Image Slider

sábado, 29 de novembro de 2014

Dica da Semana: A Esperança - Parte 1




Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) encontra-se no Distrito 13 depois de ter literalmente acabado com os jogos para sempre. Sob a liderança da Presidenta Coin (Julianne Moore) e seguindo os conselhos de seus amigos de confiança, Katniss abre suas asas tanto quanto luta para salvar Peeta (Josh Hutcherson) e toda uma nação movida por sua coragem. (sinopse)

Bom, como leitora dos livros, nada mais justo do que eu falar do filme mais recente da saga Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1. A verdade é que eu podia falar da série toda, inclusive dos livros, mas vamos por partes... Até porque vou acabar falando. Primeiro de tudo, adoro essa série. Para quem não leu minhas dicas sobre livros, adoro distopias, então é só fazer as contas. Jogos Vorazes, no entanto, é diferente. Vejo nessa série tantas coisas boas, personagens, situações que a faz ser uma das minhas favoritas.

Focando no terceiro livro 'Mockingjay', já que estamos falando dele, devo dizer que deve ser o meu preferido da série. Sim, é o livro que tem mais coisas trágicas e provavelmente foi o que eu mais chorei. Sim, até com um 'final feliz'. Não se preocupem, vou tentar não dar spoilers. Vamos ao filme então!

Como uma fã comportada fui assistir o filme semana passada quando lançou e devo dizer que os produtores e elenco estão se superando. Claro, acredito que estejam cada vez mais confiantes com a série devido ao sucesso, então vamos combinar que se compararmos o primeiro à esse, tivemos uma preocupação com tudo. Como leitora dos livros, sinto que algumas cenas tem mais peso para mim, como por exemplo as pequenas cenas que Katniss fica brincando com a pérola que ganhou de Peeta. Mas, claro, recomendo os filmes independente se vocês tenham lidos os livros ou não.
créditos
 As adaptações, em geral, tem sido bastantes fieis, apesar de terem cortados algumas coisas e como sempre "os livros são melhores que os filmes". Mas não podemos achar que tudo vai ser transmitido do livro para as grandes telas, até porque quando se tem tudo da perspectiva da Katniss fica bem difícil. Tem alguns pontos no entanto que acho legal vocês saberem sobre a adaptação, como por exemplo, o fato da Effie nunca ter ido ao Distrito 13 nos livros. Parece que nossa querida Elizabeth Banks ganhou o público e com isso seu lugar no Distrito foi uma escolha que faz sentido. E mesmo que não tivesse no livro, não posso reclamar da descontração que a personagem traz. [spoiler] Além disso, cenas como o resgate de Peeta também foram criados somente para o longa, mas entendo que o drama e emoção da cena caberia bem na adaptação. [fim do spoiler]

Uma coisa me chamou muita atenção, e que me incomodou um pouco, foi o papel do Finnick no filme, como conversei com as amigas com quem assisti. Nos livros, temos um Finnick destruído com tudo que aconteceu e sua ligação com Katniss parece tão forte, é bonito ver o quanto eles se aproximaram e puderam lidar com suas perdas juntos. No filme, isso é retratado de uma forma bem superficial. Aliás, me arrisco a dizer que retratam Finnick quase como se não estivesse tão mal assim, e devemos ter talvez umas três conversas entre ele e a Katniss.
"Snow: São as coisas que mais amamos que nos destroem." - créditos
Não podemos ter tudo, eu sei, os livros dão uma abertura muito maior para a evolução dos personagens secundários. Essa, na verdade, é umas das qualidades de Jogos Vorazes. A autora consegue fazer com que conheçamos cada vez mais os personagens e, bom, no último livro, conhecemos ainda mais o Finnick e a Johanna. Acredito que essa conexão emocional com eles seja essencial, no entanto, para que os acontecimentos do final do livro sejam enfatizados. Só espero que a amizade que Katniss constrói com Johanna seja feita de uma forma melhor e que o final seja bem retratado.

Uma coisa que me deixou intrigada foi que a franquia fez bastante publicidade e divulgou vários teasers com Peeta e Johanna ao lado do presidente Snow e na hora do filme nenhuma dessas cenas (ou cenas parecidas) passaram. hmmm

Só uma observação: o Peeta não aparece taanto assim no filme, mas a transformação dele do começo pro final foi impressionante. Aliás, os efeitos foram todos muito bem produzidos. Todos os paralelos entre cenas e Katniss nos campos de refugiados e Distrito 12 foram muito bem feitas. A cena final então! Aja tensão e drama, agora é só esperar pelo próximo filme.

Aliás, se preparem e aceitem o conselho de quem leu os livros: levem bastante lenço para o A Esperança - Parte 2, porque a coisa vai ficar tensa e triste.... bem triste. Aí vocês podem me perguntar, você gosta de sofrer, Mariana? Bom, a verdade é que certas coisas quando nos tocam e quando realmente estamos conectados à elas, nos deixam emotivas, então, sim, coisas que me fazem chorar e refletir sobre aquilo são as que eu gosto mais. Agora vamos ver como vai ser o último filme...
créditos
Prometo que esse foi o último gif rs.

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

Review: Gotham 1x10 - "Lovecraft"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Lovecraft", exibido no dia 24/11/2014!

É pessoal, pelo jeito Gotham acabou por esse ano. Triste. Fazer o que né? Os atores precisam de “descanso”. Paciência gafanhotos! Paciência! Resumindo a review em um nome: Alfred Pennyworth. Eu trocaria, sem sombra de dúvida a empregada gostosa por um mordomo desses (só que não, rs)! Sem mais delongas, let’s move!




O episódio começa com um trio de assassinos profissionais invadindo a mansão Wayne. O trio é liderado por uma mulher, na qual não foi citado o nome, mas me lembrei da Liga dos Assassinos quando a vi. Sem muitos indícios no episódio para afirmar isso, portanto é apenas um chute meu. Eles entram na mansão em busca de Selina Kyle que estava discutindo com Bruce (já começaram né? Mal sabem eles o tanto que ainda vão discutir). Alfred, logo percebendo da intenção deles, entra em combate. Sensacional, não achei os movimentos forçados, pelo contrário, foram plásticos até demais. Feríssimo! Através de uma “passagem secreta”, Bruce e Selina consegue sair da mansão e fugir dos assassinos. Destaque novamente para Alfred, que saiu atrás deles trocando tiro com um, consegue um acerto em cheio no ombro. Só aí já fiquei fã do nosso mordomo. Mas isso foi só o início. #Alfredmitonível1

Gordon e Bullock chegam à mansão. Bullock, conversando com Alfred sobre Selina, descobre que Jim foi quem levou-a para lá. Gordon conta tudo o que sabe sobre o caso Wayne, e Harvey começa a criticá-lo dizendo que o caso está fechado. Foi interessante essa fala de Bullock na frente do Alfred, porque mostrou à ele a importância que nosso comissário protagonista dá ao caso. Bullock e Gordon começam a discutir e Alfred, irritado com a situação, grita com os dois: “Querem calar a boca, vocês dois! Depois vocês discutem. Agora, precisamos achar o Mestre Bruce.” Já disse e repito: A fidelidade dele para com o pequeno Bruce é admirável. Bullock vai atrás de Selina Kyle juntamente com Alfred e Jim ficou responsável por ir atrás de Lovecraft. Vamos em parágrafos distintos. #Alfredmitonível2

Primeiramente, como é mais curto, vamos com Jim. Ele vai atrás de Dent saber como localizaram Selina na mansão Wayne. Dent então diz que soltou para algumas fontes confiáveis dele (sei não viu?) as informações do caso. Para minimizar a culpa, ele dá a localização de Lovecraft à Jim. Chegando lá, nosso protagonista acha Lovecraft que estava se escondendo também do trio. Ele explica que se algum dia vier a “crise” (não faço ideia do que seja essa crise), Jim e ele não serão nada, pois há muita coisa escondida por detrás do muro. Jim, curioso, pergunta sobre o que ele está falando. Quando Lovecraft vai mostrá-lo, aparece o trio dupla dos assassinos. Gordon ainda tenta lutar, mas é abatido pela líder e quando acorda, Lovecraft está com uma bala na cabeça da arma de Gordon. Foi muito boa essa cena porque deixou claro que há muita coisa que Jim não sabe sobre a morte dos Wayne. Garantiu muitos episódios na série, apesar de achar que Gordon foi facilmente abatido pela assassina líder.

Agora Bullock e Alfred. Eles iniciam a busca por Selina interrogando um garoto. Harvey tenta tirar à força do garoto, mas não consegue. Alfred intervém subornando o menino. Cara, foi hilário a cena. Tipo playboy: “Quanto?”. Coloca o dinheiro na mesa. O moleque diz que Selina está sob “proteção” de alguém. Harvey tenta arrancar dele quem é. Sem sucesso, Alfred vai e o suborna de novo. Sensacional. Bullock chega a ficar irritado com isso, rs. O garoto diz para eles perguntarem à Fish, pois ela é quem sabe de todas as proteções. #Alfredmitonível3

No cabaré de Fish, ela está a conversar com seu capanga mestre Butch sobre Falcone. Ela sai e nossa dupla chega. Harvey pede a Butch para falar com a nossa morena sedutora, mas sem sucesso. Novamente, pela terceira vez, Alfred intervém e ameaça Butch. Ele aproxima-se do capanga e aplica um golpe de karatê tirando uma faca já apontada para o pescoço de do gordinho luxúria Butch: “Cadê a Fish?” Meu Deus, MUITO Batman isso. Fish aparece. Harvey tenta tirar dela a localização da nossa gatinha. Adivinhem? Sem sucesso. Nosso mordomo, usando um pouco do seu lado cavalheiro, elogia a moreninha cabelo de fogo e consegue a informação. Cara, que FODÃO esse mordomo! Sério, já estava fã dele quando ele subornou o moleque, agora então, meu ídolo! #Alfredmitonível4

Selina está a andar com Bruce em Gotham. Ela alega em primeiro ato que os assassinos estavam atrás de Bruce, porém depois conta a verdade. Então, ela acha melhor sumir sozinha. Porém, Bruce Wayne é Bruce Wayne, não importa a idade. Ele vai atrás dela e vou ser bem sincero: pular de um prédio a outro, foi demais pra minha cabeça. O moleque mal sabe ficar equilibrado em um corrimão, agora pula prédios? Desculpe, mas o filme do Homem Aranha não é em Gotham. Forçadíssimo, até mesmo para Selina. Continuando, eles vão parar em um cortiço, no qual Selina acha a sua proteção: Clyde. Ele os coloca em uma espécie de depósito. Logo após os assassinos chegam ao local e Clyde entrega as crianças em troca de dinheiro. E aí eu pensei uma coisa: não sei se concordam, mas no quesito corrupção, Gotham tá quase no nível do Brasil. Povo se entrega fácil demais por dinheiro. Empilhando alguns armários, Selina e Bruce conseguem uma distração e se escondem. A dupla O grupo dos assassinos vão atrás deles e chega em cena Alfred e Harvey.

Alfred no modo God ON, já entra no local baleando geral em busca de seu protegido. Este, por sua vez, sai correndo para distrair os assassinos e manter Selina a salvo. Isso foi heroico e inteligente, admito. Jim chega à cena e juntamente com Bullock, esvazia o local. A líder assassina acha Bruce e lhe pergunta aonde está Selina. Ele diz à ela a verdade e ela lhe responde: “Um conselho, garoto: Não confunda coragem com bom senso.” Muito bom. Todas essas frases e pequenos acontecimentos formaram o herói que conhecemos. Tudo que acontece com Bruce na série, eu tento associar a algum fato que ocorre com Batman. Neste caso, me lembrei de quando ele foge de batalhas aonde não possui a mínima chance de vencer, ou seja, usa do bom senso.

Para finalizar, Gordon foi rebaixado pelo prefeito para guarda de segurança de Arkham, o que me deixou muito irritado. Claro, lá pode ser um local no qual ele vai descobrir mais coisas sobre o caso Wayne. Porém, ele deixar de ser parceiro de Harvey, poxa, já estava me acostumando com os dois! Na conversa com o seu parceiro, aparece Nygma. Cara, o carinho que ele tem por Gordon e mal jeito dele de despedir foram muito bem apresentados. Por isso digo, Nygma é um personagem fantástico, mesmo depois de se tornar o Charada. Reafirmo de reviews anteriores: Estão tratando ele muito mal nessa série. Arrumem isso daí! Não vou comentar muito sobre o beijo que Selina deu em Bruce, pois sabemos que ali é o início de algo que durará para sempre.

Agora é esperar o retorno da série no ano que vem. Aproveitando a deixa, se você está lendo até aqui, é porque realmente gostou do meu texto ou gosta da série. Queria agradecê-lo pela atenção e lhe desejar um feliz natal e que tudo de bom venha em dobro em 2015! Valeu e até ano que vem com mais Gotham, firme e forte! Abraço moçada.


O melhor
+ Alfred Pennyworth. Sem sombra de dúvida, subiu estrondosamente no meu conceito.
Não citei no texto, mas Falcone estressado me deixou feliz. Digamos que foi uma “derrota” para ele e Pinguim. Torço para que tudo dê certo para Fish.
+ Pinguim. Mesmo na pressão, soube guardar a informação sobre Liza para a hora correta. Convenhamos, ele é foda.
+ Selina e Bruce. Não pela ação que foi forçada, mas foi o caso do episódio que formou o vínculo que conhecemos entre os dois.
+ A consideração de Nygma por Jim Gordon.

O pior
- Jim nem sequer lembrou que Barbara existe.
- Mais Harvey Dent. Quero ver o Two Face em ação!
- Fish não sente falta em momento algum de Timothy, seu antigo braço direito. Ele morreu tem dois episódios e ela não citou o nome dele sequer. Complicado.

Nota 8,5

Pedro Henrique Sales Viciado em séries, desenhos e quadrinhos da DC e Marvel. Gosta muito de jogos, trocando-os somente por um prato de macarrão/ copo de cerveja. 

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Mais duas confirmações no Ever After e informações

Podem comemorar Oncers porque mais gente foi confirmada para a convenção da série no Brasil! O ator Sean Maguire, o nosso querido Robin Rood, acompanhará Lana Parrilla, quem já tínhamos divulgado, na viagem. Mas, calma, ainda tem mais! A atriz que interpretava Zelena pode ter ficado só meia temporada em Once Upon a Time, mas também cativou o público e estará no evento também! Rebecca Mader foi a mais recente confirmação! Não sabemos se terão mais confirmações, porque normalmente vem somente três atores, mas quem sabe...

O Ever After ocorrerá nos dias 27 e 28 de Junho de 2015 no Sheraton Rio & Resort Hotel no Rio de Janeiro e contará com encontros exclusivos com os atores, sessões de autógrafos e painéis. Claro que cada uma dessas oportunidades fazem parte de pacotes diferentes, por isso fiquem ligados e confiram os preços no site do evento!


A página do facebook da empresa responsável pelo evento no Brasil, DayDream, divulgou mais algumas informações:
• O hotsite da Ever After, com todas as informações sobre a convenção, inclusive valores, entrará no ar até amanhã e poderá ser acessado através do site da Daydream.
• Abriremos as vendas no dia 09/12/2014 as 10h. Haverá um link direto do hotsite da EA para o do Ingresso Rápido, para facilitar o acesso.
• Os valores poderão ser parcelados em até 4x sem juros, para compras feitas até o dia 25/12/14, em até 3x sem juros, para compras feitas até 25/01/15 e em até 2x sem juros para compras feitas até 25/02/15. 


E ai? Quem tá planejando ir?










Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

Review: Faking It 2x10 - "Busted"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Busted", exibido no dia 25/11/2014!

theo




















quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Review: Castle 7x08 - "Kill Switch"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Kill Switch", exibido no dia 24/11/2014!

castle 7x08




















quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Review: The Flash 1x07 - "Power Outrage"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Power Outrage", exibido no dia 25/11/14.


the flash power outrage

Sétimo episódio da série e Barry já está completamente acostumado a seus poderes. Até demais.
Começamos o episódio com uma narração do dr. Wells, que continua com seu comportamento suspeito de sempre em sua misteriosa sala futurística, vendo o mesmo jornal todo dia para checar se o futuro permanece inalterado. Ao mesmo tempo, ele vai escrevendo seu diário relatório sobre o comportamento de Barry, notando como ele está usando seus poderes para executar tarefas banais do dia-a-dia, ao invés de guardá-lo para salvar pessoas e coisas do tipo.
Logo em seguida, porque não podemos acreditar apenas no que o dr. Wells diz, vemos alguns exemplos de como isso é verdade. Todo esse foco em como Barry estava dependente de seus poderes só poderia indicar que ele viria a perdê-los em breve, e não deu outra. Logo aparece o vilão da semana, um metahuman atingido por um raio enquanto estava em uma torre de eletricidade, acidentalmente eletrocutou dois de seus amigos, matando-os, e agora estava roubando energia por aí.
Ao contrário dos outros metahumans que vimos por aí, esse não parecia estar completamente responsável por suas ações, em um estado quase de zumbi. Ele ficava repetindo que precisava se alimentar, roubando energia, sem falar de suas olheiras enormes. Não sei porque ele teve uma reação tão adversa aos poderes, não estando tanto assim em controle, mas imagino que cada um reaja diferente mesmo.
Barry e ele se encontram, sem Barry estar preparado, e ele acaba “sugando” a energia de Barry, deixando-o temporariamente sem poderes. É claro que ele não ficaria muito tempo sem poderes, mas isso deu a oportunidade de Barry reavaliar a própria vida, vendo como ele mudou nesses últimos dois meses e quão apegado ele ficou à sua velocidade, como ele é uma pessoa melhor com ela. Foi um momento interessante, nenhuma revelação importante, mas nem por isso desnecessário.

the flash blackout

Por mais que pegar a energia de Barry tenha sido uma consequência positiva, foi só um plus, esse não era o objetivo principal do Farooq, a.k.a Blackout, era matar Wells, o culpado de tudo isso. O doutor, porém, está muito mais interessado em proteger Barry, principalmente depois que o jornal futurístico revela que, com a perda dos poderes de Barry, The Flash não chega a existir, muito menos ocupa a manchete do jornal. O mais importante de tudo isso é mostrar que o futuro é flexível, fazendo a gente entender melhor a obsessão de Wells para que Barry faça as coisas do jeito dele: ele quer garantir que o futuro aconteça do jeito que deseja. Continuamos sem saber quase nenhuma informação das verdadeiras intenções do dr. Wells, mas a cada episódio parece que um centímetro a mais é revelado.
Barry não faz ideia de quão shady o dr. Wells realmente é, nem está interessado em saber suas verdadeiras intenções, porque não sabe que deveria procurar por elas, mas mesmo assim eles conseguem se desentender. O motivo não é tão relevante, mas cada vez vejo a máscara do dr. Wells caindo mais, a cada episódio um personagem se desentende com ele. Mal vejo a hora de todas as cartas serem colocadas na mesa.
De qualquer forma, mesmo com seus desentendimentos os dois acabam se protegendo de alguma forma. Dr. Wells, seja pelo motivo que for, faz o máximo para proteger Barry, inclusive deixando Tony, o vilão da semana passada, livre para que pudesse lutar contra Farooq. Tony acaba morrendo por isso, o que não foi uma perda muito grande, mas que até me surpreendeu, não esperava que fossem o matar.
Enquanto isso, Caitlin e Cisco tentam fazer com que os poderes de Barry voltassem, já que seu DNA continuava com as mutações de seus poderes. Eles dão um choque em Barry, sugestão dada pelo dr. Wells, o que teoricamente deveria funcionar como um reset de seus poderes, mas não funciona. Eles concluem que o problema é mais mental do que físico, mas antes que Barry tenha tempo para elaborar o assunto, Blackout está os atacando e quase matando dr. Wells. Nessa hora, as pupilas de Barry até dilatam para dar um efeito legal e mostrar seu sistema heróico sendo ativado. Ele salva dr. Wells, eles fazem as pazes, Barry sobrecarrega Blackout, matando-o(?), Barry fica mais poderoso do que nunca e todos vivem felizes para sempre. Menos quem morreu.  

iris west 1x07

Enquanto Team Flash é perseguido, os outros personagens da série têm seu próprio vilão – e nenhum poder para defendê-los. O Clock King veio diretamente de Arrow (vocês podem se lembrar dele do episódio 2x14, a.k.a aquele em que a Felicity leva um tiro pela Sara) só para causar um certo drama em Central City. Ele está sendo transferido de prisão, lá na delegacia, quando a energia acaba, pegando todos os policiais de surpresa. Ele aproveita a deixa e cria uma situação de reféns, matando algumas pessoas e fazendo o resto – incluindo Joe e Iris – de reféns.
O objetivo principal dessa plot pode ter sido criar um drama para o Barry, que estava incapacitado de ajudar sua família/amigos, não só por estar ocupado com Blackout, mas por não ter mais nenhum poder, fazendo-o sentir impotente sem poder ser o herói. Mas, mais do que isso, serviu para dar um foco maior nos outros personagens, mostrando como eles podem se virar sem o Flash.
Eddie está se escondendo do Clock King e quase consegue vencê-lo, atirando nele pelas costas, só que o vilão está usando um colete a prova de balas, o que ele não esperava, e acaba atirando nele. Surpreendentemente, me vejo gostando mais do Eddie a cada episódio que passa, algo que eu não esperava de jeito nenhum no início da série, só torço para que não estraguem o personagem fazendo-o virar babaca ou do mal. Por isso, não fiquei nem um pouco feliz quando ele levou tiros. Não fiquei com medo dele morrer nem nada, mas ainda assim fiquei chateada.
Tirando o melhor proveito de uma situação horrível, quando o Clock King pega a Iris como refém individual, Joe faz com que ele a deixe se despedir do namorado, oportunidade que Eddie aproveita para fazer Iris pegar sua arma reserva. Iris, então sozinha com o Clock King, revela a arma e atira nele, não matando, mas machucando. Fiquei bastante decepcionada da cena não ter aparecido, só ouvimos ela atirando e depois tudo fica subentendido quando Barry aparece na delegacia e vê o Clock King sendo preso, machucado. Acho que era bastante digno de termos a cena em si, para sempre chateada.
Por fim, temos uma cena lindinha no hospital. Eddie está mais fofo do que nunca, meio dopado com remédios. Barry aparece para fazer uma visita, dando oportunidade para a cena parental do dia entre ele e Joe. E, é claro, temos uma breve interação entre Flash e Iris, em que ele se desculpa por não ter aparecido, promete nunca se atrasar de novo. Mais uma vez, vemos indícios de interesse amoroso por parte de Iris no Flash. Fiquei com pena do Eddie e cheguei à conclusão que shippo tudo nessa série, literalmente, not even sorry.
Agora só esperar ansiosa pelo crossover de The Flash e Arrow semana que vem! Farei resenha dupla dos dois episódios, então aguardem por ela na quinta! :D

O Melhor:
+ Iris se defendendo sozinha
+ Mais revelações sobre o futuro e Dr. Wells
Interação entre Caitlin e Barry, muito fofa também
+ Eddie

O Pior:
- Não apareceu a cena da Iris atirando

Nota: 9,0


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Review: New Girl 4x08 - "Teachers"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Teachers", exibido no dia 18/11/2014!

jess day























domingo, 23 de novembro de 2014

Review: The Vampire Diaries 6x08 - "Fade Into You"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Fade Into You", exibido no dia 20/11/14.


tvd 6x08


Essa semana vai ser Thanksgiving lá nos EUA, então TVD resolveu fazer episódio comemorativo. Quase. Todos os universitários se juntam para a ação de graças, junto com a Jo. Acaba que o jantar é muito mais cheio de emoção do que qualquer um poderia esperar, incluindo eu.

Eu já desconfiava que a Jo era a irmã do Kai há um tempo, no episódio de semana passada ficou mais claro ainda, mas agora tivemos a confirmação final, para caso alguém não tivesse entendido ainda. A grande revelação do episódio, porém, é que esse não é o único irmão dela: Luke e Liv também fazem parte da mesma família.

Eu até desconfiava que eles eram todos do mesmo coven, mas literalmente irmãos? Nem pensei na possibilidade. E aparentemente eles também não, já que nem sei reconheceram, só quando Liv começa a assistir um vídeo da infância e Jo reconhece a própria voz é que eles descobrem. E já que começamos a descobrir os segredos da família Parker, vamos acabar com todos logo e descobrir quão disfuncional essa família é.

Aparentemente, os assassinatos que o Kai cometeu não foram totalmente aleatórios. É claro que nada justifica matar seus próprios irmãos, crianças ainda por cima, mas antes eu achava que tinha sido só por sadismo mesmo, eu estava errada.

the vampire diaries 6x08

Esse coven tem hábitos pré-históricos e ao invés de escolherem um líder democraticamente ou por idade, que nem pessoas normais, apenas gêmeos podem ser líderes, e aí um absorve o poder do outro – matando o irmão – e se torna o novo líder. Aquela coisa bem selvagem mesmo. Kai, como sabemos, não tem poderes próprios, só absorve dos outros, por isso não poderiam correr o risco de tê-lo como líder, por isso os pais resolveram tentar ter mais gêmeos, vide Luke e Liv. Kai ficou bem insatisfeito com isso, o que o levou a sair matando todo mundo. Só que ele se deu mal, porque nem matou os gêmeos, né.

Felizmente, Jo conseguiu esconder seus poderes na faca e fazer com que Kai acreditasse que ela ia deixar ele absorver seus poderes. Só que não. Quando chegou a hora marcada, Kai foi mandado para o outro universo, preso para sempre no mesmo dia. E todo mundo viveu feliz para sempre, tirando todas as crianças que morreram, Jo que ficou traumatizada provavelmente e foi embora, e Luke e Liv ainda teriam que participar dessas tradições horríveis aos 22 anos.

Agora, obviamente, Liv está bastante chateada, porque possivelmente vai morrer ou matar o próprio irmão. Estou prevendo que o resultado disso vai ser a Jo matar o Kai e de alguma forma se tornar a líder, é o que faz mais sentido. Enquanto isso, para evitar a barbárie, Tyler levou Liv para Mystic Falls, onde não existe magia, então todo mundo está seguro.

tvd fade into you

 Enquanto isso, Damon, Stefan e Alaric estão em uma roadtrip à procura do objeto lá para tentar resgatar a Bonnie, agora que eles sabem que ela está viva. Nunca fui a maior fã de Defan, mas agora que eles estão amiguinhos e tudo está fofo, estou tranquila com eles. E ter o Alaric ali com eles ajuda também, né.

Eles chegam na casa, que está escondida por magia – sério, Stefan, que você vai procurar um coven e nem pensa na possibilidade dele estar escondido? -, mas logo jogam o ursinho da Bonnie e revelam a casa inteira. Eles acabam encontrando o pai dos gêmeos, que não fica nem um pouco feliz em descobrir que Damon esteve na prisão do Kai e conseguiu ir embora.

Já que já estabelecemos que as tradições familiares deles não são das melhores, não é exatamente uma surpresa quando o pai da Jo resolve matá-la, só para caso o Kai consiga voltar também, porque aí pelo menos ele não conseguirá absorver seus poderes, e terá vindo em vão. Por sorte, Jo está com Elena, que usa seus poderes vampirescos para poder salvá-la. Bem na frente do Liam, que só serviu para ser usado em piadas mesmo, já que todo mundo esqueceu que ele estava ali, ouvindo sobre o mundo sobrenatural. No final, Elena compele ele para esquecer tudo aquilo e que estava namorando ela. Adeus, Liam, já foi tarde.

Alaric e Stefan conseguem entrar na casa, com o convite de Jo, depois que Damon é levado pelo pai dela lá para dentro. Antes que pudessem fazer alguma coisa com ele, porém, ele desaparece no meio do nada. Mas, afinal, a viagem toda é irrelevante, porque o Ascendent estava com a Jo esse tempo todo. Alaric quer deixá-la em paz, mas Damon usa compulsão para fazê-lo pegar o Ascendent. Acho inacreditável que o Ric não esteja tomando verbena, mas ok, deixo isso passar.

Não tenho dúvidas que eles conseguirão, até mesmo porque spoilers para os próximos episódios revelam que Elena e Damon irão fazer uma visitinha a 1994, então obviamente eles vão até o passado e devem estar com o Ascendent para conseguir voltar.

6x08 bonnie and kai

Por falar em 1994, Bonnie ainda está presa com Kai, e as coisas não parecem melhorar nunca. Mesmo agora que temos o flashback e sabemos a versão toda, Kai continua sendo um assassino maluco. Não sei porque Bonnie ainda tenta confiar nele.
Depois de vê-la colocando sua mágica no ursinho – e enviando para o universo normal -, Kai percebe como Jo escondeu sua mágica, todos aqueles anos atrás: colocando na faca. Ainda estou abismada sobre como Jo sobreviveu aquele ferimento, sangrando para caramba, durante um dia inteiro, e ninguém nem a levou para um hospital. Mas tudo bem, deve ser mágica também.
Percebendo isso, Kai vai até sua casa – o mesmo lugar onde Damon, Alaric e Stefan foram – só para buscar a faca e passar a perna em Bonnie, mais uma vez. Ele a esfaqueia, de forma que agora teria seu sangue, rouba o Ascendent e vai embora, com carro e tudo. Ai, Kai, mal posso esperar para você morrer. Só torço para que a Bonnie tenha a honra de matá-lo, depois de tudo o que ele fez para ela. Ou no mínimo a Jo, que também merece matá-lo.
Bonnie agora está presa naquela casa, no meio do nada, em 1994 e sozinha. De certa forma, é melhor do que estar com Kai, mas o problema é que ela não pode voltar para casa e, quando Damon e Elena forem para 1994 buscá-la, não vão conseguir encontrá-la facilmente. Mas tenho esperanças! Um dia você volta para o universo principal, Bonnie, antes mesmo do midseason finale, quem sabe?

O Melhor:
+ Revelações surpreendentes
+ Steroline se acertando
+ Cenas finais delena foram bem fofinhas

O Pior:
- Por que Alaric não está tomando verbena??
- Chega de fazer a Bonnie sofrer

Nota: 8,5


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

Dica da Semana: Frances Ha


Sinopse: Frances (Greta Gerwig) é a ambiciosa aprendiz de uma companhia de dança, que tem que se contentar com muito menos sucesso e reconhecimento do que ela gostaria. Mesmo assim, ela encara a vida de maneira leve e otimista.














"Frances Ha" é um filme estadunidense de comédia/drama de 86 minutos que chegou nas salas de cinema do Brasil esse ano. Aos que se interessarem, o longa-metragem está agora disponível no Netflix.
Vou começar com uma confissão: GRETA GERWIG É LINDA E TUDO DE BOM.


Essa afirmação que faço, eu faço baseada depois de vê-la em “Frances Ha”. Gerwigé fantástica no papel de Frances e captura a atenção do espectador com seu charme na frente das câmeras. Mais do que isso, ela faz com que nós nos identifiquemos com ela. Não foram poucos os momentos em que eu simpatizei com ela por conseguir me imaginar na mesma situação, inclusive – talvez – agindo da mesma forma. 

Frances é mais do que uma personagem engraçadinha. Ela é um reflexo do jovem adulto moderno. Suas atitudes e sua forma de pensar são reflexos da sociedade atual em que vivemos. Até mesmo – pasmem – sua crença de que pode se tornar uma grande dançarina algum dia apesar de não dançar tão bem assim para começo de conversa. Ela é corajosa, não me entendam mal. E seu otimismo é encantador. Mas a relutância em ceder ou aceitar quando as coisas estão indo mal (e em alguns casos de mal à pior) é irritante. Ela não aposta nos seus pontos fortes, mas em um sonho que está distante – muito, muito distante. Ai. Quantas vezes eu quis sacudi-la e dizer: “Não! Não! Pare e pense, Frances! PARE e PENSE!”. 

Spoiler: Essa vontade persiste durante grande parte do longa-metragem.

Mas eu amo a Frances. A-M-O. Não tenho como negar. Senti vontade de abraçá-la durante todo o filme. E, não, eu não estou exagerando. Do início ao fim do filme temos duas visões bem diferentes da mesma personagem. E isso é absurdamente crucial para entender a Frances. Ela pode ser engraçada, otimista, extrovertida – tudo isso. Mas tem um lado mais resguardado dela que é surpreendente. E as mudanças e desafios pelos quais ela passa são tão reais que é impossível não simpatizar ou, então, pensar sobre o futuro que nos aguarda.


A amizade da Frances e da Sophie (Mickey Sumner) é uma das melhores relações do filme, não tenham dúvida quanto a issoE me lembrou muito de algumas amizades minhas. Talvez por isso certas cenas quase tenham me reduzido às lágrimas. Mas elas são lindas. Saibam disso. É muito, muito importante que vocês saibam disso. Os relacionamentos – e a forma como eles são tratados no filme – são um aspecto bem legal e eu bato palmas para o diretor. E os atores. Todos eles são uns lindos. 

Eu vou parar de falar agora, até porque sinto que não estou dando uma dica, mas só extravasando o quão legal eu acho esse filme. Ok. Dica: Assistam Frances Ha. É, tipo, fantástico. Do início ao fim. Eu prometo. Juro de pés juntos se vocês quiserem. Se essa dica ficou muito longa, perdão, mas coisas boas são assim mesmo: exageramos ao prestar homenagem ou indicar para os outros. E acabamos não fazendo nem um, nem o outro, direito.


Thaís Cabral - Estudante de Publicidade, pseudo-escritora, leitora compulsiva e chocólatra. Gosto de séries de TV (americanas e/ou britânicas), filmes e anime/mangá.

Review: Faking It 2x09 - "Karmic Retribution"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Karmic Retribution", exibido no dia 18/11/2014!


Para quem sentia falta do ambiente escolar inusitado da série, ele voltou no último episódio da série. Dessa vez a escola propõe uma encenação de uma sociedade distópica (Hesteria) , que muito lembra as fictícias que já amo muito: a de Jogos Vorazes e Divergente. Assim, todos alunos são divididos em classes da mais baixa até a superior. Eu não me recordo os nomes de cada classe porque foram bem criativos, mas no final os personagens principais focaram divididos da seguinte forma: Lauren, Liam e Shane eram a parte mais baixa, Theo era tipo do "exército" como se fosse o Destemor de Divergente, Amy era a serva da sociedade mais alta, da qual Karma fazia parte (isso porque elas fizeram uma troca).
 
Enfim, no episódio anterior, Liam diz para Karma que dormiu com Amy na noite em que estavam brigados. Estranhamente, Karma perdoa Amy, imaginando que a culpa seria toda do Liam, afinal ela estava vulnerável. Mas Liam é friamente ignorado. 
 
Lauren também sofre com Theo estando em uma classe diferente da sua, logo com a garota que dava em cima dele quando ainda não estavam juntos. E ele ainda recusa trocar de classe para ficar junto dela. Quando Lauren questiona se é sobre o segredo que ela contou, ele afirma que isso não muda nada entre eles. Fiquei muito feliz com isso porque a Lauren merece alguém que se importe com ela. E adoro a ideia dos dois como casal, embora o segredo dele me preocupe. 
 
Liam continua forçando Karma a falar com ele enviando diversas mensagens, como Karma é da classe superior dessa "sociedade", ela inventa uma lei em que os da classe inferior devem entregar os celulares. O que deixa Shane furioso, uma vez que é assim que se comunica com Duke, e depois de brigar com ele sobre a patrocínio eles ainda não se falaram.
 
Toda a classe baixa se revolta e resolve armar para os seus "superiores" enviando um cavalo de troia. Eles oferecem um carrinho de sorvete e saem de lá de dentro exigindo seus celulares de volta. Liam vai até Karma para ela o perdoá-lo uma vez que ela foi capaz de perdoar Amy. Mas ela "atira" nele com a arma de brinquedo, o que o leva para o "inferno", que na verdade é o porão da escola onde está passando filmes antigos.
 
Com isso Shane começa a liderar a revolução e transforma Liam, como diz Karma, no Mockingjay de Jogos Vorazes (eu já disse que amei a referência?). Karma então se revolta e resolve contar para todos o segredo de Liam, para que todos saibam que ele é um hipócrita por está protestando contra a empresa que um dia será dele. Mas antes que possa terminar, Amy atira nela, e então todos atiram em Amy.
 
Já Theo marca com Lauren para encontrá-lo no pátio pois também tem um segredo para contar, mas adivinhem só... Ele não aparece! Espero que seja alguma coisa realmente boa porque eu não aguento mais esse mistério, não é instigante, e sim IRRITANTE.
 
 
No "inferno", Liam, Karma e Amy estão super desconfortáveis, mas finalmente Amy consegue fazer com que Karma fale algo. E então ela despreza mais ainda Liam. Porém Amy resolve assumir sua parcela de culpa sobre a noite dos dois e diz que Karma pode perdoar ambos ou odiar ambos, mas não deve perdoar ela e ignorar Liam. Então Karma ignora os dois.
 
O episódio, definitivamente, não foi dos melhores. Na verdade, ele foi bem parado. Poderiam ter explorado mais desse plot da civilização distópica, mas ficou algo apenas insano e infantil. 

 
O melhor 
+ A insanidade da civilização distópica
+ Referências à Divergente e Jogos Vorazes
 
O pior
- Theo continua mantendo segredo
- O episódio foi meio sem emoções. 

Nota 6,0
 
Ludmilla Neres Aficionada por livros, fangirl com orgulho, viciada em séries e ouve todo tipo de música (bem, quase todo).

Review: Arrow 3x07 - "Draw Back Your Bow"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Draw Back Your Bow", exibido no dia 19/11/14.

arrow draw back your bow


No final do episódio passado, vimos a primeira aparição de Cupid, também conhecida como Carrie, então obviamente ela volta como vilã da semana. Ela é uma stalker do Oliver, obcecada pelo Arrow, que quer chamar sua atenção de qualquer forma, mesmo que pra isso precise matar outras pessoas, incluindo o vilão de semana passada.
Eu estava ansiosa por esse episódio, por ter sido até bastante divulgado, e ter um tema que foi particularmente abordado muitas vezes em fanfics. É claro que eu não esperava nada no nível fanfic, afinal muitas delas foram escritas sem o contexto da temporada, mas devo dizer que o episódio deixou a desejar. Eu não gosto muito de algumas decisões que estão tomando, que espero que consertem logo, e acredito que o tema desse episódio pudesse ter sido desenvolvido de forma muito melhor, mas quem sou eu na fila do pão.
Carrie cria um plano mais ou menos elaborado para ficar com Oliver, e consegue fazer com que ele fosse até ela. Oliver, distraído como estava, acaba caindo em seu plano diversas vezes e quase é atropelado por um trem. No fim, ele consegue se libertar e salvar a si mesmo e à Carrie rapidamente. Depois disso, ao invés de mandá-la para a prisão normal, envia para o ARGUS, o que pode significar que a veremos novamente, ou não. Sinceramente, espero que não, porque não me importei o suficiente.
Carrie é uma personagem interessante, uma trope clássica, mas que pode ser muito bem feita se assim desejarem. Nesse caso específico foi meio meh, ela claramente tem transtornos psicológicos, o que causa sua total obsessão com o Oliver, mas nada de novo nisso.

raylicity 3x07

É claro que todo o plot de stalker só funciona se tiver um outro plot romântico por trás, por isso precisamos trazer um certo foco para Olicity. Depois de Oliver terminar as coisas antes mesmo de começarem, Felicity está seguindo com a vida dela e Oliver está em seu modo drama queen por causa disso.
Como Arrow é contado muito mais do ponto de vista do Oliver, não consigo evitar sentir uma pontinha de pena dele, por mais que racionalmente eu saiba que no fundo a culpa é dele. Oliver toma péssimas decisões o tempo todo, então não ficar com a Felicity foi só mais uma para a lista, ele só vai demorar um tempo para admitir isso. Ele joga na cara dela que a ama o tempo todo, mas logo em seguida fica dizendo que não podem ficar juntos, o que é muita babaquice da parte dele. O episódio de hoje foi só mais um exemplo, ele sabia muito bem que a Felicity estava escutando a conversa entre ele e a Carrie, e fez aquele discurso sofrido sobre como não podia ficar com ninguém nunca.
Por esses motivos, não culpo nem um pouco a Felicity por querer procurar outras pessoas, principalmente quando nem sabemos como ela se sente sobre o Oliver. Isso é um dos pontos que eu acredito que mais falte em Oliver: ponto de vista dos outros. Está claro que Oliver está apaixonado pela Felicity, isso é óbvio desde a temporada passada, mas não faço ideia sobre os sentimentos dela. Sim, ela o ama (amizade ou não), se sente atraída por ele, assim como todo mundo, mas apaixonada? Eu não sei. Tenho minhas teorias, mas são apenas especulações, gostaria de uma confirmação saída da boca dela. Felicity não fez nem de perto tantos discursos apaixonados como Oliver, então fica difícil de saber assim. Estou com altas expectativas para quando Oliver estiver desaparecido/sequestrado/seja lá o que vai acontecer com ele depois do episódio 3x09, mas era melhor eu nem esperar muito nesse quesito.
De qualquer forma, Oliver perdeu a oportunidade com a Felicity, pelo menos no ponto de vista dele. Diggle deu os conselhos pra ele, mandou ele contar para ela, mas aí já era tarde demais. Achei fofo que, depois de seu surto de ciúmes, ele acabou levando Roy para o jantar. Passar tempo com os amigos é um modo muito mais saudável de se esquecer de suas frustrações amorosas. Mas o Oliver mereceu essa frustração? Provavelmente, então vamos deixá-lo sofrer um pouquinho.

arrow ray palmer

Por outro lado, nós temos a Felicity na QC, saindo com o Ray, como todos nós já esperávamos. Eu juro que tentei gostar do Ray, apesar da minha primeira má impressão e do ar stalkish dele, juro que tentei deixar isso de lado. Assim como o Oliver, eu quero ver a Felicity feliz. O problema é que eu quero vê-la feliz com ele. Mas principalmente quero vê-la feliz com um cara que não me passe a mesma vibe creepy que o Ray. Seja atribuído a seu comportamento invasivo, minha incapacidade de desvencilhar o ator do personagem de Chuck, ou eu shippar Olicity demais para isso, o fato é que não consigo gostar do Ray, de jeito nenhum. Tentei e falhei.
Mas fiz o melhor que pude para deixar isso de lado e ver as coisas do modo mais neutro possível, apesar de saber que parcialidade é inevitável. O que mais me incomodou mesmo foi o Ray mudar o nome da QC assim e ninguém reclamar nada? Felicity aparentemente está super feliz com isso, e até faz um discurso inspirador sobre o Ray, apesar de conhece-lo, o quê, há um mês? E Oliver nem mencionou que a companhia da família dele acabou de vez, até tirando o nome... Achei vacilo.
Bom, Ray convida Felicity para um jantar, e apesar de dizer que é algo platônico, compra um vestido e um colar super caros e nem um pouco platônicos para ela. Depois Felicity faz o discurso motivacional, vai embora para o Foundry e volta para trabalhar, onde Ray a encontra. Eles se beijam, surpreendendo ninguém que viu a promo, só para fazer com que o Oliver visse, e depois... Ele vai embora? Dizendo que não deveria ter feito isso e blábláblá. Felicity que já tinha sido rejeitada pelo Oliver, agora recebe essa reação. Ray, estou tentando te dar uma chance aqui!
Como se minha desconfiança dele não fosse o suficiente, Ray está sempre aparecendo fazendo coisas suspeitas no final dos episódios. Dessa vez, ele está vendo um holograma de uma armadura/roupa/sei lá, que lembra um pouco a roupa do The Atom, o super-herói que o inspirou nos quadrinhos. Não sei como Arrow pretende passar dos quadrinhos para a TV, já que o poder dele de mudar de tamanho ficaria um pouco ridículo em uma série. Desconfio que tenha algo a ver com esse holograma, mas veremos.
Sei que, mesmo se ele e a Felicity se acertarem e eles comecem a namorar, não vai durar muito tempo, afinal ele só tem contrato para 14 episódios. Mas preferia que eles não tivessem nada sério.

Melhor:
+ Jantar na casa do Diggle
+ Oliver admitindo seus sentimentos. De novo. Nunca é demais.
+ Diggle intermediando Oliver e Felicity
Felicity não deixando Diggle intermediar, porque Oliver que deveria falar com ela. Tá certa.

Pior:
-  Uh, Ray Palmer
-  Por que ele não pode não pressionar a Felicity por um episódio?
-  Toda história da Cupid foi meio underwhelming.

Nota: 6,0


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

sábado, 22 de novembro de 2014

Review: The Flash 1x06 - "The Flash Is Born"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "The Flash Is Born", exibido no dia 18/11/14.


the flash is born


The Flash está se encaminhando para o midseason finale e eu estou finalmente começando a me sentir conectada com a série. Não que eu não estivesse gostando antes, mas ainda não estou completamente investida como em outras séries.
Nesse episódio, temos mais um metahuman, só que dessa vez não é alguém aleatório, mas sim um antigo colega de Barry, que fazia bullying com ele durante o ensino fundamental. A habilidade dele é tornar a pele de metal – o que me lembrou um pouco de um vilão de alguns episódios atrás de Agents of SHIELD – e aí usar sua força para fazer o mal, nem um pouco surpreendente considerando a criança maligna que ele era.
O mais interessante de ter alguém do passado de Barry foi termos mais alguns flashbacks sobre sua infância. Já tínhamos visto Joe em flashbacks antes - e brevemente Iris – mas dessa vez podemos ver melhor a amizade entre Iris e Barry que é tão importante no presente. Um dos meus pontos preferidos em qualquer série é amizade, amo romance, drama pessoal e tudo mais, mas amizades ganham de tudo isso. Por isso que, mais importante do que Barry ficar com a Iris ou não, quero mais cenas dos dois apenas sendo amigos e saindo juntos.
Estou para sempre triste que eles ainda não contaram para a Iris a verdade, e todo episódio eu torço para que ela descubra, infelizmente isso não aconteceu até agora. Iris continua obcecada com o Flash/Streak, e agora não só mais pelo Barry, está curiosa e querendo saber de tudo. Barry, apesar de dizer que é contra isso e ter até mesmo brevemente cortado relações com a Iris por causa disso, continua aparecendo para ela como Flash. Até agora ele anda se escondendo nas sombras e aparecendo por pouco tempo, mas se ele continuar aparecendo e a Iris não perceber, vai começar a me irritar, porque não suporte pessoas não identificando os melhores amigos só porque eles estão fantasiados. Sei que faz parte do universo, mas me dá vontade de gritar para os escritores se eles nunca foram em uma festa à fantasia. Até parece que não dá para reconhecer ninguém.

1x06 iris west

Senti um clima nos encontros entre Iris e Flash, dessa vez correspondido, ao contrário de quando ele está como Barry, o que pode indicar um triângulo amoroso, ou eu estou delirando. Sabemos que Barry está apaixonado por ela, mas Iris não compartilha dos mesmos sentimentos, pelo menos não percebeu isso ainda. Ainda não shippo nada completamente em The Flash, mas gosto dos dois juntos, e acredito que vou gostar ainda mais se for explorado da maneira certa.
Iris é uma ótima personagem e quero mais dela além de ser interesse romântico, cadê episódio focado nela? Tenho certeza que ela logo descobre do Barry, já que é super inteligente e tem interesse nisso. A cena final do episódio, em que ela dá um soco no vilão – que estava a perseguindo – foi uma das melhores. Imploro que os escritores não deixem Iris de lado.
Ela e Barry acabam fazem as pazes no final, o que não é surpreendente, mas é bom. Também vimos um primeiro momento de amizade entre Barry e Eddie, que até agora não tinham interagido muito além de Barry sentindo ciúmes. Eu gosto do Eddie, apesar de não ligar muito para ele com a Iris e ter certeza que eles vão terminar em cinco minutos, espero que ele não vire vilão. Estou achando que ele vai acabar descobrindo que o Barry é o Flash antes da Iris, mas torcemos para que isso não aconteça, porque até o namorado saber antes dela já é demais.
Ainda dentro do tema da amizade, preciso comentar do Team Flash. Caitlin e Cisco não tiveram tanta participação assim no episódio, mas o que tiveram foi fofo. Cisco sempre serve como “comic relief”, mas estou começando a ficar apegada a ele e Caitlin. Foi engraçado eles bonding sobre como todos sofreram bullying no colégio – o que não é um assunto legal, mas foi fofo.
Também não shippo – pelo menos ainda – Barry/Caitlin, porém preciso admitir que eles têm boas cenas juntas, e curto bastante a dinâmica entre os dois.

the flash 1x06 iris joe

No outro lado do episódio, Joe e dr. Wells se encontram, conversam, brigam e tudo mais. No início, parece que Joe só quer a ajuda de Wells sobre o caso da mãe do Barry, mas logo fica claro, até mesmo para Wells, que está mais para um interrogatório do que uma conversa normal. Acontece que Joe descobriu que a mudança de dr. Wells pra lá coincidiu com o assassinato da mãe do Barry, tornando-o super suspeito. Dr. Wells fica ofendidíssimo com a acusação e revela sua backstory trágica, para que Joe se sentisse mal e esquecesse isso.
Não acredito que dr. Wells seja tão inocente, e não estaria abaixo dele mentir sobre o passado, até mesmo porque pode ser que ele venha do futuro, então nada o impede de ir mais para o passado ainda, com poderes ou sei lá. Dito isso, não acredito que ele seja o assassino, porque seria muito óbvio, então acredito que só estejam tentando fazê-lo parecer suspeito.
Estou pensando sobre a teoria de que o assassino é o Eddie, mas sinceramente espero que não. Entre o dr. Wells e o Eddie, prefiro mil vezes que o culpado seja o dr. Wells, que já é bastante suspeito por si só.
De qualquer forma, ao final do episódio, Joe recebe uma visita do cara em amarelo, que ameaça a vida de Iris se ele não esquecer isso. Estou bastante curiosa para saber aonde isso vai nos levar, espero que The Flash não me decepcione.

O Melhor:
+ Iris!!
Cenas diversas de amizades entre todos os personagens
+ Volta do assassino, finalmente movimentando esse mistério

O Pior:
- Se a backstory do dr. Wells for verdade, vai ser bem clichê


Nota: 9,5

Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

 
UA-48753576-1