feira, 2 de setembro de 2014

Teaser da segunda temporada de Agents of Shield

Calma, pessoal. Setembro já chegou e, para fazer o nosso dia e matar nossa curiosidade, uma fã postou esse novo spot da TV da série.



O foco em proteger à todos "mesmo quando eles não sabem" é interessante porque, claro, é assim que a SHIELD opera desde sempre no universo da Marvel, depois de tudo ter sido exposto com Os Vingadores e eles viraram conhecimento público.

Todos esses anos trabalhando em segredo ajudou a Hydra a crescer de dentro e construir a desconfiança que Coulson e sua equipe parecem estar enfrentando nessa segunda temporada. Será nteressante ver como e se eles construirão em cima disso tudo, tanto aqui ou em Agent Carter, que terá seus episódios durante o hiatus no meio da temporada de Agents of Shield.

Fonte.

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Lançamento de Arrow 2.5

A terceira temporada de Arrow só começa em outubro, mas isso não significa que os fãs ficarão sem nenhum material novo até lá. O primeiro volume da história em quadrinho que se passa entre o final da segunda temporada e o início da terceira temporada lançou hoje em inglês. É possível comprá-la em forma digital pelo site comixology.com. Arrow 2.5 será formado de 24 capítulos, e o segundo está previsto para lançar dia 15/09.



Apesar do formato, "Arrow 2.5" conta como parte da série, conectando-se diretamente com a história e contando como canon.
O script é escrito por Marc Guggeheim, também produtor executivo da série. Em uma entrevista para a MTV, Guggeheim comentou sobre o gibi, dizendo que irão explorar nesse entre-temporadas assuntos como os ferimentos do detetive Lance e a aproximação entre Oliver e Felicity que levará ao encontro que vemos na promo.

A entrevista está disponível na íntegra em inglês aqui.



Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

 
UA-48753576-1