Image Slider

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Review: Parks and Recreation 7x12/13 - "One Last Ride"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers dos episódios "One Last Ride", exibidos no dia 24/02/2015!

parks and rec series finale

Aí está pessoal, a grande e esperada series finale chegou. O final de uma série é sempre problemático, os fãs tem uma expectativa e muitas vezes os escritores simplesmente erram na mão. Admito que Parks me pegou de surpresa com o formato desse finale, mas em geral fiquei muito feliz com o final. A série teve uma primeira temporada meio parada, mas aos poucos foi ganhando nossos corações. Com ela, aprendemos um pouco mais sobre o feminismo, governo, ironias da vida, enfim, tudo colocando uma risada em nós. Do improviso, Parks and Rec conseguiu suas melhores piadas e nos surpreendeu.

Bom, mas vamos falar do episódio, certo? Ele foi dividido em dois, mas falarei como se fosse um único porque, bem, é. Como seria de se esperar, Leslie começa fazendo uma retrospectiva do grupo, ou pelo menos tenta, já que ninguém está muito interessado. Em teoria, a partir daí teríamos imagens nostálgicas e um pouco das lembranças de tudo que aconteceu com os personagens que amamos, mas é aí que Parks que nos surpreende e nos mostra o futuro de cada um ao invés disso. Tenho que bater palmas de pé pela decisão. Como eu disse, no começo achei meio estranho porque queria uma coisa meio nostálgica - assim, para chorar mesmo -, mas gostei do foco no futuro e fazermos 'novas histórias', como Leslie disse. É como se soubéssemos de como a vida deles vai acabar mesmo que não acompanhemos mais.

leslie knopeNossa querida Leslie tem um papel de líder (como sempre teve) da equipe, já que é a partir de cada pessoa que ela abraça ou dá as mãos que vemos um pouco do que acontecerá. São pequenos pulos no futuro, inclusive de personagens pequenos. Vi uma entrevista em que Amy Poehler e Mike Schur (escritor e criador da série) falam sobre escreverem o finale e como se preocuparam em dar o final para cada um, inclusive aqueles personagens que gostamos e não aparecem tanto, como Jean-Ralphio e Craig. Schur também falou em como é difícil essa pressão do finale e que procuraram pensar inclusive nas últimas falas e como estas deveriam refletir cada personagem, porque depois delas, não falariam mais nada... Podem reparar nesse detalhe quando assistirem.

Bom, mas o acontecimento do episódio que acarreta tudo é simples: um pedido de reparo de balanços de um pequeno parque. E mesmo não trabalhando mais no departamento, Leslie e o resto decidem atender a esse último cidadão como uma equipe. Então, Leslie vai atrás de formulários e coisas para resolver, e assim fazemos uma viagem no tempo até chegarmos ao concerto do balanço. Resolvi então dividir a resenha de hoje no futuro de cada um:

Donna:
Estamos no ano 2023 e Donna parece realizada: é corretora, continua feliz com Joe e já viajou para muitos lugares. Enquanto estão planejando ir para a Amazônia, no entanto, Joe comenta que tiraram matemática da escola em que trabalha e isso o preocupa, assim como outras matérias. Assim, Donna contacta nossa querida April com uma ideia: montar um instituto que tenha as atividades tiradas como complementares com a ajuda da fundação em que April trabalha. Donna escolheu investir seu dinheiro em algo que seu marido se preocupava (e logo ela também) ao invés de viajar, mas claro que não mudou completamente. Ela continua 'treating yo self' e comprando tudo do bom e do melhor.
donna meagle
"Eu cheguei em nono lugar do Italy's Got Talent"
Sempre adorei como a Donna se ama e cuida de si mesma, sem se importar com o que os outros pensam, mas ao mesmo tempo ela conseguiu se abrir e deixar que alguém que ela ama também a mudasse um pouquinho. Para melhor, claro.

Craig:
Nos encontramos no ano 2019, Craig está cantando no Tom's Bistro e encontra um grande amor: Typhoon. A relação anda bem rápido, mais um pulo no tempo e quando vemos os dois estão se casando. Caso não lembrem, Typhoon é o amigo cabeleireiro de Donna e já tinha encontrado Craig no casamento dela. Não só isso, mas não sei se repararam que ele conheceu Ron e o fez rir no último episódio e vemos Ron como padrinho de casamento dele nesse? Pois é, parece que a amizade cresceu e continuou através dos anos. Gostei ver a continuidade da nova amizade de Ron começada no 7x11.

April e Andy:
É época de Halloween em 2022 e vemos mais uma vez Burt Maclin e Janet Snakehole em ação. Os dois se encontram com Leslie e Ben, mas há uma tensão no ar: Andy quer crianças e April, não. Ben, percebendo, faz Andy ir conversar com ele, assim como Leslie conversa com April. Pelo bate-papo, April parece estar preocupada com o como seus filhos seriam (e se fossem o oposto dela e de Andy?). Uma dica que temos é que ela se dá bem com os filhos de Ben e Leslie, então não sei se é medo ou se simplesmente é algo que ela não tinha em seus planos, e por isso a dúvida, mas a conversa com Leslie a faz repensar. Imaginava um discurso maior, mas Leslie só fala em uma simples frase que ter filhos é ser um bom time como casal e querer aumentar os participantes desse time.

april and andy

Assim, um ano depois, April e Andy dão as boas vindas à Jack. Aliás, quando April aparece na casa de Donna no começo do episódio em 2023, ela parecia estar grávida. Agora, o que seria mais April do que dar luz no Halloween, toda maquiada em um estilo meio caveira, ao som de "Monster Mash"? Pena que não falaram o que o Andy anda fazendo no futuro... Mas quem sabe o personagem novo - que ele cria rapidamente no final do episódio - não dá certo?

Jean-Ralphio:
Tom e Leslie o encontram em uma cadeira de rodas tentando dar um golpe e pegar o dinheiro do seguro. Jean-Ralphio fica 'emotivo' e parece não querer que Leslie vá embora. Pulo no futuro e estamos no ano 2022 e... no enterro do Jean-Ralphio. A princípio fiquei meio surpresa, afinal não acreditava que botariam uma morte aí no meio, mas depois, conhecendo a figura, percebi que talvez tenha mais nessa história. Pois é, Jean-Ralphio e Mona Lisa aparecem dois segundos depois tentando bolar a segunda parte do plano de pegar o dinheiro do seguro. É, parece que depois que o pai deles morrer (até antes, para ser sincera), os dois não vão conseguir ficar muito tempo sem dinheiro - seja porque vão acabar com ele rapidamente ou não acharão o suficiente. A história, no mínimo, é engraçada. Assim, voltamos para o tempo atual na série e uma revelação: Jean-Ralphio declara seu amor por Leslie, não que ela tenha ligado muito.

Tom:
Voltamos a 2019 no dia em que Craig reencontra Typhoon, vemos então Tom se encontrar com o seu Conselho de Experts do restaurante para discutir uma expansão. Os membros? Ben. Ron e Donna. Gosto de ver como o Tom ficou amigo mesmo do Ben. Um pulo no tempo e percebemos que Tom faliu. Lucy está ali tentando consolá-lo e falando como ele sempre pensa em uma coisa nova. Achei interessante vermos que Tom fala que fracassou quando foi irresponsável e impulsivo, mas também quando se planejou e fez tudo certinho. Acho que, como muitas coisas na vida, é questão da hora certa ou de não estar pronto ou simplesmente azar. O importante é que Tom consegue se reerguer.

tom haverfordQuando vamos ver, Tom está em um palco. Sim, alcançou o sucesso mais uma vez e fala o quanto teve que ter diversas segundas chances para finalmente se encontrar. Como ele ficou famoso? Bom, nada mais nada menos do que escrevendo livros sobre seus fracassos. Irônico, não? Além disso, foi fofo ver que Tom captou a qualidade de cada um e fez um perfil para cada tipo de sucesso com todos do grupo.

Gary:
Ao longo dos anos, vemos que Gary ter a vida perfeita: é prefeito por sei lá quantas vezes seguidas, continua com a mulher, tem muitos netos e bisnetos, morre os cem anos feliz e em paz. Pena que tenham escrito o nome dele errado na lápide. "Aceite os seus erros como Gary Gergich". Li essa frase e acredito está aí uma ótima qualidade do personagem. Não posso deixar de notar que, no enterro de Gary, Leslie e Ben estão sendo escoltados pelo serviço secreto. O que significa que... um deles é ou foi presidente? Ou quem sabe os dois?

Ron:
Em 2022, Ron parece não estar satisfeito com seu trabalho. Realizou muitas coisas na vida, mas parece faltar um propósito ou fazer algo mais 'útil', segundo ele, e não só ficar sentado em um escritório. Desde que descobrimos os irmãos do Ron, queria que ver a interação deles mais uma vez. Claro que não passam de dois segundos de conversa, mas podemos ver que os dois são iguais ao Ron em demonstrarem emoção. Bom, só tem uma pessoa que Ron poderia pedir ajuda e essa pessoa é a Leslie, afinal lembrem que da última vez que ele não se abriu com ela, eles ficaram sem se falar por anos. Eles conversam e, é claro, Leslie acha o emprego perfeito: superintendente do parque nacional no terreno doado pela Gryzzlbox (aquele que a Leslie tanto queria construir durante a temporada). Pensem bem, ar livre, natureza, animais, pesca, canoagem - tudo que o Ron ama.

leslie and ronJá voltando para 2017, vemos o Ron desconfortável segurando a mão da Leslie. A cena é um exemplo do relacionamento deles. Leslie é muito afetiva e Ron, mesmo não sabendo como reagir ou demonstrar seus sentimentos, deixa ela fazer o que quer porque gosta dela.
(Nessa parte temos uma mini participação da repórter da cidade. Shauna Malwae-Tweep)

Leslie e Ben:
Last but not the least. Leslie, como sempre, acaba de falar com Ron e já repensa se deveriam mesmo se mudar. Claro que Ben a acalma dizendo que sim, as coisas vão mudar, mas também serão boas. Além disso, eles sempre voltarão à Pawnee. Então no flashforward para 2025, vemos nosso fofo casal em uma casa onde já estiveram várias vezes, a casa de Joe Biden. Como esquecer do amor que a Leslie tem pelo vice-presidente? Foi legal ver o quanto eles conseguiram, afinal de contas, esse era o sonho de Leslie - avançar na carreira política e conhecer todos essas influências em sua vida.

beslieNa festa, tanto Leslie quanto Ben são cotados como ótimos candidatos para o cargo de governador de Indiana. Vêem o problema? Pois é, não tem como decidir esse tipo de coisa, e olha que eles até tentam fazer uma lista de prós e contras... No fim, eles resolvem deixar para quando voltarem à Pawnee para conversarem com seus amigos. Na hora, no entanto, eles não conseguem nem tocar no assunto e Leslie decide que talvez devessem decidir no cara ou coroa. Sim, Leslie, a pessoa mais planejada e que não deixa nada para o acaso, quer deixar a sorte decidir. Por que? Bom, porque independente de quem ganhar o outro estará sempre do lado e no fundo os dois estarão ganhando. E quando ela vai chamar todos para participarem, Ben anuncia a candidatura de Leslie. Ele percebe que o sonho dela era antigo - desde quando era pequena e escreveu isso em seu diário - e que talvez fosse a hora dela. Mais uma vez tenho que falar que foi uma cena adorável de fofa.

Adorei ver como cada um tem pelo menos alguém do grupo presente em seu futuro, porque, apesar de não poderem estarem sempre 'todos no mesmo lugar ao mesmo tempo', como Leslie queria, eles acompanharam a vida de cada um. Mas, claro, continuamos no futuro por um bom tempo - com o flashforward do Ben e Leslie - e vemos que a gangue conseguiu se reunir novamente em 2025. Não só isso como Ann e Chris aparecem para fechar o grupo. Finalmente! E ainda por cima anunciam sua volta à Pawnee.
ann and leslie
"Ann está aqui!"
Vemos então todos os filhos reunidos, a segunda geração de Parks, e tem mais à caminho (não vou dizer de quem, mas é da April e do Andy). Não pude deixar de notar que a Ann deu o nome de Leslie à filha. É muito amor, não é? Além disso, descobrimos o plano das duas de fazerem seus filhos se apaixonarem. A segunda parte desse plano era fingir desaprovação, não que tenha dado muito certo. Foi uma cena fofa. Sonia e Oliver, quem shipa? Bom, quanto aos nossos antigos membros, vemos diversas interações. Chris anotando os apelidos que Leslie criou para Ann; Tom e Donna sempre 'treating yo self'; Ben explicando seu último jogo lançado para Ann (ou pelo menos acho que era disso que ele estava falando); Ron falando sobre o quiz do livro de Tom; Ann sendo esmagada de abraços pela Leslie; April insistindo que os filhos da Ann não eram biológicos; enfim... de tudo um pouco.

E assim, vemos Leslie olhando pela mesma janela de tantas temporadas atrás (no primeiro episódio) e percebemos o quanto tudo mudou. Quantas coisas eles passaram juntos, quantos parques construíram, quantas pessoas conheceram e o quanto vamos sentir falta desses personagens. Mais um pulo no tempo e o discurso de Leslie se expande para uma palestra como governadora na Universidade de Indiana. Sim, o momento nostalgia que esperávamos chegou e não tem como não ficarmos emocionados.

Precisava todos terminarem casados e com filhos? A série teve um final feliz, mas perfeito demais? Talvez, mas sabemos que na vida real nem sempre é assim, algumas pessoas podem ficar sozinhas, terem filhos ou não. O fato é que as vezes queremos uma coisa meio novela mesmo. Sem contar que o Tom e a Donna não tiveram filhos, então acredito que a série tenha explorado bastante as opções. Vimos os personagens demorarem para se encontrar (como o April), falharem e se reerguerem (como o Tom), encontrarem um amor (não antes de conhecerem outros), entre tantos outros exemplos.

Ok, mas esse não é o fim, já que voltamos para 2017 para mais um toque final. O grupo termina os balanços e só precisam registrar o momento, já que muitos irão se mudar. Assim, depois de muitas reclamações, no último instante do click da foto, Leslie afirma "estou pronta". Está pronta para o que está por vir e, ela pode não saber, mas nós sabemos: vai ser tão bom quanto.

parks and rec series finale


O melhor
O homem que pede o conserto do balanço é o mesmo aparece dormindo no escorrega no episódio-piloto. Ou pelo menos foi o que me disseram. Pretty cool, huh?
Inesperada ideia de contar o futuro dos personagens.
A despedida. Sério, como o coração aguenta?
Leslie listando elogios para a Ann. Ah, não tem como não sentir falta...
Os créditos finais com vídeos dos erros de gravação e despedida do elenco foi um toque único.

O pior
De quem foi a ideia de uma temporada tão curta? E ainda com dois episódios por semana? Custava durar mais um pouquinho?

Nota 10 (não sei se sou eu sendo emotiva, mas quem se importa)

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

Review: Arrow 3x15 - "Nanda Parbat"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Nanda Parbat", exibido no dia 25/02/15.
thea and laurel 3x15
Mas que episódio péssimo foi esse? Começo com essa pergunta porque ainda estou tentando entender. Verdade seja dita, a qualidade da terceira temporada está bem baixa desde o início e, tirando pela minha raiva pela morte da Sara, eu estava quase conseguindo ignorar todo o resto. Eu via todo mundo falando sobre como estava um lixo e não entendia onde Arrow queria chegar, mas eu estava me sentindo um pouco positiva, afinal ainda tinham pontos positivos na série. Bom, minha positividade acabou.

Talvez eu só esteja estressada hoje, ou com a idade eu adquiri muito mais sabedoria e muito menos paciência para histórias sem sentido.

Agora que vocês já estão avisados sobre minha opinião geral do episódio, vamos começar do início. Malcolm, Oliver e Thea estão treinando no Foundry, porque eles ainda estão aceitando a ajuda dele, apesar de toda reza que eu fiz para matarem o Malcolm logo. Thea ainda está chateada por ter descoberto sobre a Sara, mas mantendo sua promessa a Oliver e não contando nada para ninguém.
Mas como a Thea é uma pessoa decente, que acabou de passar por um trauma e tem o direito de contar para quem ela bem entender porque é a vida dela, ela acaba contando para o Roy. Adoro Roy/Thea, me deem mais cenas dos dois, por favor, para eu ver se me esqueço de todo o resto. Eles conversam, Thea descobre que todo mundo já sabia (menos a Laurel) e Roy conta sobre o policial que ele matou, foi bem fofo, no geral.

Mas Thea não ficou satisfeita só em contar para o Roy: ela vai e conta para a Laurel, que, obviamente, não fica irritada com Thea e sabe quem é o verdadeiro culpado. Sério, Oliver sai daqui e deixa as mulheres dessa série lidarem com todos os problemas a partir de agora, ok? Porque elas estão fazendo um trabalho muito melhor do que você.

Ok, tudo bem que a Laurel resolve ir atrás do Merlyn sozinha e não está nem um pouco preparada. Por mais que eu tenha minhas desavenças com a Laurel, especialmente em relação a trajetória de BC, pelo menos eu consigo entender de onde ela está vindo e acho justo ela matar o Malcolm, apesar de ser uma decisão idiota, porque óbvio que ela não conseguiria. A não ser que os escritores resolvessem que ela podia, porque consistência não é algo que exista nessa série, então se ela vencesse eu também não teria me surpreendido. 

arrow nanda parbat
Para a sorte da Laurel, ela não é a única que quer se livrar do Malcolm no momento, e logo a Liga, comandada por Nyssa, vem ao resgate. Fazendo a justiça que a Laurel não pôde completar. Yay. Todo episódio eu torço para que esse seja o dia em que irão matar o Malcolm... E todo episódio eu acabo decepcionada.

Oliver não fica nem um pouco feliz por Malcolm ter sido levado. Por quê? Não faz nenhum sentido. Ah, os escritores tentaram explicar, mas eu repito: não faz nenhum sentido.

Oliver fica irritado com Laurel, eles brigam – mais uma vez, porque tiveram uma discussão antes de Laurel ir atrás do Malcolm – e se alguém ainda achava que existia a chance de Oliver/Laurel voltar a acontecer, essa chance se acabou. Nunca fui fã do ship, muito pelo contrário, mas vê-lo se dissolver na minha frente não foi nem um pouco tão satisfatório quanto eu imaginaria. Laurel estava absolutamente certa e Oliver continuou se mostrando um babaca com ela, mostrando como não confia e nunca vai contar toda verdade para ela. Se eu fosse a Laurel também não saberia como tinha amado o Oliver, ele pode ser um amor com outros interesses românticos, mas ele nunca tratou a Laurel bem.

Por mais que o Oliver ser babaca com a Laurel não seja novidade, ele ser babaca com todo o resto do mundo também está se tornando algo comum. A coisa está tão séria que no meio do episódio eu já estava considerando a possibilidade do Oliver ter sido drogado no início dessa temporada e estar o tempo todo sendo influenciado. Porque juro que essa seria uma explicação melhor para esse desastre que é a terceira temporada.

Ele resolve que quer ir salvar o Malcolm, porque não quer que a irmã se sinta culpada por matar seu próprio pai. Olha, Oliver, tenho certeza que aparecer por alguns meses para treiná-la e manipulá-la, e então usá-la para matar uma amiga dela não qualifica o Malcolm como “pai”, muito pelo contrário. Também quero saber que história é essa de “O Malcolm ama a Thea, ele não vai usar o vídeo”... Uh, se você acha isso por que exatamente foi lutar com Ra’s al Ghul e quase morreu naquela montanha? E não foi o Oliver mesmo que disse há alguns episódios para a Thea que o Malcolm não a amava de verdade? A gente pensa um pouco e logo minha teoria das drogas parece cada vez mais plausível.

Antes fosse.

Oliver tenta impedir a Liga de levar Malcolm, pega Nyssa como prisioneira, descobre onde fica Nanda Parbat, ignora todos seus amigos quando eles dizem que ele não devia ir e vai. John Diggle, pessoa linda que é, acaba indo junto. Diggle e Lyla são uns anjos que caíram do céu diretamente em Arrow. Só Dig salva. Eles conversam em Nanda Parbat, sobre os motivos reais de Oliver querer salvar o Malcom, que era... ele ficou com medo por ter sido derrotado pelo Ra’s, está meio traumatizado com sua experiência quase morte e não quer que alguém possa vencê-lo. Tipo... Ok. Vai fazer terapia e deixa de ser egoísta, Oliver. Esse motivo foi bem ridículo também, nem sei o que dizer. 

arrow 3x15
E então vamos para o final do episódio, no enredo mais jogado que eu já vi: Oliver invade Nanda Parbat, incrivelmente consegue matar um monte de gente antes de ser pego e então... Ra’s não mata ele. Pelo contrário, diz que ele quer que Oliver seja seu herdeiro.

??????????????

Primeiramente, por que ele iria escolher outra pessoa quando tem a Nyssa ali disponível? Quem escolhe o Oliver ao invés da Nyssa, me explica?

Depois, de onde veio isso??? Quer dizer, eu sei que teve algo desse tipo em algo do Batman (sei por outros, porque tenho zero interesse em Batman), mas isso aqui é Arrow. Ra’s al Ghul deve ter visto o Oliver umas três vezes, incluindo a vez que o matou em uns três minutos. Desde quando isso o qualifica para ser o próximo herdeiro? Nem na liga ele está. Não vou esperar por uma explicação porque sei que nunca vai chegar.

Eu imploro que um dia os escritores descubram que storylines e plot twists devem ser construídos. Foreshawing, indicações, uma base para quando chegar as pessoas conseguirem entender de onde surgiu. Não é tão difícil assim, façam um esforço!!

E, ok, agora que assumimos isso como verdade: quem liga? Não é uma storyline tão legal assim. Oliver não vai ser o próximo Ra's al Ghul. Provavelmente vão ocorrer lutas. Próximo, por favor. 

Honestamente, Nyssa deveria matar o pai por essa ingratidão, o Malcolm pela morte da Sara, e o Oliver só porque ele anda merecendo, e então trazer a Sara de volta e roubar essa série para ela. E de bônus pode matar os escritores e substituir por alguns que lembrem das motivações dos próprios personagens. Afinal, Ra’s se importa com a Sara, sim ou não? Ele quer achar seu assassino? Oliver não morrer desafia o código ou não?

... Nunca saberemos.

arrow 3x15
Por mais que eu quisesse, infelizmente o episódio não parou por aí. Quer dizer parou (tirando pela cena da Thea no final que não tenho o que dizer por enquanto), mas antes disso aconteceram outras coisas. Coisas que envolvem o Ray.

Não é mistério que não suporto o Ray e minha antipatia por ele anda aumentando em proporção geométrica. Comecei só irritada porque a cara do ator me lembrava de Chuck, mas estava tentando dar uma chance, e agora já odeio totalmente o personagem. Ele é irritante, tão irritante quanto um personagem pode ser. E o mais importante: eu não ligo nem um pouco para sua storyline. Quer ser o Atom, então seja, só saia da minha série.

Eu pularia todas as cenas em que ele aparece se elas não fossem com a Felicity. Ela, por sinal, é minha personagem preferida e talvez por isso me irrite tanto, porque a Felicity com certeza merecia um interesse romântico melhor do que o Ray. Eu entendo que nem todo interesse romântico possa ser um Eddie (The Flash), mas melhor que o Ray com certeza a Felicity merecia. Mas ok, raiva do Ray deixada de lado, Felicity vai ajudá-lo porque é isso que ela faz.

Basicamente, todas as cenas com Ray costumam ser respostas para o Oliver sendo babaca. E vou deixar claro aqui que não culpo a Felicity, eu entendo completamente a motivação dela e acho que ela faz sexo com quem ela bem entender. O Oliver está sendo irritante, diz que te ama, mas não age como, trabalha com o Malcolm e vai quase pedir para ser morto de novo, e tem esse cara bonito e sem camisa disponível? Vai fundo, amiga. Mas a questão é que eu não sou uma personagem dentro do universo e sou capaz de ver isso com olhos de telespectadora, sabendo que teve alguém que escreveu essas cenas e não foi só Felicity exercendo seu livre-arbítrio. E isso me deixa até enjoada, porque eu não queria a Felicity e o Ray envolvidos.

Tudo bem, não estou surpresa. Eu sabia que ia acontecer eventualmente, desde o momento que Ray apareceu, meu maior medo é que eles ficariam juntos romanticamente. E ia ser horrível de qualquer maneira, mas foi ainda pior do que eu imaginava. Acontece rápido demais para meu gosto, e mesmo que ela goste de verdade o Ray, foi com certeza como uma resposta da Felicity aos seus sentimentos por Oliver (provavelmente inconscientemente), e AINDA sem sabermos direito sobre a visão da Felicity sobre seu relacionamento com o Oliver. E, ainda por cima, Ray sai e deixa ela sozinha na cama para ir terminar sua armadura, super falta de educação se quer saber. Mas o pior de tudo é que tenho certeza que essa storyline vai durar por pelo menos mais uns cinco episódios. No momento, só torço para que eles terminem antes do season finale. 

Eu queria já estar tão irritada com Arrow ao ponto de não ligar mais para nada que acontece (como aconteceu comigo em TVD), só soltar um suspiro exasperado cada vez que os escritores fazem algo idiota, mas infelizmente eu ainda ligo.

O Melhor:
+ Thea contando a verdade para Laurel. Chamando a Liga.
+ Roy
+ Diggle/Lyla uns fofos

O Pior:
- O que não foi o pior, eis a questão.
- Ra’s chamando Oliver para ser o herdeiro
- Motivação do Oliver
- Raylicity
Por que a Thea resolveu contar para a Nyssa? Wtf.
Nyssa presa em uma "jaula". What. Achei ofensivo. 
- Tantas outras coisas...

Nota: 4,0

Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Review: Castle 7x16 - "The Wrong Stuff"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers dos episódios "The Wrong Stuff", exibidos nos dias 23/02/2015!


segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Dica da Semana: Jersey Boys + The Very Best of Frankie Valli and The Four Seasons.


O filme "Jersey Boys - Em Busca da Fama", dirigido por Clint Eastwood, narra a ascensão e queda do quarteto The Four Seasons. Com hits como "Sherry", "Big girls don't cry" e "Can't take my eyes off you", Frankie Valli, Tommy DeVito, Bob Gaudio e Nick Massi se tornaram uma das bandas mais bem sucedidas dos anos '60.

Contar mais do que isso, seria estragar a trama para aqueles que: (a) não viram o filme ou (b) não conhecem a história do grupo. Dessa forma, paro minha síntese do longa-metragem por aqui mesmo. Comecemos, então, com o motivo pelo qual o combo acima foi escolhido como a dica da semana.

Com duração de 2h e 15min, o filme mostra a evolução do pequeno quarteto em celebridades e sua decadência, como falei acima. Ou seja, são retratados quase 4 décadas nesse tempo. Q-U-A-T-R-O DÉCADAS! Isso é ano pra chuchu! Mas Clint Eastwood, provando que continua sendo um grande diretor apesar de sua idade, o faz com maestria. O filme é ágil (pelo menos na primeira metade, depois fica meio arrastado) e, sinceramente, diferente dos outros que também entram na categoria "musical". E por um único motivo: a cantoria se restringe ao palco. Ninguém começa a dançar e cantar no meio da rua sem motivo nenhum. (We're looking at you, Glee kids). Ok. Talvez não seja tão inovador. Mas é diferente.

Mais do que isso, temos cortes rápidos e eficientes de uma cena para a outra. E algumas técnicas usadas por Eastwood são boas para prender a atenção do público. Como, por exemplo, ter os personagens falando diretamente com o espectador. É tremendamente original? Não. Vimos a mesma coisa em outros filmes. Mas não é o normal, em que somos simples observadores. Aqui, por esse meio, somos incluídos - convidados a fazer parte desse quarteto talentoso que por... problemas... acabaram se separando. Além do que, esse recurso apresenta outra vantagem: ouvimos os pontos de vista - a interpretação dos fatos - de mais de um personagem. O que é ótimo, pois temos uma perspectiva mais geral e completa do ocorrido.

Os atores principais, que representam a banda, são cativantes. E os cenários usados também, parece que somos transportados de volta aos anos 50, 60, 70. Agora, a melhor qualidade do filme é.... Sua trilha sonora. Não estou mentindo. Esse é também o motivo do CD, lançado em 2002, estar junto com o filme na dica da semana. Ele tem, obviamente, os maiores sucessos do quarteto e vale muito - muito, muito, muito - à pena ser ouvido. Mesmo que seja para pular direto para certas canções. Ninguém vai julgá-los. Acreditem. Eu vou direto para "Can't take my eyes off you". Simplesmente perfeita.

De qualquer jeito! Minha dica: vejam o filme, ouçam o CD. Duvido que venham a se arrepender. Prometo.

Thaís Cabral - Estudante de Publicidade, pseudo-escritora, leitora compulsiva e chocólatra. Gosto de séries de TV (americanas e/ou britânicas), filmes e anime/mangá.

Novo teaser de Agents of SHIELD

E para quem estava ansiosa, aí vai mais um teaser da metade da temporada:



A série tem melhorado e se provado cada vez mais. Na segunda temporada nos deparamos agora com os Inhumans e toda a história de Skye a ser desenvolvida. E tenho certeza que muitos fãs estou loucos de ansiedade (assim como eu). Como a personagem irá lidar com isso? Como Coulson ajudará Skye e como eles aprenderam sobre os poderes dela?

"Minha vida inteira eu queria uma família. A Shield me acolheu, treinou-me para ser uma agente, mas havia alguma coisa dentro de mim. Uma coisa que eu nem sabia que estava lá, algo possivelmente inumano."











Agents of SHIELD volta terça que vem (dia 03/03), e para quem não viu ainda, a promo da metade da temporada já saiu. Mal posso esperar... E vocês?

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Review: Arrow 3x14 - "The Return"

Atenção: a resenha contém spoilers do episódio "The Return", exibido no dia 18/02/15.
arrow the return

Temos uma inversão de ambientes nesse episódio: flashback em Starling e tempo atual na ilha. Seguindo o conselho do Malcolm (o porquê ainda tento descobrir), Oliver e Thea se mandaram para Lian Yu, a ilha mais popular do momento. Lá eles podem fazer todo o tipo de coisa divertida, como passear pela praia, fazer caminhadas, lutar um contra o outro e visitar prisioneiros da ARGUS. Cadê promoção para ganhar uma viagem até lá?

Inicialmente, Oliver e Thea ficam só bonding, treinando lutar, porque pelo o que parece eles não podiam fazer isso em Starling e nem questionaram o objetivo de Malcolm ao mandá-los para lá. Ah, inocência. Bom, estou super feliz que Thea saiba do segredo e Oliver também está, dá para ver em seu rosto como está satisfeito de poder ser meio honesto nesse episódio.

E, ao final dele, Oliver deixou todas as mentiras de lado. Sim, estou falando sobre a Sara! Os escritores ouviram meus pedidos e resolveram que, de fato, storyline de esconder a verdade da Thea já tinha passado do tempo, e ela finalmente coloca Oliver contra a parede – aproveitando que eles estavam em uma cela – e exige que ele conte para ela o que estava escondendo. Parabéns pela honestidade tardia, Oliver, você está aprendendo. Agora só falta contar para a Laurel.

Thea fica bastante chocada ao descobrir que, esse tempo todo, ela era a assassina de Sara. E não culpo ela, quem não ficaria? Thea tem mais juízo do que muitos nessa série e vai direto culpar o verdadeiro culpado: Malcolm. Ele que fez isso com ela e com a Sara. Agora quero vê-lo pagar por isso, e sei que a Thea vai fazer isso por mim. Aguardarei ansiosamente.

A viagem não dura muito, provavelmente só uns dois dias, e logo Thea pode dizer cara a cara que se demite como filha do Malcolm. Ele tenta se explicar com o que provavelmente foi a pior desculpa do mundo, mas dessa vez Thea não quer ouvir, ele passou – e muito – dos limites. Porque o Undertaking aparentemente não tinha sido passar dos limites ainda. Thea diz que pode até trabalhar para ele, mas que não vai mais ser sua filha. Eu preferia que eles cortassem todo tipo de ligação, mas aceito o que recebo.

slade wilson 3x14

O motivo dessa volta tão rápida para Starling foi simples: Slade. Seu propósito no episódio foi nulo a não ser por dizer “Slade está de volta” no comercial. Eu esperava mais, mas honestamente Slade nunca foi meu vilão preferido, então nem preciso dizer que esse episódio foi bem meh. O ator pode até ser legal, mas não ligo muito se o Slade voltou por um episódio.

Ele saiu da cela dele por causa do Malcolm, que gosta de atazanar a vida das pessoas, e resolve prender Oliver e Thea em seu lugar, forjando sua morte em Starling. Porque ninguém nunca vai checar o agente em Lian Yu, ok, ARGUS sistema super falho o de vocês. Slade consegue prendê-los, mas com a ajuda do braço magro da Thea, eles conseguem escapar. Foi um jeito bastante ridículo de conseguirem sair da prisão, mas nada de tão absurdo para os padrões de Arrow.

Depois disso, temos algumas lutas entre Slade e os dois Queen. Não sei como o Slade ficou tão bom assim, porque pelo o que eu me lembro ele só conseguia vencer o Oliver por causa do Mirakuru e, assim que foi curado, Oliver o prendeu bem facilmente. Não sei como agora, que ele teoricamente estava mais fraco por ficar na cadeia todos esses meses, sem sol, comida ruim e tudo mais, e sem Mirakuru ele quase derrotou não só o Oliver, mas a Thea, que é bem excepcional na luta e ainda tinha o fator surpresa ao seu lado. Também queria saber porque o Slade continua tão bravo, pensei que parte disso fosse só Mirakuru, como foi com o Roy, mas não vejo diferença alguma em sua personalidade.

No fim, Thea acaba vencendo Slade, pronta para matá-lo, arma apontada e toda raiva acumulada, mas Oliver a convence que essa não era a escolha certa. Eles acabam o prendendo de volta na prisão, onde devem procurar por um novo guarda, ou sei lá. Antes de sair Slade faz uma última ameaça implícita sobre a Felicity, fazendo Oliver mandar sua cara de assassino para ele. Não sei se eles pretendem fazer o Slade apareceu mais uma vez, mas se ele for mesmo voltar, tenho certeza que vai atrás da Felicity dessa vez. Provavelmente vai ser um episódio mais interessante do que esse.

tommy merlyn 3x14

E Starling City? Como estão todos? Não faço ideia, porque a série não se deu o trabalho de mostrar. Temos, entretanto, informações sobre eles nos flashbacks, quando podemos ver todos nossos personagens preferidos cinco anos antes. Menos Roy, ele devia estar na escola.

Nosso querido e amado Tommy voltou, só para nos lembrar que os escritores perderam todo esse potencial o matando na primeira temporada. Nunca vou superar isso. Ele está lá, fazendo uma festa de aniversário, servindo como irmão da Thea, mesmo sem saber que ele realmente era seu irmão. Thea está sendo ela mesma da primeira temporada, comprando drogas e indo em festa só para maiores. Adorei ver a interação deles dois, mas só me deixa triste, porque eles nunca puderam interagir como irmãos de verdade. Tenho certeza que Tommy estava se revirando no túmulo toda vez que o Malcolm interagia com a Thea, ele nunca deixaria isso acontecer.

Laurel também está de volta, tendo momentos fofos com o Tommy. Nunca acharei um ship mais adequado para ela do que ela e Tommy. Ela também tem cenas com Quentin, que estava no auge de seu alcoolismo. Por sinal, eles dois são os únicos a aparecerem no tempo atual em Starling. Quentin está bravo sobre ela ter mentido sobre a Sara e com razão, estou no lado dele, mas espero que façam as pazes um dia, porque fico triste com essas relações familiares abaladas. O flashback da Laurel intensifica como ela queria ajudar os outros e fez direito para isso, e termina com ela recusando um trabalho que dá dinheiro e aceitando outro emprego em Starling City, provavelmente o mesmo que ela tinha na primeira temporada.

Por fim, vemos Felicity por breves segundos no flashback. Descobrimos que Oliver tinha a visto na QC alguns anos antes, apesar de eles não terem se conhecido oficialmente. Quero saber se Oliver a reconheceu, se ele se esqueceu disso ou só não disse nada... Exijo respostas.

Por fim, Oliver quase foge de volta para casa e abandona sua missão, quando se depara com uma mensagem do pai, dizendo para ele ser melhor que ele e resolve salvar o mundo uma última vez. Depois de conseguir, os militares prometem que ele só precisa voltar para Hong-Kong brevemente e depois pode ir para onde quiser... Mas algo me diz que não será tão simples.

O Melhor:
+ Tommy nos flashbacks. Don’t go breaking my heart </3
+ Thea sabendo da verdade e acabando com o Malcolm
+ Thea e Oliver interagindo, foi fofo.

O Pior:
- Episódio bem chatinho
- Slade. Quem liga.
- Como o Oliver acessa o sistema com suas próprias digitais, entra na mansão Queen, que provavelmente tem seguranças e câmeras e ninguém fica sabendo?
- Por que ainda aceitam trabalhar com o Malcolm? Quando isso terá fim?

Nota: 6,8

Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

Review: The Flash 1x14 - "Follout"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Follout", exibido no dia 17/02/15.

the flash 1x14

Semana passada, o Team Flash tentou separar Ronnie e o professor Stein do mesmo corpo, o que tinha levado a uma explosão... Esse episódio pega de onde parou, mostrando que a tentativa não foi tão falha quanto parecia, eles só queriam dar um suspense mesmo. Ao que tudo indica, Ronnie e professor Stein estão separados e perderam as habilidades do Firestorm.  Ou é o que parece de primeira, mas logo algumas coisas estranhas começam a aparecer, como os dois terem literalmente a mesma temperatura corporal (um pouco a cima do normal) ou o Stein adquirir o gosto por pizza (que tipo de pessoa não gosta de pizza???).

Seja como for, pelo menos eles estão separados, cada um com sua amada, uma coisa bem fofa mesmo. Gosto de Caitlin/Ronnie desde a primeira vez que os vi, acho um dos casais mais fofos da série, mesmo achando que não vão durar para sempre. Já professor Stein, mal conheço mas já considero pacas, também é um fofinho com a esposa. Infelizmente, nem todo mundo tem todo esse amor no coração que nem eu e não achou tão fofa essa reunião de casais. Estou me referindo aos militares, que voltam mais uma vez para tentar roubar tecnologia e dominar o mundo, adoro.

Assim que sabem da explosão, vão lá procurar o Firestorm para roubar e usá-los, mas graças à velocidade do Barry, eles já tinham ido embora dali faz tempo. Só que a identidade deles não é tão secreta assim e eles acabam sequestrando o professor Stein (e por sequestrando quero dizer: Wells entrega ele, porque ele é super shady). É aí que entra como ponto positivo essa sincronia mental dos dois, enquanto Stein é torturado, Ronnie vai se conectando mais com ele e conseguem descobrir aonde ele foi levado. 

Algumas lutas depois, Ronnie e Stein precisam se juntar novamente para poder escaparem vivos, já que o Barry sozinho não está dando conta. Só que dessa vez eles conseguem atingir a harmonia e equilíbrio perfeito, juntando-se e separando-se com toda facilidade do mundo. Uhul, agora virem besties. Infelizmente para mim – e Caitlin e Clarissa – os dois precisam agora sair da cidade, procurar gente que os ajudem, etc etc etc. Espero que voltem um dia, adorei os dois.

the flash follout

Por mais que esse tenha sido o foco principal do episódio, Barry ainda é o principal dessa série, e como tal não poderia passar sem sua própria storyline. E dessa vez envolve um dos maiores mistérios da série que já não é mais tão misterioso assim: o assassinato da mãe do Barry e viagem no tempo. No outro episódio, Cisco e Joe desvendaram o mistério e descobriram sangue do Barry adulto na cena do crime, indicando que eles estava presente lá. E agora Joe contou a verdade, é isso aí, nada de segredos.

Barry fez uma leve pesquisa, com Wells e professor Stein, sobre como ele poderia viajar no tempo e descobriu que usando sua velocidade ele poderia abrir um buraco no espaço e tempo, e outras coisas que provavelmente são cientificamente impossíveis, mas quem liga. Ele fica meio chateado, porque mesmo se voltar, ele não ia poder conseguir salvar a mãe dele, porque já fez isso e falhou. Só que ao final do episódio, ele recupera suas esperanças e resolve que vai sim voltar e salvar a mãe. O único problema disso tudo é que se ele voltar e salvar a mãe, ele vai ter reescrito sua própria história, de forma que ele não vai precisar voltar para salvá-la quando for adulto, porque ela está viva. Mas aí ninguém a salvou e ela morreu. Boom, começa tudo de novo. É um paradoxo que eu duvido que The Flash consiga resolver de modo satisfatório, então é melhor que eles deixem Nora morrer mesmo e resolver esse problema.

Mais uma vez, foi confirmado que o Flash-Reverso é de fato o dr. Wells, só não sei como ele fez para lutar contra ele mesmo, provavelmente é ele do futuro/passado. E ainda não sabemos porque ele não feriu o Eddie naquela vez. Vai ver ele é o Eddie. Eu honestamente tinha mais fé nos escritores e esperava que eles fossem surpreender um pouco, e não fazer ser o dr. Wells que assassinou a mãe do Barry, o que todo mundo já desconfiava desde o primeiro episódio. Mas ok, fazer o quê, antes clichê do que sem sentido. Semana que vem ele revela sua identidade e com sorte descobriremos o porquê de matar a mãe dele.

iris west 1x14

E na última parte do episódio, temos mais alguém que está cansada de todos esses segredos. Iris, aproveita que tudo está sendo revelado por agora e corre para descobrir sobre o Flash. Ela agora abandonou o trabalho de garçonete e virou jornalista, e seu colega deu a dica sobre o que estava acontecendo lá no STAR Labs. Depois de ver Ronnie com Caitlin na casa do Barry, pegá-los mentindo bem no flagra, confirmar que o Ronnie era o Firestorm, ela com certeza sabe que alguma coisa está acontecendo. Não sabe o que, mas vai descobrir.

Eu, pessoalmente, prefiro quando os heróis contam sobre sua identidade a serem descobertos, mas já que Barry vacilou total e não contou nada, acho que já passou da hora da Iris descobrir. Principalmente considerando que já estava bem na cara, convenhamos. Eu não queria que ela passasse do episódio cinco sem saber, se passar dessa temporada eu desisto de tudo. Quero que ela descubra tudo logo no episódio que vem, mas dou pelo menos mais uns dois para ela desvendar completamente o mistério e descobrir que o pai e Barry estavam mentindo esse tempo todo.

O Melhor:
+ Ronnie e Caitlin
+ Barry desvendando sobre viagem no tempo
+ Iris finalmente no caminho para a verdade

O Pior:
Ronnie indo embora depois de tão pouco tempo.

Nota: 8,7


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

Review: Agent Carter 1x07 - "SNAFU"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "SNAFU", exibido no dia 17/02/15.
agent carter snafu

Semana que vem já é o último episódio da temporada e Agent Carter continua mantendo a qualidade lá em cima. Estou preparada para chorar caso a série não seja renovada.

No episódio passado, Sousa descobriu que Peggy estava trabalhando para Stark e contou para o chefe Dooley, muitas coisas aconteceram, Peggy quase conseguiu escapar, mas Dotty (espiã russa disfarçada) acabou interferindo em sua fuga e nossa querida agente foi presa pela SSR. Temos então a oportunidade de ver toda a verdade finalmente sendo revelada. Yay, sem mais Peggy tendo que mentir por aí.

Vemos três interrogações muito diferentes, de Sousa, Thompson e Dooley, nenhum dos três acreditando muito em Peggy. Como ela mesma coloca, Sousa antes a colocava em um pedestal e agora se sente traído; enquanto Thompson não ligava muito para ela, mas depois que ela o ajudou na Rússia não consegue conciliar as duas imagens que tem.

No início, Carter se mantém calada no interrogatório, não revelando nada, só diz que eles estão errados e tenta fazê-los entender que precisam procurar a Dottie, que obviamente já escapou a essa altura. Ela estava até preparada para ser torturada quando tudo é interrompido pelo Jarvis, aparecendo com uma cópia assinada da confissão de Stark, dizendo que ele vai se entregar.

Jarvis é fofo, mas nem sempre toma as melhores decisões e dessa vez não foi diferente. Ele aparece na SSR assim, dizendo que tem a confissão do Stark e que eles deviam deixar ele e Peggy irem embora, que o Howard ia chegar em algumas horas. Só que ele estava mentindo e tinha falsificado a assinatura do chefe – um hábito comum dele, pelo o que parece – e Stark não estava vindo coisa nenhuma. O que é péssimo para os dois, pois agora estão presos no SSR por um tempinho.


agent carter 1x07

Enquanto eles se ocupam com Peggy, Leviathan continua colocando seu plano em prática. O psiquiatra, que parecia ser do bem mas na verdade não é, se comunica com Dottie a partir de código morse pela janela, combinando de roubar alguma coisa. Mas ninguém vê, é claro. E mesmo se alguém visse, era só o doutor usar seus truques hipnóticos que, voilà, todos se esqueceriam.

Enquanto Peggy e Jarvis são deixados sozinhos, ela nota a troca de códigos e, gênia do jeito que é, descodifica e descobre tudo o que está acontecendo. É nesse momento que ela conta toda a verdade, mesmo sabendo que eles não iriam acreditar muito nela, explica porque fez o que fez e como. Por sorte, Sousa e Thompson até acreditam nela e vão investigar, procurando a Dottie no outro prédio, enquanto Dooley vigia o psiquiatra. Só que, apesar de saberem dos códigos, eles não ficaram sabendo da hipnose. Quando os dois estão sozinhos, o médico faz sua mágica e logo Dooley vira um fantoche em suas mãos, eles prendem Carter e Jarvis em uma sala, roubam o item 17 lá da parte dos laboratórios, e o médico se vai.

Enquanto isso, Dottie escapa facilmente de todos agentes, matando um menos importante. Isso não é nenhuma surpresa, mas serviu para todos verem que Peggy estava falando a verdade. Para ser justa com os agentes, eles quase conseguem impedi-la e teriam conseguido se não fosse o chefe Dooley.
Durante sua hipnose, Dooley foi vestido com um colete explosivo que não tem como ser desativado. Ou seja, ele iria explodir e ainda levar o SSR junto. Em seus últimos momentos, vemos Dooley finalmente aceitando Carter, de certa forma a perdoando por ter traído o SSR e acreditando nela. E então ele se joga da janela e explode. Bem dramático.

agent carter 1x07

E todos os agentes estavam lá para presenciar, nenhum para ir atrás do Leviathan, que estava no momento testando o item 17. Item esse que, pelo o que eu entendi, é capaz de provocar ira nas pessoas, que acabam matando umas as outras. Não é a primeira vez que eu me deparo que esse tipo de arma, tenho absoluta certeza que já li um livro com esse tema (Delusion in Death), mas acho que também já ouvi menções disso na Marvel mesmo. Mas posso estar delirando e só lembrando do livro mesmo. O que importa é que o gás funciona, todo mundo dentro da sala de cinema onde eles soltaram estava morto em alguns minutos. E isso era só um teste, agora só falta saber onde eles queriam realmente colocar isso.

Porque Agent Carter é uma série curta, semana que vem já é o season finale, então sabemos que tudo irá se resolver. Ou quase tudo. Peggy foi praticamente inocentada nesse episódio, já que se provou que ela estava falando a verdade, mas aos olhos da justiça – que não é só o SSR – Stark ainda é foragido. E ainda tem que resolver todo esse problema com o Leviathan... Em Agent Carter eu confio.

O Melhor:
+ Todos finalmente sabendo a verdade
Dooley acreditando na Peggy

O Pior:
- Tão próximo do fim e tantas coisas ainda em aberto

Nota: 8,5

Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Review: Parks and Recreation 7x10 - "The Johnny Karate Super Awesome Musical Explosion Show"/ 7x11 - "Two Funnerals"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers dos episódios 7x10 e 7x11, exibidos no dia 17/02/2015!

andy dywer

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Review: Castle 7x14 - "Ressurection (1)"/ 7x15 - "Reckoning (2)"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers dos episódios "Ressurection" e "Reckoning", exibidos nos dias 09/02/2015 e 16/02/2015!

castle 7x14



















Parece que só porque viajei, Castle teve seu grande episódio desde o desaparecimento do Rick. Pois é, tivemos um episódio duplo (divididos em duas semanas, só para aumentar a tensão) com o vilão que faltava ter seu ciclo fechado: 3XK. Apesar de me dar nervoso essa falta de notícias sobre o desaparecimento do Castle ou uma dica sequer sobre isso, o episódio surpreendeu e nos trouxe mais um passo importante na storyline de todos e o drama que faltava. Entendo a extensão do mistério em volta da história de Castle e o que aconteceu exatamente com ele naqueles dois meses, mas sinto como se tivessem dado uma pausa com histórias normais no meio como se nada tivesse acontecido. Alguns delas até interessantes como o Castle como PI e temas que gerem risadas ou situações inusitadas - típicas da série -, mas ainda assim um pouco fora do foco. Aliás, a minha aposta é que voltem ao assunto só na season finale. No entanto, os 7x14/15 foram diferentes, apesar de ainda não termos nenhuma dica sobre o mistério de Rick, temos a conclusão de outro e a vida de um dos personagens em perigo.

Começamos o 7x14 com uma clássica cena de perseguição e a garota de camisola acaba sendo encontrada morta. Com a evolução do caso percebemos (ou melhor, Lanie percebe) que ele tem muitas semelhanças com o caso antigo da "clone" morta de Lanie, que teve seu rosto modificado para parecer com ela e roubar os arquivos de Jerry Tyson aka (também conhecido como) 3XK. E não esqueçam da responsável pela cirurgia que nunca foi presa: Dra. Kelly Nieman. Bom, apesar dos esforços de Kate, não conseguem extrair nenhuma informação da cirurgiã e é aí que as coisas ficam interessantes: encontram Tyson, que aparece dirigindo uma van com uma mulher idêntica à vitima. Fácil demais? Pois é, eu também acho. Ele assim é levado para a delegacia, mas, como eu suspeitei, ele alega ser outra pessoa que teve o rosto modificado pela doutora. Hm, e agora? Ao mesmo tempo que acho uma boa história, me dá muito nervoso saber que ele realmente pode ser Tyson. E aí que está a brincadeira doentia que o 3XK adora.

castle kevin esposito

Admito que a história pode ser um pouco irreal, até porque vamos combinar: como uma cirurgia pode ficar tão perfeita para que você seja confundido com uma pessoa, já que está idêntica à ela? Mas desculpo a série. Assim que vêem Tyson no carro achei que todos iriam pensar na possibilidade de ser outra pessoa usando seu rosto, mas foi só eu mesmo. Aliás, qualquer um que aparecia eu pensava nisso, fiquei até com medo de fazerem isso com a Beckett. Nunca ignorem uma médica louca falando sobre a perfeição do seu rosto toda vez que se encontram.

O episódio se torna uma mistura de sentimentos: todos tentando provar que o cara que prenderam (Michael Boudreau) é realmente Tyson, tentando entender se seria possível ser outra pessoa, tentando se agarrar a qualquer chance de provar suas teorias, por que sem isso a policia não poderia fazer nada. Quando encontram um dente de quando Tyson era pequeno, acham que finalmente conseguiram o que queriam, mas infelizmente não é dessa vez, e Nieman e Tyson saem ilesos. Enquanto isso, Kate recebe a ligação da loira idêntica à morta que estava com Tyson, já que Beckett havia dado seu cartão para se algo desse errado quando a encontrou. Pena que é uma armadilha e nossa querida Kate é sequestrada. Fim.

Sim, esse é o fim do episódio. Mas que bom que o 7x15 já está aqui. Assim vemos Castle enfrentar Tyson/Boudreau. É sempre interessante acompanharmos essa trajetória de tentar entender a mente de um psicopata. Rick extrapola, mas com a ajuda de Gates e o resto, ele vai tentando criar a história de Tyson. Se alguma dúvida ainda restava sobre Boudreau ser realmente o serial killer, percebemos que, por trás do teatro, pequenos sorrisos malignos surgem. A conversa do Rick com Gates foi um ótimo exemplo da evolução da relação dos dois, afinal, apesar de nunca parecer gostar de Castle, Gates entende uma coisa (que Beckett disse): ele é a história, ele que une as evidências e as une de uma maneira criativa.

richard castleNão posso deixar de comentar sobre como Castle consegue fazer uma boa análise da fixação de Tyson por loiras, afinal é impossível não notar a semelhança da mãe de Jerry com as mulheres depois da cirurgia. É uma forma de machucá-la todas as vezes que visse notícias sobre ele, assim como Tyson queria machucar Castle várias vezes usando Beckett como isca ao invés de simplesmente matá-lo. Não quero nem falar sobre a brincadeira doentia dele em fazer Rick pensar que Kate havia sido morta.

Claro que a dupla de 'vilões' é boa e parecem não deixar vestígio de seus passos, mas Rick tem uma último plano: pedir ajuda para o antigo companheiro de cela do 3XK. Assim, ele vai para uma cabana da infância de Tyson à procura de Kate. Vemos um Castle determinado e badass, trancando a tal loira no porta-malas do seu carro. Apesar disso tudo, Rick acaba nas mãos de Tyson mais uma vez, e quando tudo parece acabado, nosso escritor dá a volta por cima.

Agora, o melhor mesmo foi o final e, sinceramente, isso sim foi um plot twist. Quem diria que pessoas normais não falam sozinhas em voz alta e que Castle estava na verdade contando seu plano para Kevin e Esposito. Ai, sério, dá vontade de chorar de alegria. E eu já irritada com o Rick por nem ter contado para ninguém onde estava indo. Eles enganaram todos nós. Adorei como a perspectiva muda tudo e como os flashbacks nos indicaram que não estávamos a par do plano como achávamos. Além disso, gostei que usaram flashbacks do próprio caso para os esquecidos como eu, afinal de contas, essa batalha entre Castle e o 3XK dura há bastante tempo. Esse foi um dos melhores episódios (a dupla de episódios na verdade) da temporada de longe (atrás talvez somente do desaparecimento do Castle, apesar de ainda ter meus receios sobre como vão concluir com esse mistério).

Adorei que a Beckett tenha se salvado. Isso me lembra da Emma salvando ela mesma e o Hook reclamando, só que, claro, "um pouco" mais dramático e sem o conto de fadas de Once Upon a Time. Com um pouco de paciência e inteligência, ela consegue se livrar das fitas que estavam a prendendo. Vemos Kate se transformar (assim como Castle): ela parada ali pronta para ter sua cara cortada com certeza desperta a raiva e adrenalina suficientes para Kate atacar a tal médica com uma lâmina. Tudo que eu conseguia pensar depois disso é o quanto uma cena dessas vai perturbar nossa querida detetive - o que vemos ser verdade em sua conversa com o marido. No final, sinceramente, o que importa é que ela se salvou.

kate beckett
Gostei muito de ver a menção dos meses que Castle desapareceu, afinal Rick enlouqueceu com o sumiço de Beckett de dois dias. Não sei o que vai acontecer daqui para frente, mas espero que finalmente comecem a conduzir essa história para sua resolução. Por favor, não deixem isso se arrastar. Até a season finale eu aguento, mas não mais. Bom, como (quase) sempre, temos um final feliz. Caskett se reune e Castle tem seu trabalho de volta na delegacia de uma forma um tanto inusitada e meio estranha, talvez até forçada, mas quem se importa! Castle está de volta! Vemos assim nossa querida família da delegacia reunida novamente.


O melhor
Kate se salvando.
Lanie e sua linda dedução sobre a volta da Dra. Nieman.
Kevin, Esposito e Castle e seu plano.
Rick mencionando seu desaparecimento.
Uso dos flashbacks sobre o caso e a perspectiva no plano de Castle.
Alexis beijando a Kate assim que sai para estudar. Detalhe, mas significa muito.

O pior
A história da cirurgia perfeita com rostos idênticos, mas perdoável.

Nota 9,4

Mariana Oliveira Sou estudante de Publicidade, toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Comecei a me envolver com os personagens de tal forma que só o tumblr faria haha. 

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Review: Arrow 3x13 - "Canaries"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Canaries", exibido no dia 11/02/15.

arrow 3x13

Review demorou muito para sair essa semana por motivos de viagem, mas antes tarde do que nunca. Principalmente considerando quantas revelações e mudanças aconteceram nesse episódio acho que eu não poderia deixá-lo passar em branco.

Esse foi um episódio bastante voltado na Laurel, o que normalmente eu não teria gostado, mas até foi bom. Laurel está trabalhando como advogada mesmo quando se depara com a última versão do Vertigo, que nós já tínhamos visto no início dessa temporada, aquela que dá alucinações sobre seu maior medo. Oliver voltou e está super desacostumado a não ser o manda-chuva da parada, ele manda a Laurel parar com essa coisa de vigilante, mas é óbvio que ela não obedece, quem é você na fila do pão, Oliver? Ele resolve fazer uma análise dos motivos da Laurel para agir assim, só que ele não tem tato nenhum e fala na cara dura o que acha, insultando a Laurel, que não estava em um ambiente apropriado para pensar sobre esse assunto.

Ele diz que a Laurel está fazendo isso porque é viciada, e está usando adrenalina como substituto das drogas para poder lidar com luta. Não estou dizendo que ele não está certo, mas acho que Oliver não tem nada a ver com isso e a forma como falou foi bem inapropriada. Também ignoraria ele se fosse a Laurel. Só que mesmo ignorando, ela não pode tirar isso da mente dela, então quando vai agir sozinha e é atingida pelo Vertigo, sua alucinação é a Sara, repetindo as palavras do Oliver, só que de maneira mais agressiva ainda. Amo a Sara e adorava as interações entre ela e Laurel, então fiquei um pouco chateada de ela finalmente aparecer de novo e ser uma briga entre as duas irmãs.

Dito isso, achei que o episódio finalmente tocou em pontos importantes sobre a trajetória da Laurel como Black Canary, sobre como ela estava literalmente roubando a identidade da irmã até o momento. Sara falou tudo o que eu tinha dito anteriormente. Laurel conversa com a Felicity, e eu percebi que os escritores estão tentando torná-las amigas, está bem forçado por enquanto e fico me perguntando de onde surgiu essa amizade, mas não vou reclamar, porque é melhor do que deixá-las sem amizades femininas. O importante é que dessa conversa e de uma outra luta contra Vertigo, Laurel consegue vencer seu medo e resolve parar de tentar ser a Sara, espero que a partir desse ponto ela se desenvolva melhor como BC, separando-se mais da identidade da Sara.

Agora, vamos para minha parte realmente preferida do episódio: depois de todas essas revelações, Laurel toma a brilhante decisão de finalmente contar a verdade para o pai. Estão ouvindo um coro de "aleluia" ou sou só eu? Lance descobriu sozinho que a Laurel era a nova Canary, mas ela precisa contar para ele sobre a morte da Sara. Foi triste, mas estou bem feliz que ele finalmente sabe. 

arrow canaries thea

Chega de mentiras! Arrow resolveu fazer um dois em um, acabando com todas mentiras e segredos da série juntas (tirando sobre a Thea matar a Sara, que ela continua não sabendo). Graças a Deus, porque ninguém mais aguentava. E o último segredo a ser revelado (que não foi uma surpresa, porque eu tinha visto em uma promo) foi o Oliver contar para a Thea sobre ser o Arrow. Amém. Só alguns anos atrasados. Todo mundo, incluindo eu e Oliver, tinha antecipado que ela ficaria irritada e chateada por terem mentido para ela por todo esse tempo, afinal ela tinha agido assim em relação a todos os segredos até agora, mas plot twist, Thea não fica nem um pouco chateada. Só fica feliz que o Oliver era o Arrow, dizendo como admirava ele, que era justo mentir porque ele estava salvando pessoas. Achei surpreendente, eles de fato conseguiram fugir bastante do esperado,  mas uma parte de mim acha que eles exageraram um pouco, o motivo de todo mundo achar que ela agiria assim é porque fazia sentido para a personalidade dela. Do jeito que aconteceu, me pareceu um pouco out of character, penso que ela poderia ter ficado pelo menos um pouquinho chateada? Ter feito um comentário sobre como podiam ter contado para ela antes? Sei lá.

De quem ela fica com raiva é do Malcolm, que tinha a manipulado para achar que só ele poderia protegê-la. Meu sonho para o final dessa temporada ainda é a Thea matar o Malcolm, tenho esperanças, principalmente quando ela descobrir sobre a Sara, se ela já ficou chateada com essa manipulação de leve, quero nem ver quando descobrir qual a extensão dela. Ela resolve que não vai aceitar ajuda com Malcolm nada, como Oliver disse que eles deveriam fazer. O que para mim estava ótimo, já que ainda acho uma ideia péssima, mas ela resolve que pode se proteger sozinha e acaba capturada por aquele DJ, seja lá o nome dele. Já sabíamos que ele trabalhava para o Ra's al Ghul, mas pensei que fosse demorar um pouco mais de tempo para revelarem isso. Mas nope, Thea é expulsa do Foundry (pelo Oliver, quem mais), e resolve levar o carinha para casa para esquecer dos problemas. Só que nada é fácil na vida dessa menina, então ele tenta envenená-la quando estão sozinhos. Ela tenta se defender sozinha, e depois Roy (que estava atrás da porta escutando? Super creepy) também entra aos resgate, mas para meu desgosto, quem salva o dia é Malcolm. Thea então percebe que não é párea para o pessoal da Liga e, mesmo relutante, acaba concordando em aceitar ajuda do Malcolm. Ugh, bad idea. Não volte a confiar nele Thea! 

No fim, seguindo os conselhos infalíveis de Malcolm, ela e Oliver partem juntos para Lian Yu. Por quê? Drama, provavelmente. O Oliver enfrentar seus medos até faz sentido, mas a Thea ir para lá não faz muito não, mas vamos lá.

arrow oliver roy

Isso foi basicamente o que aconteceu no episódio, que surpreendentemente foi bem mais voltado para a Laurel e Thea do que Oliver, como eu acreditei que fosse ser quando ele voltasse. Oliver ficou basicamente com sua cara de "what???" o episódio inteiro, muito confuso sobre por que ninguém estava o idolatrando e o obedecendo como sempre. Como assim as pessoas têm opiniões próprias e nem sempre concordam comigo?? Eu sei, muito chocante, Oliver. 

Primeiro a Laurel, e depois Roy o desafia quando ele manda a Thea ir embora. Oliver dá um piti sobre ser desafiado assim, e Felicity grita com ele, dizendo a verdade: para todo mundo, ele tinha morrido, e o grupo precisou se reorganizar, pessoas assumiram suas próprias responsabilidades, ele não pode voltar agora e esperar tudo estar igual. Oliver continua se sentindo meio insultado, mas então Diggle vai conversar com ele, explicando com calma o que aconteceu, até que Oliver finalmente se convence. Minha parte preferida de storylines de volta dos mortos é ver a pessoa que voltou tendo que se acostumar com as mudanças que aconteceram e quanto ele estava fora, então eu estava bastante ansiosa para ver como isso ia ser desenvolvido em Arrow. Foi bom, Oliver agiu exatamente como eu esperava, mas na minha mente a Felicity ia ter um pouco mais de voz nisso, não que a fala dela não tenha sido ótima, mas, sendo ela minha personagem preferida, eu esperava um pouco mais. Bom, não podemos ter tudo na vida. No fim, Oliver acaba aceitando que ele perdeu sua liderança ali e vai embora de novo. Assim mesmo que não vai conseguir a liderança de volta. Eu queria que ele percebesse que ia acabar perdendo as coisas se continuasse indo embora, mas não foi dessa vez, espero que algo desse tipo aconteça quando ele voltar de Lian Yu. 

O Melhor:
+ Laurel contando a verdade para o pai!!!!
+ Oliver contando a verdade para a Thea
+ Todos confrontando o Oliver
+ Thea não confiando no Malcolm
+ Laurel confrontada pelos motivos de se tornar vigilante

O Pior:
- Podiam ter aproveitado e contado para a Thea sobre a Sara
- Um dia a Thea não confia no Malcolm, no outro está o perdoando por tudo, Agora não confia de novo. Consistência, cadê?


Nota: 8,0


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.

 
UA-48753576-1