Image Slider

domingo, 21 de dezembro de 2014

Dica da Semana: O silêncio dos inocentes (livro)

Título original: The Silence of the Lambs
Editora (no Brasil): Record
Autor: Thomas Harris
Sinopse: Cinco mulheres são brutalmente assassinadas em diferentes localidades dos Estados Unidos. Para chegar até o sanguinário assassino, Clarice Starling, uma jovem agentes do FBI, entrevista o Dr. Hannibal Lecter, um brilhante psiquiatra, cuja mente está perigosamente voltada para o crime, para chegar até o sanguinário assassino. Ao seguir as pistas apontadas por Lecter, a jovem se vê envolvida numa teia mortífera e surpreendente. Uma romance policial arrepiante, escrita pelo célebre autor de Domingo Negro. Best-seller mundial, a história ganhou também muitos fãs em sua versão para o cinema. 





Thomas Harris é um jornalista e escritor de suspense policial que teve todas a maioria de suas obras - senão todas - adaptados para o cinema. The Silence of the Lambs (no original, em inglês), é a mais famosa delas. Com um elenco que incluia Jodie Foster e Anthony Hopkins, o filme foi vencedor de 5 oscars em 1991. Entretanto, não é sobre o filme que venho falar. É sobre o livro, no qual este primeiro foi inspirado.

Quando trata-se de resenhar livros - e filmes também, para ser sincera - é necessário controlar os próprios dedos para que spoilers que arruinem a diversão da obra para terceiros. Por isso, caros leitores, tenham em mente que certa dificuldade se apresenta para mim diante dessa tarefa. São, em grande parte, meus sentimentos que passo para vocês, minhas impressões da história, e não um resumo da mesma.

Sem mais grandes delongas, cá está:

Foi com grande animação que comecei o livro, em especial por já ter uma predisposição favorável ao filme. Não minto ou exagero quando digo que fui surpreendida. Positivamente, é claro. Caso contrário, não estaria escrevendo a dica da semana baseada nele. De qualquer jeito, o livro me entreteve mais do que o filme. É provável que minha preferência por livros possa ter parcela de culpa nessa circunstância. Não nego. Mas os personagens apresentavam uma profundidade maior, como se é de se esperar. E a trama proporcionava um grau de suspense tão grande a cada sentença, que foi impossível largar o livro antes de terminá-lo. Tinham reviravoltas já esperadas para quem viu o filme, mas que ainda são, de certa forma, notavelmente bem escritas, descritas e trabalhadas pelo escritor. O melhor de tudo? A história flui de forma confortável.

Quanto à protagonista, Clarice... Bem, Clarice Starling é absolutamente sen-sa-ci-o-nal. Eu me apaixonei um pouco mais pela personagem. Para os que estão acostumados com o filme (eu mesma, porém, não lembro bem dele) saibam que o linguajar é meio pesadinho. Acredito, entretanto, que combine bem com a narrativa. Não é algo light. É algo pesado com um teor meio assustador.

Hannibal, é claro, conquista tanto através das páginas do livro como ele o faz através da tela de cinema. Sua personalidade complexa e difícil de ser entendida - e sua genialidade, porque convenhamos que ele é um gênio - cativam e capturam o leitor.

Minha dica? Obviamente, leiam o livro. E vejam o filme. Eu certamente vou revê-lo depois de ler o livro do Sr. Harris. Tenho um feeling de que vou - inclusive - gostar mais do filme depois de ler a obra na qual se baseou. 


Thaís Cabral - Estudante de Publicidade, pseudo-escritora, leitora compulsiva e chocólatra. Gosto de séries de TV (americanas e/ou britânicas), filmes e anime/mangá.

sábado, 20 de dezembro de 2014

Spoilers do final da 4ª temporada de Once Upon a Time

queens of darkness evil queen

Com o final primeira metade da temporada e o pessoal de Frozen de volta em Arendelle, damos boas-vindas à três vilãs famosas: Malévola (Kristin Bauer), Úrsula (Merrin Dungey) e Cruella de Vill (Victoria Smurfit). Na mid-season finale também encontramos a Bela da Fera sendo heróina, enquanto Regina perdeu um amor, mas ganhou uma ajudante para a Operação Mongoose.

A TVLine conseguiu entrevistar os criadores da série Eddy Kitsis e Adam Horowitz, e conseguiu algumas respostas. Vejam aqui uma parte traduzida:

TVLine: Então, estive olhando para as 'Rainhas das Trevas' e ainda tem a impressão de "Uma delas coisas não é igual à outra". É o suficiente dizer que vocês tomaram algumas liberdades em relação à Cruella?
Adam Horowitz: Sim. A Cruella tradicional dos filmes animados tem sido um ponto de partida para nossa própria redenção. Se os espectadores verem o que temos guardado, você verá que enquanto honraremos a história da personagem, nós faremos mudanças na backstory que envolvem a Floresta Encantada e um pouco de mágica.

TVLine: Você podem dar alguma dica sobre como a mágica dela será?
Eddy Kitsis: Tem a ver com o que ela usa nas costas. Envolve animais.
Horowitz: E é dark.

TVLine: Falando da conversa entre Rumple e Úrsula: Como a missão deles, e como envolve o 'Autor', é diferente da procura de Regina e Henry?
Kitsis: Não é que seja diferente. Está levando eles para uma colisão. Assim como vimos na cena do carro, Regina disse que 'Vilãos não têm finais felizes", e ele respondeu com "Isso é besteira. Observe e me veja conseguir um [final feliz]". Bom, isso não deu muito certo e agora que ele é um homem sem mágica, ele está começando a entender o que ela disse. Ele chegou a um ponto na vida que ele começa a pedir ajuda - ele não poderá fazer sozinho - e ele pensa que a Regina tem algum plano.

TVLine: Você chamaria o Rumple de 'grande vilão' da segunda metade da temporada (4B), com as 'Rainhas das Trevas' como backvocals?
Kitsis: O Rumple é o 'grande vilão' com certeza. E talvez vou dizer que as três vilãs pdoem se virar muito bem sozinhas. Será um grupo de vilões formidável que teremos mais à frente.

TVLine: Queria ter uma coisa explicada sobre a mansão do lago - ela pertence ao Feiticeiro... ?
Horowitz: Bom, é o que parece...

TVLine: Mas o Feiticeiro não é necessariamente o Autor.
Horowitz: Bom, os personagens estão fazendo algumas suposições, e isso vai ser logo esclarecido na 4B. Mas sim, todos estão presumindo que aquela é a mansão do Feiticeiro. E alguns estão se perguntando se ele é o Autor ou não.

TVLine: Vocês podem descartar uma teoria de um fã, de que o Feiticeiro será o Yen Sid?
Kitsis: O feiticeiro de Fantasia? Sim, podemos descartar.
Horowitz: A história de Fantasia está no início. Nós temos algo em mente para a backstory do Feiticeiro.

TVLine: A Ginnifer Goddwin indicou para mim que Mary Margaret será mais ativa na 4B - quem sabe relacionado ao arco das 'Rainhas das Trevas'.
Kitsis: Com certeza. Snow e Charming tem uma interessante conexão com as 'Rainhas das Trevas'. Tem uma backstory que estamos animados em revelar. Nós vamos ver muito mais os Charmings nessa segunda metade.

TVLine: Algum retorno para confirmar, Ariel ou outros?
Horowitz: Sim, nós podemos pela primeira vez falar que a Ariel vai voltar (interpretada por Joanna Garcia Swisher). Nós a veremos na primeira metade da 4B. Talvez terão outros retornos que não estamos prontos para confirmar, dos nossos anos passados.
Kitsis: Nós mal podemos esperar para que todos conheçam as 'Rainhas das Trevas'. Mas sério, o que estamos animados é continuar com os personagens que já conhecemos e amamos, colocando-os juntos de maneiras interessantes.

O que os criadores de Once não falaram, mas logo descobrimos foi que Ernie Hudson foi confirmado para aparecer na série como Poseidon, Na versão de Ouat, ele aparecerá no episódio 4x15 e descobriremos que é pai de Úrsula. Além disso, descobrimos que o ator Eion Bailey, que interpretou August Booth (aka Pinóquio) voltará a aparecer na série! A pergunta é: o pinóquio não tinha voltado a ser uma menino? Será que o personagem voltará a ser adulto ou o ator voltará em flashbacks?

É, tem muita coisa para acontecer nessa temporada. Animados?

Fontes (x) (x) (x)

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

Última temporada de Parks and Rec tem data marcada e mais!

parks and rec

A sétima e final temporada de 13 episódios de Parks já tem data marcada: dia 13 de Janeiro, dois dias depois de Amy Poehler e Tina Fey apresentarem o Globo de Ouro pela terceira vez. "Mike Schur e Amy Poehler, assim como os incríveis produtores, elenco e equipe , tem nos dado uma das melhores comédias de todos os tempos, e estamos muito orgulhosos de Parks and Recretion", disse o presidente da NBC Entertainment Robert Greenblatt. "No esforço de dar a despedida que [a série] merece, nós queríamos que essa temporada fosse um evento para maximizar o impacto dos episódios, que levaram a série para um novo nível. (...)".

A sexta temporada acabou com um pulo para o ano de 2017 - e com Ben e Leslie como pais de trigêmeos. "Eu acho que todos sentem como 'Nós não queremos 'abusar da hospitalidade'. Nós queremos sair enquanto estamos no topo", disse o produtor executivo Michael Schur em maio. "Nós fizemos esse grande pulo criativo no final do ano passado e agora nós podemos perseguir isso de uma forma divertida nesse meio ano e quando daremos adeus e sairemos das telas".

ron swanson

E tem mais! Parks and Rec ficará mais 'mad' nessa temporada. Jon Hamm está cotado para reprisar seu pequeno papel da season finale. O ator que faz Don Draper em Mad Men fez uma  participação surpresa nos minutos finais quando avançamos três anos no futuro (2017) - e vimos Leslie demitindo Ed, quem parece ter sido um funcionário pior que Larry. O produtor Michal Shur acrescenta dizendo que se ele pudesse todo episódio veríamos eventos que aconteceram nesses três anos que pularam, o que inclui Ed fazendo alguma coisa bem incompetente. Além disso, Rashida Jones (Ann) e Rob Lowe (Chris) vão marcar presença nessa última temporada, assim como teremos as já famosas participações de Megan Mullally (Tammy), Natalie Morales (Lucy) e etc.

Se querem mais um spoiler, lá vai! Parece que Treat Yo Self vai voltar nessa temporada e veremos Tom e Donna serem levados para fora de Pawnee direto para Hollywood! E para quem quer ler mais sobre a temporada, Michael Schur deu uma entrevista para a Entertaiment Weekly (em inglês).

Mas e ai? O que estão achando da ideia de Parks and Rec acabar? Vai fazer falta?

leslie knope

Fontes (x) (x)

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Review: Once Upon a Time 4x11 - "Heroes and Villains"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Heroes and Villains", exibido no dia 14/12/2014!

once upon a time 4x11























domingo, 14 de dezembro de 2014

Review: New Girl 4x11 - "LAXmas"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "LAXmas", exibido no dia 09/12/2014!


Eu adoro episódios especiais: pode ser de Natal, Ação de Graças ou Halloween. É algo que nos aproxima da série e deixa aquele clima gostoso do feriado em questão. No episódio especial de Natal, LAXmas, os personagens têm destino diferentes: Nova Iorque, Chicago, Londres e Havaí. A turma planeja ir ao aeroporto juntos para que cada um possa seguir seu destino, mas, como nem tudo são flores, todos os vôos ficam atrasados.

Coach está indo para o Havaí, por estar cansado de ficar em um lugar cheio de gente e não querer ir pra casa onde também terá muitas pessoas. Mas em todo momento ele questiona se está fazendo o certo em passar o feriado longe da família e está sempre querendo falar com a sua sobrinha. 

Cece e Schmidt vão até um tipo de sala de espera VIP. Lá Schmidt se passa por alguém bem sucedido e tenta impressionar um senhor. Mas quando o homem tenta uma investida em Cece, Schmidt logo o despreza. Garante uma cena super divertida onde ele arma um pequeno barraco e começa a chamar o homem de "velho safado", com Cece não estendendo absolutamente nada. Posso já desejar que os dois voltem a namorar?

Já Winston e Nick tem a missão de fazer as pessoas desistirem de seus vôos para Chicago, já que estão muito em baixo na lista de espera. Nick e Winston são os melhores personagens para cenas engraçadas, foi muito legal ver os dois juntos. 

Enquanto os personagens se metem em encrencas, Jess está triste por descobrir que Ryan é rico após o mesmo mandar a foto de sua mansão. Ela começa a pensar que não tem chances e que irá estragar tudo. Jess até faz amizade com um dos empregados do aeroporto e acaba bebendo com ele no bar. Até que ele se oferece a ajudá-la a ter o natal perfeito, mas Jess acaba por pedir para que ele ajude Winston e Nick e o cara os coloca na primeira classe do voo. 

Quando Nick liga para Jess para a agradecer descobre que ela ainda não embarcou em seu voo para Londres, mas antes que possa encorajá-la, a aeromoça pede para desligar os celulares. Então quando Jess está prestes a voltar para casa e passar o natal sozinha, todos os amigos aparecem. Nick faz um discurso sobre ela não se achar importante, mas que aposta que nunca cinco pessoas sairiam de seus aviões por ele. Assim eles conseguem fazer com que Jess tenha coragem de ir conhecer a família de Ryan.

Cece e Schmidt embarcam no mesmo avião e se divertem. Coach decide ir para casa da família para ver sua sobrinha. Winston e Nick também pegam o mesmo voo, mas dessa vez nada de primeira classe. Mas quando Jess finalmente chega em Londres e liga para Ryan descobre que ele foi até sua casa. É, aparentemente não existe a magia de natal para todos.


O melhor
+ Cece e Schmidt. É incrível tudo o que ele faz por ela.
+ Nick e Winston tentando fazer as pessoas desistirem de seus voos.
+ Schmidt ofendendo o homem após ele insinuar que Cece seria uma garota de luxo.
+ Nick dando apoio à Jess. É lindo de ver depois de tudo o que passaram.

O pior
- Ryan, meu filho, cadê você? Poucas aparições de Julian Morris nesse episódio.
- O plot de Coach foi bem fraquinho.

Nota: 8,5

Ludmilla Neres Aficionada por livros, fangirl com orgulho, viciada em séries e ouve todo tipo de música (bem, quase todo).

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Review: Arrow 3x09 - "The Climb"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "The Climb", exibido no dia 10/12/14. 

A tão esperada mid-season finale chegou, resolvendo alguns assuntos pendentes e abrindo novas ramificações de história.

thea queen 3x09

Como todo mundo já especulava e sabia há um tempo, a League of Assassins chegou em Starling City dando um ultimato para Oliver: encontre o assassino de Sara em 48h ou mataremos um monte de gente inocente só para passar uma mensagem. É claro que o Team Arrow já queria encontrar o assassino, tinha até pedido para a Caitlin investigar o DNA lá, mas Nyssa pensou que faltava um certo incentivo, já que eles andavam distraídos com essa coisa de proteger a cidade e tudo mais.

Realmente, depois disso foi bem fácil descobrir quem foi. Felicity fez uma comparação do DNA na flecha com os da polícia e descobriu que foi o... Oliver. Obviamente, o primeiro instinto deles é de que alguém implantou o DNA lá, já que é claro que Oliver não matou a Sara, logo eles pensam em Malcolm, afinal isso faz bem o perfil dele. Investigação para cá e para lá, eles descobrem que Malcolm estava sim em Starling no dia do assassinato da Sara, mas não estava sozinho: Thea estava lá.

Finalmente, Oliver fica sabendo sobre a Thea, já era hora! Oliver não tem o mínimo direito de julgar a Thea por guardar segredos, visto que ele ainda nem contou pra ela que é o Arrow, mas isso não o impede. Ele fica lá chocado por ela estar mentindo na cara dura que não esteve em Starling. Diggle e Felicity são mais espertos, e logo jogam a possibilidade de ser a Thea a assassina. Oliver não quer acreditar que a irmãzinha seja capaz disso, mas a visita como Arrow e descobre sua nova habilidade de lutar.

Acabou que Thea é a assassina de Sara. Não sei como me sinto sobre isso. Todo mundo que leu minhas resenhas sabe que odiei a morte da Sara por quão desnecessária ela foi e, honestamente, isso não ajudou em nada. Thea matou a Sara sob a influência de uma droga, dada pelo Malcolm. Por quê? Para que o Malcolm pudesse chantagear o Oliver agora para se entregar para a liga, e então matasse o Ra’s por ele.

Sei lá. Não achei um motivo bom o suficiente para matar a Sara, você pode argumentar que nenhum motivo seria bom o suficiente, o que é verdade, mas dentre as possibilidades esse foi um bem ruim.

maseo arrow 3x09


De qualquer forma, o Malcolm calculou muito bem tudo, porque Oliver fez exatamente o que ele esperava. Será que Malcolm entregaria mesmo a Thea assim para o Ra’s al Ghul? Sabendo como ele tratava o Tommy, eu não deveria me surpreender, mas ainda assim. De qualquer forma, não importa se ele realmente entregaria ou não, mas sim que Oliver acredita que ele seja capaz. E é óbvio que ele não vai deixar a irmã ser morta assim, principalmente porque ela não teve culpa em nada disso, já que estava drogada e nem se lembra de ter cometido o crime. Fico imaginando se algum dia as memórias dela vão voltar, que nem aconteceu com o Roy. Espero que ela descubra eventualmente.

Sem chances de entregar o verdadeiro assassino, Oliver diz que foi ele quem matou a Sara e desafia Ra’s para um duelo. Acho que todo mundo ali sabia que ele não tinha matado mesmo, porque sua desculpa foi bem ruim, mas isso não importa muito para a Liga, alguém tem que pagar o preço pela morte da Sara, mesmo que não seja o assassino de verdade.

Preciso notar que o Maseo, aquele amigo/mentor do Oliver nos flashbacks dessa temporada, aparentemente se juntou à Liga. Eu não falo nunca dos flashbacks na resenha, porque não costumo ligar para eles, para mim só servem para dar um insight e fazer um paralelo com os eventos atuais. Mas no episódio de hoje eu até achei interessante, por incrível que pareça! A mulher e o filho de Maseo são atacados, por causa de um erro (mais ou menos) dele e do Oliver. No presente, dá a entender que os dois morrem, o que me deixou muito triste, porque eu gostava deles. Por favor, não matem crianças! Depois disso, Maseo foi para Nanda Parbat, onde ganhou um outro nome e tudo mais. Eu gosto dele como personagem, espero que o vejamos novamente!

Depois de Oliver desafiar Ra’s, ele recebe a localização, precisa subir uma montanha e depois eles lutam sem camisa, porque, né, com camisa não dá. Eu não costumo gostar de cenas de luta, simplesmente porque as considero muito repetitivas e entediantes, por mim poderia passar um “E eles lutaram” em uma tela preta e passar para o pós-luta direto. Dito isso, essa foi uma cena interessante, uma boa luta e tudo mais.

arrow the climb

Mas o que realmente me surpreendeu foi o final: Ra’s ganha. Quer dizer, não é surpreendente, mas ele realmente mata Oliver. Enfia a espada no peito dele e depois o joga da montanha. Temos até uma cena de todos momentos importantes de sua vida passando diante de seus olhos, incluindo momentos família e a Felicity. Eu fiquei chocada encarando a tela. Acredito que tenha sido uma boa coisa para Arrow fazer seu protagonista morrer, mostrando que mesmo depois de todo esse seu treinamento e saber "pelo o que ele está lutando", Oliver ainda não é páreo para Ra's al Ghul. Isso provavelmente vai ser só na season finale mesmo.

É óbvio que Oliver não vai morrer para sempre, a série inteira é sobre ele, então não estou preocupada com a sua saúde. Mas eu estava esperando que ele fosse ficar muito ferido, eles o deixassem para morrer e alguém fosse salvá-lo, com uma medicina milagrosa ou algo do tipo. Mas eu pensei que fosse ser de um jeito acreditável, não há milagre que faça Oliver sobreviver a isso.

A hipótese mais aceita sobre o que aconteceu é que o Oliver morreu mesmo, mas será trazido de volta através do Lazarus Pit. Algumas teorias ainda dizem que vai ser o Tommy que vai ajudá-lo. Eu particularmente acho que se fosse para trazer algum personagem de volta dos mortos, que fosse a Sara e não o Tommy, mas também amo ele, então estarei feliz. O que importa é que para todos os fins, Oliver Queen morreu pelos próximos três episódios.

Mas calma que no episódio 14 ele está de volta, em “The Return”. O que realmente me interessa é como ele vai voltar, não sei muito sobre o Lazarus Pit, mas ouvi dizer que nem sempre as pessoas voltam como elas eram, alguns efeitos colaterais podem ocorrer. 

laurel lance 3x09

Bom, não foi só isso que aconteceu no episódio, apesar de ser o que realmente importa. Também tivemos uma parte centrada na Laurel e na mãe dela, em que Dinah usa seus poderes maternos e descobre sobre a Sara. Finalmente!! Estava cansada de ninguém contar para esses pais que a filha estava morta, jesus. Ainda não contaram para o Quentin, o que me deixa chateada. Também dá uma indicação de que Laurel vai acabar descobrindo sobre Thea, e não vai ser tão receptiva à notícia quanto Oliver foi.

Também foi muito fofo o Oliver se despedindo do Team Arrow. Teve abraço com o Roy e tudo. A conversa entre Oliver e Felicity foi ótima também, mas partiu meu coração, porque ela vai acreditar que ele está morto. Foi linda, mas não sei se eu daria 9/10 que nem o Marc anunciou que seria. Teria que pensar um pouco mais sobre o assunto.

Agora veremos todo o Team Arrow lidando com a morte do Oliver (que eles vão ficar sabendo), tentando se reestruturar depois disso, seguir com a vida. Laurel vai tentar ser Black Canary, o que não vai dar muito certo e vai ser bem chatinho de se ver. Gosto de drama, mas tem que ser bem feito.

O Melhor:
+ O final, wow.
Despedidas de Oliver
+ Resolução do caso da Sara
+ Oliver finalmente sabe que Thea estava com Malcolm

O Pior:
- Thea sendo a assassina da Sara
- Ray Palmer, como sempre. Ninguém liga se sua noiva morreu, Ray, todo mundo perdeu alguém nessa série, isso não te torna especial. Temos coisas mais importantes para nos preocupar.

Nota: 8,0


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

Review: Agents of Shield 2x10 - "What They Become"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "What They Become", exibido no dia 09/12/2014!

coulson may




















quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Review: The Flash 1x09 - "The Man in the Yellow Suit"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "The man in the yellow suit", exibido no dia 09/12/14.
the man in the yellow suit

Mid-season finale chegou aí para abalar a vida dos personagens e as nossas também.

Como sabíamos pelo título, o “Man In The Yellow Suit” a.k.a Reverse Flash (que irei me referir apenas como “reverso” para facilitar as coisas) aparece de novo na série, só para nos trazer mais perguntas e quase nenhuma resposta. Ele quer roubar um aparelho que produz/aumenta velocidade, porque não sei já que ele já é mais rápido do que todo mundo.  Ele tenta uma vez, mas falha, então Team Flash resolve bolar um plano para impedi-lo.

Tá tudo muito bem e muito legal, mas vamos ao que interessa. Barry tenta pegá-lo várias vezes e não consegue. O plano de prendê-lo não dá certo, porque o Reverso funciona diferente do Barry e consegue escapar, ele bate no Wells e tenta matá-lo, sei lá, mas não mata. E também não toca no Eddie. Depois que Barry e Reverso têm uma confrontação e Reverso escapa, vemos dr. Wells em sua sala de mistério, com um aparelho (supostamente o que o Reverso queria? E talvez pegou) e revela que ele tem a roupa do Reverso.

Quem é o Reverso? Por que ele matou a mãe do Barry? Por que ele está fazendo tudo isso? Ninguém sabe. Tudo o que temos somos teorias, e se esse episódio serviu para alguma coisa foi para nos trazer mais possibilidades de teoria.

O mais provável é que Eddie seja Reverso, já que nos quadrinhos eles têm o mesmo sobrenome e podem ter mudado só o primeiro nome pra ficar melhor. Mas se for isso: como o dr. Wells tem o uniforme? Já sabemos que os limites temporais não se aplicam ao dr. Wells, então é possível que seja ele mesmo do futuro, passado ou presente, não faço ideia. Honestamente, qualquer coisa está boa para mim, porque mal consigo acompanhar as teorias, quem dirá entender o que pode ser verdade. Hoje mesmo vi uma teoria de que o dr. Wells seria o Barry do futuro, mas acho que já é meio demais.

caitlin snow 1x09

Outro personagem também retornou nesse episódio: Ronnie. O noivo da Caitlin supostamente tinha morrido há um ano, mas nós o vimos no outro episódio pegando fogo e agora foi confirmado que é ele mesmo, só com mais cabelo e sujeira.

Como já vimos antes, os efeitos dos poderes são bem diferentes de pessoa para pessoa. Enquanto alguns, como Barry conseguem reter sua personalidade completamente, outros como o Blackout parecem ter virado meio zumbis. Ronnie está mais para o lado do Blackout. Obviamente, ele ainda retém alguma parte de si, já que segue Caitlin, lembrando-se dela.

Entretanto, quando Caitlin e Cisco saem à procura dele e tentam conversar um pouco, ele grita que não é Ronnie e revela seu novo nome: Firestorm. Não foi surpresa para ninguém, porque acredito que quase todo mundo que assista The Flash já soubesse que o Ronnie viraria o super-herói Firestorm, mas mesmo assim foi uma cena legal de se ver. Quero ele no time, entender mais como funciona a personalidade e identidade dele. Sei que só vimos um flashback, mas gosto bastante dele e da Caitlin, quero que eles interajam mais. Espero que voltemos a vê-lo bem rápido depois do hiatus.

Apesar de sua consciência não parecer estar completamente intacta, no final é Ronnie que salva o dia. Quando Flash e Reverso estão brigando sem parar, e Barry está perdendo, Ronnie aparece no meio do nada com uma tempestade de fogo. E juro que foi a última vez que tentei fazer um trocadilho com nomes de super-heróis. De qualquer forma, ele taca fogo no Reverso, que acaba fugindo e deixando Barry em paz.

E depois ele sai voando. Não sabia que essa é uma propriedade de seus poderes, mas bom saber. Até logo, Ronnie.

westallen 1x09

E, por fim, na plot-C do episódio nós temos nosso querido triângulo amoroso entre Barry/Iris/Eddie. Nunca pensei que fosse usar um adjetivo positivo para definir um triângulo amoroso, mas gosto de todos personagens então aqui estamos nós. Episódio de natal, então eu já esperava aquelas cenas obrigatórias de fofura e trocas de presente, e elas chegaram bem cedo no episódio, com Barry deixando seus sentimentos claros já no presente dele.

Depois temos Eddie pedindo para Iris morar com ele, por um momento achei que ele estava a pedindo em casamento, mas ainda não. Penso que se eu achei isso, a Iris também deve ter achado e ficado um pouco decepcionada ao encontrar uma chave ao invés de um anel. Ou talvez tenha ficado aliviada, quem sabe. Eddie já começa a colocar dúvidas na cabeça de Iris quanto aos sentimentos de Barry e eu, ingenuamente, pensei que fosse ficar por isso mesmo.

Mas não! Uma das minhas maiores surpresas no episódio foi que Barry, depois de perder para o Reverso, conversar com o pai e chorar tudo o que tinha que chorar, vai até Iris e decide que a melhor política é sempre honestidade. E então ele confessa seus sentimentos, em uma declaração de amor mais fofinha do que meu coração aguenta. Não, ainda não me decidi completamente sobre meu ship preferido nessa série, mas Westallen têm sempre as interações mais fofas possíveis e não posso evitar amá-los.

Iris não responde, só fica lá chorando e chocada. Mas depois aparece no colo no Eddie, deixando bem claro sua posição. Barry aparece e deseja felicidades para o casal, mostrando sua aprovação mesmo com seus sentimentos. Mas todos sabemos que agora tudo vai mudar entre eles, não tem como.
Eu estava esperando declaração só na season finale, mas mid-season está ótimo também! Quem sabe na season finale vai ser a vez da Iris? Logo antes de ela descobrir sobre a identidade secreta dele e não confiar mais nele. Bom, com certeza sou melhor em fazer teorias sobre isso do que da identidade do Reverso ou dr. Wells.

O Melhor:
+ Barry se declarando
+ Volta do Ronnie
+ Episódio interessante
+ Revelações acerca do dr. Wells

O Pior:
- Por que tudo tem que ser tão enigmático?
- Respostas, pls

Nota: 8,0


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

Review: Castle 7x10 - "Bad Santa"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Bad Santa", exibido no dia 08/12/2014!

castle  7x10

Um cara surge correndo no meio da rua perseguido por um carro preto. O carro atinge o cara e ele cai dentro da vitrine de uma loja. E quando achamos que já é o suficiente, um 'papai noel' saiu do carro e dá um tiro na cabeça do homem caído. Belo clima de natal, não acham?

O caso acaba sendo um caso entre mafiosos, já que se descobre que a vítima é médico de uma família da máfia, liderada por Dino Scarpella. O nome é conhecido de Castle, já que já trabalhou com o tal Dino para um dos livros do Derek Storm. Assim, apesar de algumas dificuldades em tirar informações do mafioso, Scarpella chama Castle e propõe que ele investigue a morte do médico e descobra o culpado, dando-o total cobertura.

A história acaba se desenvolvendo em algo meio Romeu e Julieta, em que um casal formado por família rivais tentam fugir. É assim que acabam linkando a morte do médico com Luca Tessaro, outra família de mafiosos, apaixonado pela filha de Scarpella. Assim, associam que quem atacou Luca seria o culpado pela morte do médico, visto que a sala de cirurgia foi usada e as roupas sujas de sangue foram encontradas no "esconderijo" da vítima, ele teria ajudado Luca e portanto morreu por isso. No final, acaba-se descobrindo que havia alguém 'aterrorizando' os mafiosos e lojistas, e lucrando com isso. O culpado é algo inesperado, com certeza.

Ao longo do episódio, foi legal ver Castle trabalhando um pouco sozinho e essa conexão com os mafiosos que, por um lado, ele parecia animado e renderia uma boa história, por outro, também tem seus perigos e imposições como um pacto de sangue.

Bom, já na parte da vida pessoal de nossos detetives, temos dois pequenos núcleos: Javi e Lanie, e, claro, Castle e Beckett. Lanie joga a bomba que seus pais estão na cidade e queriam conhecer Esposito. É engraçado ver o nervosismo dele, mas acaba aceitando. Mas tem mais... os pais dela acham que estão noivos. Essa parte do episódio é divertida, ainda mais quando os pais dela chegam com a pergunta clássica: como foi a proposta de casamento. Ainda bem que Kevin está ali para inventar a história porque se fosse pelos dois... Já no final, o casal percebe que a vida de casados talvez não seja para eles, depois de voltarem de mais um encontro com os pais da Lanie.

Ao mesmo tempo que acho interessante, principalmente essa comparação com os outros casais da série e como nem sempre o casamento é o próximo passo para alguns casais, fico me perguntando qual seria o futuro para os dois e o que aconteceu com o Javi perguntando se seria um bom pai. Será que eles só querem um relacionamento descompromissado, mas que pode vir a ser algo a mais depois? Ou será que serão só amigos mesmo? Afinal, pelo o que falaram cada um vai encontrar essa vida de casado um dia, só não agora e não entre os dois.

caskettJá Beckett precisa se encaixar na tradição de natal da família Castle: escrever um poema que rime e fale sobre o seu ano para o cartão de natal deles. (Nos Estados Unidos é bem comum as famílias fazerem cartões comemorativos dessa data.) Bom, nossa Kate não tem a mínima ideia do que escrever e se desespera por ter achado que não era tãao importante assim, quando era. Só aí já temos uma cena bem divertida. No final, Kate finalmente consegue fazer seu poema e aparece toda feliz e nervosa com seu rascunho para que Castle possa ouvir. No entanto, ele não presta tanta atenção e quando Kate pergunta se há algo de errado, Rick responde um 'claro que não, você está aqui'. Fofo, mas triste, afinal nosso querido Castle acabou de ser impedido de trabalhar com a policia. Sim! Isso mesmo. Gates entrega a notícia.

A princípio você pensa que não tem nada demais o Castle ter se "juntado" à mafia para ajudar a resolver o caso, mas quando o culpado é morto à caminho da penitenciária e quem mais o queria morto era os mafiosos que Castle ajudou, a situação é problemática. Tudo bem, acho que podiam ter falado que era só uma consultoria e nada demais, mas acredito que se o público soubesse, pegaria mal para a polícia e poderia parecer que Castle ajudou a família à matar o detento. Então ele é afastado. Wow, por essa eu não esperava. Deu muita pena de Rick, mas ao mesmo tempo talvez seja legal para a dinâmica da série, afinal sabemos que ele deve voltar em breve. Estou ansiosa para saber se mostraram a Kate recebendo a notícia ou se mostraram já Castle sem nada para fazer em casa louco para trabalhar... Quem sabe ele não ajuda Kate por fora?

richard castleLendo alguns spoilers, descobri que Rick deve ter um novo trabalho quando a temporada voltar: investigador particular.  E não pude deixar de pensar que esse mid-season finale foi uma amostra de como Castle pode trabalhar sozinho. E tem mais! Parece que ele e Beckett trabalharam no mesmo caso na premiere. Ansiosos? Bom, vamos ter que esperar até dia 12 de Janeiro para descobrir como isso vai se desenrolar.


O melhor
Paralelo entre o tiro e o Castle quebrando a noz. Repararam como a série sempre faz isso? Acho uma ótima forma de união entre as cenas.
Esposito falando que não vai ser o tipo de noivo que cancela o jantar com os pais de Lanie, mesmo sendo um noivo de mentira.
Lanie e Javi decidindo que tipo de relacionamento querem.
Cenas divertidas com o Kevin inventando o noivado de Javi e Lanie e a Kate preocupada com o poema.
Devo dizer que o culpado foi alguém bem inesperado.
Kevin super animado com o Castle estar trabalhando com a mafia.
 Kate fofa lendo o poema.

O pior
Castle sendo afastado no final.
Como o relacionamento da Lanie e o Javi mudou tanto de um episódio para o outro? Tudo bem, vai ver eles se importam muito um com o outro, mas não se veem como um casal estilo Caskett.
Achei que a mid-season ia acabar com alguma coisa a ver com o mistério da perda de memória do Castle.

Nota 8,5

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Review: Once Upon a Time 4x10 - "Shattered Sight"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Shattered Sight", exibido no dia 07/12/2014!

shattered sight























segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Review: New Girl 4x10 - "Girl Fight"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Girl Fight", exibido no dia 02/12/2014!

cece jess























Sim. Ultimamente minhas expectativas estão super altas quando se trata de novos episódios de New Girl. O humor voltou a ser aquele das primeiras temporadas. Infelizmente, apesar de ter sido um bom episódio, o 4x10 não me prendeu muito. Achei os plots um pouco fracos. Temos Cece e Jess em uma briga de garotas, Schmidt e Coach tentando apaziguá-las, Nick com sua nova ( e estranha) namorada e Winston rendendo as melhores cenas tentando (não) estudar.

Cece e Jess estão arrumando as coisas para o chá de bebê de Nadia quando veem Schmidt e Coach confrontar-se e acham bobeira os garotos baterem um nos outros quando ficam nervosos. Elas explicam que as garotas não fazem isso por ser realmente estúpido. Assim, Schmidt acaba desenterrando uma briga entre Jess e Cece, da vez em que encontraram uma bolsa perfeita, mas como ambas gostaram muito, decidem não comprar. Acontece que Jess volta a acaba comprando a bolsa, Schmidt entrega a bolsa para Cece e inicia uma briga de anos das garotas. E dessa vez não será resolvida do modo de sempre: ficar uns dias sem se falar e depois voltar como nada tivesse acontecido. 

nick miller
Enquanto isso Nick sai em um encontro com a neta de Tran, como a moça age estranho, Winston acaba acreditando que ela se trata de uma sem-teto. Mas Nick não dá ouvidos a Winston e pede para o amigo estudar para sua prova da polícia. A neta de Tran parece ser o par ideal de Nick: adora ficar deitada no sofá e é engraçada. Adorei os dois juntos, apesar de não sentir muita química. 

Após criar um caos entre as garotas, Schmidt pede ajuda a Coach, afinal ele viveu com três irmãs e sabe o que fazer nesse tipo de situação. Eles vão até o chá de bebê de Nadia e lá Cece e Jess estão desenterrando 20 anos de brigas. Até que Coach sugere que ambas briguem de verdade como homens, e Cece parte pra cima de Jess. É realmente uma cena divertida porque todas as mulheres no chá de bebê começam a brigar. A reação de Nadia é hilária, já a quero como personagem recorrente. 

No loft Nick começa a desconfiar de sua nova namorada e pede para ela levá-lo até sua casa. Quando chega lá ele é surpreendido, pois sua namorada na verdade é super rica. Ela acaba pagando para que Nick passe a noite com ela ao invés de ir ao trabalho. 

Jess e Cece acabam indo parar no hospital após a briga, e é lá que as meninas fazem as pazes e se sentem aliviadas por terem brigado já que queriam fazer isso há um bom tempo. No final temos uma cena em que todos nos identificamos: Winston tentando estudar para sua prova, mas sendo super distraído. 

winston bishop
O melhor
+ Winston estudando
+ Jess e Cece brigando

O pior 
- Falta de química entre Nick e a nova namorada

Nota: 7,5

Ludmilla Neres Aficionada por livros, fangirl com orgulho, viciada em séries e ouve todo tipo de música (bem, quase todo).

domingo, 7 de dezembro de 2014

Dica da Semana: Carmilla (webseries)



O mais novo tipo de adaptação do momento são as webseries – formato de história contado em capítulos pelo youtube – e “Carmilla” entra para essa lista. Inspirado no conto de mesmo nome de Joseph Sheridan Le Fanu, publicado entre 1871 e1872 (antes de Drácula!), a webseries traz a história para o contexto moderno, assim como muitas outras do mesmo gênero fizeram.

O que tem de especial então? Duas palavras: vampiras lésbicas.

Se só isso não te convenceu a assistir não tem mais nada que eu diga que irá. Brincadeira!

A história se centra em Laura, uma menina que começa a universidade quando sua companheira de quarto, Betty, desaparece. Ela acaba descobrindo que Betty foi apenas uma de várias meninas que sumiram desde o início do ano letivo e resolve investigar mais a fundo. Nisso, uma nova companheira de quarto aparece para ela: Carmilla.

É óbvio que Carmilla é uma vampira, então isso nunca foi realmente um mistério para os leitores, até mesmo porque é adaptação de uma obra clássica. A série lida com alguns mistérios e seres sobrenaturais, mas muitas vezes é quase de maneira cômica. Não é para ser levada muito a sério.

O mais interessante são as representações, o elenco é composto quase de apenas mulheres, sendo que a maioria é queer e isso em momento nenhum é colocado como um problema na série, as questões preocupantes são em relação aos desaparecimentos e outros assuntos que são trazidos ao longo da trama. É reconfortante ver uma representação LGBT+ que não gira completamente em torno da sexualidade dos personagens.

Além de tudo, é bastante fofa como um romance e engraçadinha em muitos momentos. Além de ser super curtinha! O último episódio foi ao ar há alguns dias, completando 36 episódios no total, com em média de 4 minutos cada um. Ou seja, dá para assistir tudo direto e não perde nem duas horas do dia. Talvez tenha uma segunda temporada e estou torcendo para que tenha!


Aqui está o trailer da série:



4 estrelas




Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Review: Arrow 3x08 - "The Brave and the Bold"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "The Brave and the Bold", exibido no dia 03/12/14.

A primeira parte do crossover entre Arrow e The Flash foi ao ar na terça (e você pode ler a resenha dela aqui), mas esse não foi o fim, continuou em Arrow. Surpreendentemente, os dois episódios crossovers conseguiram se equiparar a expectativa que os escritores criaram em cima delas.

arrow 3x08

Como vimos no episódio de The Flash, Team Arrow está investigando o crime dos boomerangs – que eu já tinha até me esquecido que tinha aparecido no final do outro episódio –, já conseguiram o endereço do cara e tudo mais. Mas, plot twist, o ARGUS também está envolvido nessa história!  Atendendo às minhas preces, o episódio teve um foco ligeiramente maior em Diggle e Lyla, não compensa pela péssima caracterização do Diggle no resto da temporada, mas já é alguma coisa. É claro que por “foco maior” quero dizer ainda muito pouco tempo de screentime, já que a maior parte ficou reservada para o Oliver e o Barry, mas pelo menos foi mais do que a média de uma fala por episódio que eu já estava quase me acostumando.

O assassino dos boomerangs é Harkness, que costumava fazer parte do Suicide Squad do ARGUS, mas depois de alguns problemas era para ter sido “eliminado” por aquela bomba implantada neles, mas deu algum problema e ele sobreviveu, e agora ele quer vingança. Quem deu a ordem de matá-lo foi a Lyla, já que a Waller só está aparecendo em flashbacks, o que a coloca em perigo iminente. Quando Harkness invade o prédio do ARGUS, Diggle está lá e chama Oliver e Roy para o resgate, eles não conseguem muito, mas logo Barry aparece, vindo diretamente de Starling City para ajudar.
Acho Diggle e Lyla bem fofos, então fico feliz por vê-los de novo. Quero saber quem fica cuidando da Sara (Diggle, não a Lance), mas sei que nunca terei resposta. Não sei se já tinha saído spoiler ou se era só especulação mesmo, mas eu já sabia (ou achava) que teria um casamento entre Diggle e Lyla, então quando o assunto foi trazido diversas vezes durante episódio, eu sabia o final teria que ser com um pedido de casamento. Yay! Episódios de casamentos são sempre ótimos, estarei esperando, não me desapontem casando off-screen.

Mais do que fazer Diggle e Lyla avançarem no relacionamento, a grande questão do episódio era mostrar a diferença de moralidades, tanto em relação a John/Lyla quanto a Oliver/Barry.

arrow crossover

Cisco e Caitlin apareceram sem aviso prévio em Starling City, só para dar uma olhada na “Arrow Cave”, só para gerar um certo alívio cômico. As interações deles com Roy foram engraçadas, mas eles não tiveram muito foco no episódio. Cisco fez seus comentários super problemáticos mais uma vez (escritores, parem de fazê-lo comentar sobre mulheres, por favor, deixa todo mundo desconfortável, ok), Caitlin ajudou com coisas médicas, mas a maior utilidade deles foi chamar Barry para ajudar a salvar o dia.

Barry vem todo feliz ajudar, mas Oliver não aceita tão bem assim.  Ele faz um discurso sobre como as coisas são diferentes em Starling City, onde a iluminação é ruim, o roteiro nem sempre é consistente e ele precisa passar pelo menos metade do episódio fazendo um certo drama. A vida é difícil em Starling, BARRY! Bom, Oliver acaba aceitando ajuda, mesmo eles tendo conflitos de opinião sobre uso da tortura.

Como eu venho apontando na minha resenha, The Flash é uma série bem mais leve do que Arrow, é divertida e muitas vezes fofas, apesar de também se tratar de super-heróis, já Arrow é... tortura e morte o tempo todo, tirando por um momento de comédia e romance espaçados. Cisco e Caitlin percebem isso ao final do episódio, que eles não estavam levando muito a sério essa coisa de combater o mal, o que eu considerei importante para o desenvolvimento deles como personagens. Barry fica um pouco chocado com essa nova realidade, mas o jeito como deu uma lição de moral no Oliver foi muito bom.

Oliver se mantém no pensamento que Waller o ensinou – e que Lyla compartilha – atitudes extremas são necessárias para combater extremos. No mundo real, eu tenho consciência de que tem umas mil coisas erradas com essa linha de pensamento, e tortura como método de obter respostas não é confiável, para falar a verdade. Mas assim como eu aceito que ninguém sabe quem é o Oliver ou Barry só porque eles estão usando máscaras, eu também não vou questionar que – nesse universo – tortura é (quase) aceitável. Barry acaba meio que tendo que aceitar isso no final também.

Oliver começa seu drama de sempre, dizendo que os pais morreram e tudo mais, mas Barry não o deixa continuar, dizendo que ele também sofreu traumas. É claro que cada pessoa lida com o trauma de uma maneira diferentes e Oliver sofreu bem mais (desculpa, Barry, mas é verdade), como Oliver mesmo aponta ele não é tão emocionalmente sadio quanto Barry, o que é algo bem triste de se admitir. Nesses momentos, a (futura) psicóloga dentro de mim quer arrastar Oliver para uma sessão de terapia asap. Não só o Oliver iria se beneficiar muito de uma terapia, também ia ser uma narrativa interessante na série. Vocês estão perdendo a oportunidade.

oliver queen barry allen

Como, infelizmente, terapia não é uma possibilidade no momento, Oliver acaba conversando com Barry mesmo, que apesar de não ter formação, tem experiências parecidas com a do Oliver e pode conversar abertamente sobre o assunto. A perseguição a Harkness não dá muito certo, ele engana Oliver e acaba rastreando o Foundry, conseguindo por fim atirar na Lyla. É claro que ela fica bem, mas causa uma desestabilização no Oliver, que considera culpa dele.

Vemos mais uma vez Oliver expressando seu medo de estar perdendo sua humanidade, não conseguir mais ser Oliver Queen. Ele já tinha começado a dar indícios disso desde o 3x01, então vemos mais uma vez os escritores batendo nessa tecla. Barry diz que isso é idiota e para ele parar com isso, só que com mais jeitinho. A conversa é muito boa, e quero abraçar o Barry por ajudar o Oliver, ele disse as palavras que o Oliver estava precisando ouvir: que ele não está perdido e ainda tem humanidade. O Oliver precisa desconstruir tudo o que ele aprendeu nos últimos anos, a compartimentalização de sentimentos, a desumanização, a crença de que ele precisava fazer o necessário, isso leva bastante tempo e não é fácil, mas vemos um começo.

Preciso notar que assim que Barry fala que ainda tem uma luz dentro do Oliver, a Felicity aparece. Essa já é a quinta vez, praticamente, que a metáfora de luz aparece em relação a Olicity (ok, falado mesmo foi só a segunda, mas já tiveram umas três “metáforas visuais”, se é que isso existe). Sério, escritores, nós já entendemos. Luz, Olicity, ok, arranjem uma metáfora nova. O desenvolvimento de Olicity não ficou tão fora de contexto quanto em The Flash, mas também não teve muito desenvolvimento do que aconteceu no episódio passado de Arrow. Vi algumas pessoas e concordo, às vezes parece que os escritores estão escrevendo os episódios fora de ordem. Eles começam um assunto, deixam de lado, depois trazem de novo... Quero continuidade, por favor.

De qualquer forma, Barry e Oliver têm vários ótimos diálogos no episódio, que não reproduzirei aqui porque todo mundo viu o episódio. A dinâmica entre os dois foi ótima e espero que vejamos outros crossovers ao longo das séries.

O Melhor:
+ Dinâmica entre Barry e Oliver
+ Diggle/Lyla fofos como sempre
+ Roy interagindo com Cisco
+ Cena da Lyla conhecendo o Flash, muito boa.

O Pior:
- Falta de continuidade entre os episódios da série
- Comentários do Cisco sobre a Thea. Ugh.

Nota: 9,0

Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Review: Agents of SHIELD 2x09 - "Ye Who Enter Here"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Ye Who Enter Here", exibido no dia 02/12/2014!

aos 2x09




















quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Review: The Flash 1x08 - "Flash vs. Arrow"

Atenção: a review contém spoilers do episódio "Flash vs. Arrow", exibido no dia 02/12/14.

A primeira parte do crossover saiu e aqui estou eu ao invés de estudar. Pretendia fazer resenha conjunta dos dois episódios, mas vendo como esse pareceu se concluir bem nesse episódio, falarei separadamente de cada parte.
Quem acompanha minhas reviews sabe que amo Arrow – mesmo com meus problemas com a temporada – e, por mais que eu adore The Flash, ainda não estou tão investida assim a ponto de se comparar com Arrow, é uma questão de tempo, mas simplesmente ainda não estou lá. Não é nenhuma surpresa então que meu foco principal nesse episódio tenha sido mais os personagens de Arrow do que The Flash. Mas, sabendo de que série eu estou fazendo resenha, prometo que tentarei me focar o máximo possível.

flash vs arrow
Os primeiros minutos do episódio são focados no Barry. Ele está morrendo de feels pela Iris, admirando-a de longe, enquanto salva as pessoas com seus poderes. Ele se depara com o vilão dessa semana, um metahuman capaz de deixar as pessoas irritadas, o que as faz atacar uma as outras. Li um livro com uma história semelhante uma vez, mas isso é irrelevante, é uma proposta legal para um episódio, ficando bastante claro que Barry eventualmente seria afetado por esse poder.

Enquanto isso não acontece, Barry tem outros problemas: Eddie. Como sabemos, Iris virou fangirl do Flash e estava começando a se sentir atraída por ele, essa coisa de mistério que todos nós entendemos bem, Eddie não sabe que ela se encontrou com ele, mas não gosta nem um pouco dessa fascinação da Iris. Juntando ciúmes com outras coisas, Eddie resolve ficar contra o Flash, ficando com um papel parecido com a do detetive Lance nas primeiras temporadas de Arrow. Isso, é claro, inicialmente causa uma certa tensão entre o casal. Continuo achando o Eddie muito fofo e espero que essa caça ao Flash não me faça parar de gostar. Bom, continuei amando o Lance mesmo ele contra o Oliver, então não seria isso que me faria parar de gostar dele... Só não o transforme em vilão, eu imploro, deixe Eddie continuar sendo fofo!

Por falar em Oliver, ele aparece em Central City junto com a Felicity e o Diggle. Eles estão continuando uma investigação de um assassinato por boomerang e foram levados até a cidade, e resolvem aproveitar para dar um oi pro Barry. Adorei ver o trio original junto de novo (imagino que Roy tenha ficado para defender Starling City de qualquer problema), e a participação de Diggle foi bastante engraçada, ele completamente abismado com os poderes do Barry. Sinto falta do Diggle ter falas decentes em Arrow. Sigh.

olicityInicialmente, Oliver pretendia apenas fazer sua própria investigação e deixar Barry com a dele, mas depois de um pedido da Felicity, ele resolve ajudar Barry. Oliver e Felicity estavam um amor nesse episódio, com o tipo de interação que me fizeram shipá-los para início de conversa. Confesso que não entendi muito bem como eles saíram do episódio 3x07 de Arrow, quando estavam os dois meio magoados um pelo outro, para isso, mas não estou reclamando de forma alguma. Eles estão bem fofos e amei. O casal serve para fazer um pouco de paralelo com Barry e Iris, já que ao final do episódio Oliver resolve dar umas dicas amorosas para Barry, dizendo para ele desistir de Iris. Vem cá, Oliver, você não está em posição de dar conselhos para ninguém, então pode parar, Barry já está fazendo péssimas escolhas sem a sua ajuda, obrigada.

Em geral, a parte de Arrow do episódio – tirando pelas cenas entre Oliver e Barry – foram ótimas e bastante segunda temporada, na minha opinião. E isso é um elogio! Vemos as interações entre Oliver/Felicity/Diggle e elas não poderiam ser melhores. Também temos o início do plot do filho do Oliver, já que a mãe do bebê – Sandra – aparece brevemente. Nenhuma surpresa até aí, porque todos sabíamos que ela estava em Central City e que isso ia acontecer eventualmente. Logo que surgiu, na temporada passada, eu não gostei nem um pouco de terem escolhido trazer o filho do Oliver pra canon, mas desde então meses se passaram e já aceitei isso, então que os tragam para Arrow. De qualquer forma, o caso de Team Arrow em si nós não vemos, imagino que vejamos no episódio de hoje. O maior foco mesmo foi o caso do Barry.

arrow
Depois que resolve ajudar Barry, Oliver tenta ensinar algumas lições valiosas para ele, sobre como prática e precisão podem vencer seus poderes. Barry não o leva muito a sério até ser atingido por umas flechas, mas ninguém pode culpá-lo. Infelizmente, não aprende muito a lição e vai até o metahuman sozinho e acaba sendo contagiado pelo olhar raivoso.

Devido a seu DNA diferenciado, o efeito é um pouco mais lento em Barry e, ao invés de sair matando todo mundo direto, ele vai tendo alguns surtos ao longo do episódio, aos poucos deteriorando seus relacionamentos. Ele briga com Oliver, alegando que o outro herói só está com inveja dele, com seu chefe, com Joe, com Caitlin e, por fim, aparece como Flash e briga com Eddie e Iris. A maioria dessas pessoas acabou o perdoando ou não se importou tanto assim com as acusações, mas ele conseguiu destruir seu relacionamento com Iris como Flash. É, adeus romance Flash/Iris.

Depois que Barry quase matar Eddie, Iris fica em uma posição delicada e não pode mais defendê-lo, escolhendo ficar do lado do namorado. E com razão! Se Eddie já tinha motivos para não gostar do Flash antes agora que o diga. É por essas e outras que continuo insistindo que deveriam contar a verdade para a Iris, metade de seus problemas iriam se resolver.

Barry fica descontrolado com sua raiva e poder, e o único capaz de impedi-lo no momento é Oliver. Por mais que Joe e dr. Wells não tenham confiado nele de início, dizendo ser uma má influência para Barry (o Joe eu entendo dizer isso, mas sério, dr. Wells?! Sendo do futuro, tenho quase certeza que ele já sabia antes que o Oliver era o Arrow, mas ok).

arrowEles lutam, é uma coreografia legal, mas não tenho muita opinião sobre isso. Cisco, Caitlin e Diggle ficam discutindo sobre quem é o melhor, para o que minha reação é a mesma da Felicity: sério mesmo? Bom, no final dá empate, obviamente. Dr. Wells e Joe usam uma forma de cor-terapia e desfazem o efeito da raiva no Barry. Eles capturam o metahuman, prendem e fim! Até o episódio de hoje, pelo menos.
Confira a review da segunda parte do crossover aqui!

O Melhor
+ Team Arrow
+ Oliver e Felicity
+ Iris se posicionou a favor do Eddie

O Pior
-  Eddie contra o Barry
-  Toda essa história de “quem é um melhor” é meio bobinha demais pra mim

Nota: 9,5

Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

 
UA-48753576-1