Image Slider

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Review: Supergirl 2x14 - "Homecoming"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Homecoming", exibido no dia 27/02/17.

jeremiah danvers 2x14
 
Jeremiah Danvers, o pai da Alex e da Kara, voltou à série após muito episódios sem nem ao menos ser mencionado. Para quem não se lembra, descobriram há um tempo atrás que ele estava vivo e sobre a custódia do CADMUS, se o jeito que ele simplesmente ajudou Kara e Mon-El na última vez já tinha levantado algumas suspeitas, agora a situação fica ainda mais estranho. Não que a maioria dos personagens tenha percebido isso.

Lillian Luthor foi solta, o que significa que o CADMUS está de volta à ativa, e o DEO logo recebe um alerta sobre como eles estavam mudando alguma coisa de lugar, encurtando a história, Kara e J’onn interceptam um caminhão e, surpresa, Jeremiah está lá dentro sendo mantido como refém. Tudo bem que eu já tinha recebido spoilers do episódio antes de assistir, mas o jeito que a cena foi feito estava bem claro que Jeremiah tinha sido resgatado de propósito. Infelizmente, quando se trata de família, quase todo mundo é meio cego, então os personagens acham que está tudo normal, porque afinal Jeremiah é alguém confiável.

O único que desconfia dele é Mon-El, eu entendo porque os personagens não o levaram a sério, eu normalmente também apenas reviro os olhos a tudo o que Mon-El diz e ele não tinha nenhuma evidência. Aprenda, Mon-El, espione e adquira provas antes de acusar o pai da sua namorada de qualquer coisa, regras básicas. Depois de ser expulso do jantar de família, ele até faz isso, pedindo ajuda a Winn, o único personagem que aceita entreter essa ideia. Os dois até pegam Jeremiah roubando arquivos, mas ele logo aparece com uma explicação, dizendo que queria apenas ler sobre suas filhas.

Kara até fica desconfiada depois disso, mas Alex fica extremamente insultada, chegando até a brigar com a irmã, dizendo que ela não está agindo como uma filha. Fica um pouco chateada de ver as duas brigarem, já que o relacionamento delas é a melhor coisa da série, mas é realista. Alex acabou de recuperar o pai e não pode imaginar que ele fosse fazer algo assim, e por mais que a Kara também seja filha dele, ela já descobriu coisas horrorosas que os pais dela tinham feito, então talvez aceitar que mais uma figura paterna esteja fazendo algo ruim não seja tão difícil para ela.

supergirl 2x14

A verdade demora um tempo até ser revelada, pois todos estavam preocupados procurando uma bomba ou algo assim que o CADMUS estaria supostamente construindo e só o Jeremiah sabia sobre. É só quando Kara e Alex estão longe, seguindo uma pista sobre onde essa bomba estaria, que elas descobrem que foi uma armação, não tinha nada no lugar e Jeremiah aproveita a ausência das filhas para fugir. Ele até luta contra o J’onn, o que revela que ele não é mais um humano normal, tendo agora um braço de metal ou algo tecnológico.

Todos ficam chocados com a tração, especialmente Alex, que tinha brigado com todo mundo para defender o pai e agora foi provado que eles estavam certos. Ela estava tão feliz de ter toda a família reunida, com o pai até conhecendo a Maggie e aprovando o namoro. Com a ajuda de Winn, que instalou um rastreador no Jeremiah, Alex e Kara vão atrás do pai, tentando impedi-lo de fugir.

Ao chegar lá, encontram o pai com Lillian, que distrai Kara ao explodir o trilho de um trem. Kara precisa escolher entre pará-los ou salvar as pessoas no trem, e é claro que ela vai salvar os outros. Só preciso comentar que a cena em que Kara resolve reconstruir os trilhos antes do trem passar por lá foi muito mal cronometrada, para dar tempo da Kara fazer tudo aquilo, o trem teria que estar passando na velocidade de um VLT, e não estava pois quando ele passou estava bem rápido. Completamente irrelevante, mas me incomodou.

Enquanto isso, Alex fica sozinha contra todos e os persegue, mas a única pessoa que ela consegue ficar perto o suficiente para atirar é o próprio pai. Jeremiah diz que está fazendo isso por ela, o que Alex não acredita, mas eu até acho que ele deve ter feito algum acordo sobre a Alex ficar protegida, eu só achei bem absurdo porque ele literalmente está colocando a Kara em perigo com tudo isso. Muito favoritismo. Alex até tem a oportunidade de atirar nele, mas acaba deixando-o ir no final. Não a culpo, porque era o pai e ela estava abalada, mas se ela tivesse pensado mais rápido, teria atirado na perna dele, um ferimento grave o suficiente para ele não poder fugir, mas não letal.

No final, eles descobrem o motivo de toda essa farsa, Jeremiah queria acessar os arquivos do DEO para conseguir acesso ao registro de aliens, então agora o CADMUS sabe de todos alienígenas registrados nos Estados Unidos. Isso me lembrou muito a guerra civil da Marvel, isso era exatamente o que o pessoal anti-registro tinha medo de acontecer... Tudo bem que estamos falando de outro universo e outra situação, mas é bem parecido. É por isso que registros são perigosos.

supergirl homecoming

Reza a lenda que no passado costumava existir um personagem chamado James Olsen e ele era o personagem masculino principal de Supergirl. Desde que a série mudou para a CW, entretanto, por motivos muito obscuros e desconhecidos um novo personagem surgiu e parece ocupar 50% da série agora, Mon-El. Veja-me revirar os olhos.

Nada contra o Mon-El, honestamente, por mim ele podia ficar na série, servir como alívio cômico, como o Winn faz de vez em quando, mas o que eu não aguento é a quantidade de atenção que ele tem. Ele agora ficou com a Kara e parece ter ainda mais cenas, em que ele prova ser... Uma pessoa bem babaca. Meu deus, parem de forçar tanto esse relacionamento!!

Eu estou escrevendo essa review hoje só para cobrir pela Mariana, que está viajando, e teoricamente era para eu não reclamar tanto do Mon-El quanto eu quero, mas não consigo. Ele literalmente está com a Kara, o ser mais adorável do universo, e ele não consegue ouvi-la por nem dez minutos. Depois de ser esnobe, chato e egoísta por metade da temporada e ainda assim conseguir ficar com a Kara, agora ele continua sendo completamente egocêntrico e não ouvindo nem um pouco o que ela diz.

Sim, o Mon-El estava certo sobre Jeremiah, parabéns, ele continua sendo um péssimo namorado. Sim, ele pode melhorar, mas só o fato de ele continuar mentindo sobre quem ele é e precisar de ir até o Winn (!!) para receber um conselho de “simplesmente pergunte para a Kara o que ela quer e ouça”, o que, uau, incrível, ela meio que tinha te falado exatamente a mesma coisa. E para piorar isso, sou obrigada a ver com meus próprios olhos várias cenas de Kara e Mon-El se beijando, enquanto as cenas entre Alex e Maggie duram uns cinco segundos cada e o máximo que vemos é um selinho. Aham, tudo isso é apenas coincidência.

O Melhor:
+ Cena feliz em família antes de tudo dar errado
+ Maggie confortando a Alex no final!!
+ Alex reagindo de forma realista durante o episódio

O Pior:
- Ninguém além do Mon-El vendo o comportamento suspeito do Jeremiah
- Jeremiah super babaca, nem se importa com a Kara! Fiquei ofendida!
- Mon-El continua me irritando


Nota: 7,5


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.



sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Review: Arrow 5x14 - "The Sin-Eater"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "The Sin-Eater", exibido no dia 22/02/17.

arrow the sin eater

Liza Warner, Carrie Cutter (Cupid) e Chien Na Wei (China White) escaparam da prisão e agora estão prontas para aterrorizar a cidade novamente. As três vilãs se conheceram na cadeia, ficaram amigas e fizeram um plano para fugir, o que normalmente seria uma história muito maneira, porque eu particularmente gosto muito de vilãs femininas. Infelizmente, elas nem têm tanto foco no episódio quanto mereciam, provavelmente porque o Oliver mesmo mal dá atenção para ela, estando preocupado com outras coisas.

Quem mais é afetado por essa história toda é o Quentin, que sente que é responsável pelo o que a Liza fez. Vou falar a verdade, eu nem lembrava direito quem a Liza era, tive que pesquisar no google para descobrir que ela fazia parte daqueles policiais corruptos. De qualquer forma, ela ganha o foco desse episódio, falando diretamente com o Lance que ele tinha feito a mesma coisa que ela quando trabalhou para o Darhk na temporada passada, ela só está fazendo o que precisa para sobreviver. Bom, não vou dizer que o Lance estava certo na temporada passada, mas essa é uma comparação bem errada.

A Thea acaba o ajudando dizendo que ele estava pegando os pecados dos outros para ele mesmo e que não tinha nada a ver com o que a Liza estava fazendo, mas que ele deveria pará-la de qualquer forma. Só queria saber o que o QUENTIN está fazendo parando criminosos? Da última vez que eu chequei ele não era mais policial e isso não é trabalho da prefeitura. Se Lance quer participar de atividades vigilantes, ele deveria usar uma máscara também, só acho.

E por falar em máscara finalmente Dinah ganha uma, dada diretamente pela Felicity, o que só é relevante porque até o momento não tínhamos visto as duas interagindo nenhuma vez. Por favor, quero que elas fiquem amigas, amizades femininas estão em falta na série. Ela se sente um pouco desconfortável por estar ocupando o lugar da Laurel, mas Quentin conversa com ela e dá seu selo de aprovação, dizendo que ela não está substituindo a Laurel, mas sim continuando seu legado. Achei fofo da parte dele, porque imagino que seja muito estranho para ele que o Team Arrow tenha arranjado uma nova Black Canary que ainda por cima se chama Dinah.

Além de Quentin e Dinah, quem cuida mesmo das três fugitivas são Curtis e Rene que parecem cada vez estar mais amigos. No início dessa temporada, eu nunca imaginei que a amizade que fosse surgir dos novos integrantes fosse essa, mas quero dizer que estou muito satisfeita, a personalidade dos dois é muito diferente e serva para aliviar um pouco toda a tensão da série com um pouco de humor.

arrow 5x14


Enquanto tudo isso acontece, Oliver tem outros problemas para lidar e, se os spoilers que eu vi são confiáveis, parece que cada vez mais dessa temporada vamos ver o Oliver agindo mais como prefeito do que como Green Arrow. Para começar, mais uma vez a polícia está atrás do arqueiro, já que recebeu uma dica anônima sobre a morte do Billy, que era um deles, e agora acredita que o Green Arrow seja responsável por sua morte. Por um lado, é verdade que o Oliver matou o Billy, mas eu acho que nessa situação, ele até talvez fosse inocentado – sei lá, não é como se eu conhecesse muito bem as leis americanas – mas para isso precisaria de um julgamento, coisa que o Oliver não pode fazer.

Oliver acaba fugindo e precisa se esconder mais um pouco, para não atrair a polícia, e acaba tentando resolver essa situação como prefeito. Ele vai até a polícia e explica que o Green Arrow não foi o culpado pela morte do Billy, o que ele sabe porque está em contato com o vigilante, e nessa história toda o Oliver acaba revelando que ele encobriu provas sobre a morte do Billy, o que foi estupidez do Oliver revelar, convenhamos. Essa notícia acaba se espalhando pela mídia e já ouvimos as panelas batendo ao som de impeachment. Primeiro a gente tira a Dilma e depois a gente tira... o Oliver? Só espero que não seja o Temer o novo prefeito de Star City!

Brincadeiras à parte, esse é um escândalo político bem grande e o Oliver não tem como resolver as duas situações ao mesmo tempo, ou ele para de tentar ajudar seu alter-ego na política ou ele vai acabar sendo demitido e ficando desempregado de novo. Tenho quase certeza que ele vai privilegiar seu emprego, o que faz sentido já que existem outros vigilantes que podem assumir seu trabalho. O grande problema é que Prometheus que continua armando tudo isso – e apesar de termos encontrado sua mãe, ainda estamos longe de achá-lo – e ele não vai descansar até ter a vida do Oliver arruinada.

Do jeito que eu vejo, tudo isso está caminhando para um lugar: o Oliver indo a público com a sua identidade. Tenho quase certeza que isso aconteceu nos quadrinhos e parece ser o único caminho possível para o Oliver, muitas pessoas já sabem sobre sua identidade e ele não tem como justificar suas ações se não for honesto com o mundo. O problema é que ele cometeu muitos crimes e não sei como ele vai fugir de ser preso, mas com certeza Arrow vai inventar uma justificativa.

thealicity 5x14


Agora vamos para a melhor parte do episódio: Susan Williams. Não, você não leu errado, eu realmente disse que foi a melhor. Não por causa dela, é claro, mas sim por causa de minhas queridas Thea e Felicity. Susan resolve ser honesta e perguntar diretamente para o Oliver sobre ele ser o Green Arrow, graças a deus ele ainda possui algum nível de bom senso e mente para ela, dizendo que é claro que não, como ousa pensar algo assim dele, nunca, jamais. Ele acaba revelando para Thea dessa suspeita da Susan, e como Thea de boba não tem nada, ela vai diretamente até a Felicity, para descobrir o que exatamente a Susan sabe.

Não só me sinto abençoada por ver Thea e Felicity interagindo de novo – com direito até a um abraço -, mas amei ver as duas trabalhando juntas para defender o Oliver. Elas descobrem que a Susan anda ligando os pontinhos e já tem várias informações sobre o Oliver e o único jeito de fazê-la parar é a descredibilizar. A pedido de Thea, Felicity coloca provas no computador da Susan que ela estava plagiando suas matérias, e Thea leva até o chefe de Susan, o que acaba fazendo-a ser demitida.

A série, por algum motivo desconhecido por mim, tentou fazer com que a gente se simpatizasse com a Susan, agindo como se quem estivesse errado nessa situação fosse a Thea, mas oi?? Não dou a mínima para a Susan, por mim Thea fez foi pouco! Susan pode não ter plagiado nada, mas ela é uma jornalista completamente antiética, fez várias coisas erradas e merecia ser demitida do mesmo jeito. Não tenho pena, não.

Oliver fica muito irritado quando descobre, dizendo que a Susan nunca faria isso com ele (gotinha da inocência para você, Oliver!), e ainda tem a cara de pau de dizer para a Thea “Quem faz isso com os outros?!”, como se ele não tivesse literalmente matado outras pessoas por menos do que isso. Ele diz que a Thea está agindo como a Moira, e que isso não é elogio. Eu adorava a Moira, mas sei que ela tinha seus defeitos, mas se ela tivesse efeito isso, eu não teria reclamado. Tem um longo caminho entre denunciar a Susan e ser cumplice com genocídio.

Não só eu não simpatizei mais com a Susan, essa história toda me fez simpatizar menos com o Oliver. E não posso nem ficar feliz com a ideia da Susan ir embora, porque ela vai continuar na série mesmo assim, e se o Oliver voltar com ela, vou arrancar meus cabelos. Nunca vi tanta burrice.

O Melhor:
+ Thea e Felicity trabalhando juntas!
+ Thea destruindo a carreira da Susan
+ Oliver mentindo para a Susan
+ Felicity entregando a máscara para a Susan
+ Reviravoltas interessantes sobre a parte política da série

O Pior:
- Oliver ficando do lado da Susan???? Não acreditando que ela pretendia o expor
- Série tentando me convencer que a Thea estava errada. Meus queridos, vocês nem sabem o que eu faria se estivesse lá faria os personagens todos sentarem e conversar porque é o que eu faço
- Achei que o trio de vilãs tinha mais potencial do que foi usado

Nota: 9,0

(Fiquei muito feliz com Thea e Felicity, ok)


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Review: Agents of SHIELD 4x15 - "Self Control"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Self Control", exibido no dia 21/02/2017!

agents of shield 4.15

Segurem nas cadeiras, porque esse episódio foi um dos melhores da série. Se toda essa questão de identidade e realidade surgiu quando introduziram os LMDs na série, o 4x15 trabalhou isso ao extremo. Começando pelo seguinte: como saber se somos de verdade ou não? Como saber quem foi trocado?

Tínhamos pelo menos uma certeza: Fitzsimmons estavam livres de qualquer suspeita, certo? Errado. E aprendemos isso da forma mais dolorosa possível. (Já aprendemos que os escritores gostam de ver é a gente sofrer, né?). Todos estão agindo de forma bem estranha, como já era previsto. Coulson, Mack e Mace se aproximam com um plano: juntar todos os inumanos na base para protegê-los. 

Claro que Simmons e Fitz tentam ficar o mais longe possível de todos e se manter unidos, e é aí que acontece: um deles é detectado como LMD. A reviravolta causa uma total mudança na atmosfera. Os dois parecem não saber de nada e se questionam se seriam humanos, afinal May também não sabia da sua realidade. Ainda assim, Coulson e o resto são bem conscientes, o que já causa a dúvida de um dos dois estar mentindo. 

A conversa toda gira em torno da culpa de Fitz em ter ajudado Radcliffe. Jemma tenta descobrir  a verdade fazendo Fitz cortar seu pulso, e, apesar de ele sangrar, ela logo é atacada. Jesus, esse episódio não poderia ser menos emocional. Ele tenta enganá-la e usar todos os recursos possíveis para ela sentir pena de Fitz, mas, no final, Jemma é forte o bastante para matá-lo. 

Não quero nem imaginar o tipo de distúrbio que isso causou a ela. A dor por ter matado Fitz, a dúvida. O que vemos, na atuação maravilhosa de Elizabeth Henstridge, é que ela está destruída. Sendo ou não Fitz, matá-lo não foi fácil. Além disso, ela sente que está sozinha. Não tem ninguém. 

A notícia boa é que, sim, ela tem uma aliada ali. Alguém que ainda não foi transformada, elas só precisam se encontrar. A maior duvida minha nisso tudo foi como detectaram Daisy como sendo uma LMD quando não era. Será que Fitz hackeou o sistema? Faria sentido se tirar da detecção, mas se tivesse feito isso, por que não desabilitou tudo? Sinto que foi um furinho de roteiro. 

Enquanto isso, Daisy não demora para descobrir os infiltrados. Ao fazer uma geral nas acomodações dos inumanos, ela encontra vários androids com a sua cara. Assim, quando Mack aparece para levá-la para o avião, Daisy já sabe de tudo e consegue fugir. Não só isso como, hackeando no sistema de segurança, logo descobre o que aconteceu com Fitz e que Coulson e Mace também são androids. 

agents of shield 4.15

A coisa toda parece um apocalipse. Felizmente Jemma e Daisy finalmente se encontram, o problema é que não sabem como confiar uma na outra. Simmons está arrasada, Daisy está perturbada. Em um impulso de confiança, as duas acabam descobrindo que são elas mesmas quando se abraçam, e permanecem assim. 

O plano é duro, difícil de ser executado, principalmente quando Coulson e Mace fizeram todos na sede acreditarem que Daisy e Simmons eram os LMDs. Ainda assim, elas sabem que seus amigos estão algum lugar, presos na Framework, e precisam ir salvá-los. Por isso, elas jogam um gás que faz os humanos desmaiarem. 

Sua luta com Mace criou uma boa cena. Usando seus poderes somente o necessário, Daisy tenta lutar o máximo para abrir caminho até o avião para fugirem. Coulson e Mack aparecem e, mais uma vez, os poderes de Daisy nos surpreendem com outra grande cena. Jemma, por sua vez, acorda três agentes para ajudá-las a decolar o avião. 

Todos preparados, falta só nossa dupla passar por um último desafio: "May". Quem diria que uma das heroínas do dia seria nossa conhecida May-robô. Ela é mais humana que os outros LMDs, eu diria. Por mais que tivesse sua programação, ela não sabia ser um android, tinha sentimentos e sensações. Era menos objetiva, mas também era um pouco mais Melinda - o que veio a calhar. Ela sabe que o Coulson que vê não é de verdade, não precisa protegê-lo, não é real. Por isso, ela faz o que acha certo e ajuda Daisy e Jemma as deixando passar. (E ainda ganhamos uma explosão dos LMDs de bônus). 

E agora? Bom, as duas sabem uma forma de hackear a Framework criada por Aida (não me pergunte como) e decidem que deveriam destruir o sistema por dentro. Entrar nesse mundo virtual, assumir suas identidades e convencer seus amigos a se libertarem. Agora vamos ter que esperar até abril, segura o coração. 

agents of shield 4.15

Por fim, para não deixar passar, Aida tem um certo desenvolvimento no episódio. Com o plano correndo como queriam, ela decide transformar Ivanov em um android diferente. Ele tem um corpo novo, mas o controla com sua mente. Entendo que Aida precise de Ivanov quase como guarda-costas, mas achei que ela seria vingativa a ponto de deixá-lo morrer. No entanto, o plano é mais a longo prazo e ela consegue sua vingança transformando-o.

Por algum motivo, ela vê nele uma oportunidade de criar para si emoções reais, que realmente sinta o que faz humanos serem humanos. O que nos leva ao segundo problema de Aida: Radcliffe. Admito que parece meio contraditório. Ao mesmo tempo que ela vê Radcliffe como ameaça por causa da chance de suas emoções interferirem a ponto de tomar o poder, ainda assim ela quer ter emoções. 


O melhor
Simmons e Daisy se descobrindo. Quero abraçar a Jemma até nunca mais.
E elas ainda tem ajuda da Yoyo e mais três agentes! <3
Daisy shippa muito Fitzsimmons.
Aida finalmente selou seu papel como android do mal.

O pior
-  Fitzsimmons lutando, Daisy achando que veria o Lincoln de novo. Parem de me fazer sofrer!!
Alguém me explica o erro no detector de LMDs que contou a Daisy como sendo um?
- Não entendi muito bem como elas conseguiram acessar o Framework, mas vou deixar passar.

Nota 9,8

Mariana Oliveira Sou Publicitária, Beatlemaniaca e Coldplayer. Toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Estou sempre à procura de mais uma série, afinal nunca é demais.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Review: The Flash 3x13 - "Attack on Gorilla City"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Attack on Gorilla City", exibido no dia 21/02/17.

the flash 3x13

O momento menos esperado por mi chegou, Flash resolveu visitar a cidade dos gorilas. Eu já não gostava quando era só o Grod, mas assim que eles o dispensaram para uma cidade cheia de gorilas gigantes e telepáticos eu sabia, SABIA, que eventualmente a série ia resolver trazer esse assunto novamente, eu só esperava ter morrido antes disso acontecer.

Episódio passado a Jesse veio diretamente de outro universo para alegrar o nosso, o que me deixa muito feliz porque amo a Jesse, mas ela veio com más notícias, Harry está desaparecido na cidade dos gorilas. É claro que o Team Flash iria salvá-lo de qualquer forma, mas isso é ainda mais oportuno porque eles acreditam que esteja ligado com um evento futuro sobre gorilas em Central City, o que os deixa ainda mais interessados em impedir isso de acontecer, já que eles querem mudar o futuro.

Barry, Cisco, Caitlin e Julian resolvem fazer uma viagem até a Terra 2 para resgatar o amigo, enquanto os outros ficam na Terra-1, cuidando de tudo. Tudo certo, era só chegar lá, pegar o Harry de volta e se mandar, né? Não. Nada é tão simples, porque Harry era só uma isca para que os outros fossem lá buscá-lo, como eles logo descobrem quando são sequestrados e colocados em uma jaula que bloqueia seus poderes.

Grod logo aparece revelando suas intenções, quer que o Barry lute com o rei dos macacos ou seja lá quem for, um líder desse lugar, para que fosse morto e Grod – que aparentemente é o segundo na linha de comanda – se tornaria o novo líder. Em troca disso, Grod não iria atacar Central City e os deixaria ir em paz.

Tudo muito certo, tirando que não deveriam confiar no Grod. Ele nunca deu nenhuma indicação de ser confiável, por que acreditar nele agora? Mas Barry é Barry, e também não vê outra opção, então acaba indo nessa mesmo, chamando o Líder Gorila para um duelo no maior estilo Roma antiga. Porque aparentemente a cidade gorila tem um estilo Império Romano, melhor nem questionar muito.

flash attack on gorilla city

A
 cena da luta é possivelmente um dos piores efeitos especiais que eu já vi em Flash. Não que normalmente os efeitos sejam maravilhosos, mas eu não sou uma pessoa exigente, mal reparo coisas assim, relevo tudo, mas se EU, que não estou prestando tanta atenção assim, consigo notar que o fundo é obviamente falso, significa que estava muito óbvio mesmo. Por favor, melhorem.

Barry luta com o gorila, mas ao invés de matá-lo, ele apenas derrota e faz um discurso bem bobinho de como “vieram em paz”. Só que não adianta nada, porque era bem o que Grod queria, o líder é deposto depois de ser humilhado e Grod é o novo líder, revelando que na verdade o plano dele sempre foi atacar Central City. Agora porque ele nãos e contentou em atacar Central City da Terra-2 eu não sei, bem contra-produtivo levar um exército de gorilas para outro universo, mas quem sou eu para questionar.

A vantagem de eles quererem ir para a Terra-2 é que eles precisam de alguém para levá-los, nesse caso o Cisco. A ideia de Cisco para resolver esse problema é a Caitlin matá-lo com seus poderes, o que é uma ideia horrível, então ninguém escuta, mas eu pessoalmente achei bem preocupante. Vamos conversar sobre isso, Cisco. Barry tem uma ideia mais sensata e resolve fingir sua própria morte, com a Caitlin – que até agora não entendi como conseguiu manter seus poderes – o congelando, e depois ele se reviveu com sua velocidade. A ciência por trás disso não fez absolutamente nenhum sentido, mas o que nessa série faz, não é mesmo.

O que importa é que dá certo, depois que Barry é jogado ali no lado quando acham que ele está morto, ele recupera seus poderes e salva todo mundo. Cisco consegue abrir um portal e todos eles – incluindo o Harry – pulam de volta para Terra-1, yay. Muito bom, crise impedida.

O único problema é que Cisco não é o único com esse poder, como nós sabemos, e de alguma forma Grod agora capturou a Gypsy, então na verdade eles não mudaram o futuro nada.

jesse quick wally west


Enquanto isso, na melhor parte do episódio, nós temos Jesse e Wally, os melhores personagens que você respeita! Jesse está, com razão, preocupada com o pai dela, já que ele está sumido, mas além disso desde que descobre que Wally também é um speedster agora, Jesse começa a agir de maneira estranha.

Wally percebe que a garota está agindo de forma um pouco fria e, apesar de ela desviar da pergunta algumas vezes, Jesse acaba falando sobre como Wally parece muito completo e feliz agora que ele tem poderes e ela sente que ele só gostava dela por causa dos poderes, o que a deixou um pouco insegura sobre esse relacionamento. Gostei bastante que ela acabou sendo honesta com ele, e Wall a assegurou que esse não é o caso, ele ainda está interessado nela e estaria bem mais completo com ela ao seu lado.

O resultado dessa história é que Wally pede para Jesse vir para a Terra dele e Jesse acaba aceitando. Eu não poderia ficar mais feliz! Mentira, ficaria mais feliz se o Harry viesse junto, porque o HR tem seus momentos engraçados, mas preferia muito mais o Harry. O humor do HR é muito forçado e não vou aguentar isso pelo resto da série. Mas me contento só com a Jesse, que é uma fofa e merece estar em todos os episódios.

E por falar em casais, não mencionei aqui mas como qualquer pessoa poderia prever Julian/Caitlin está acontecendo. Vou esperar para ver como ele será morto ou sairá da série, como acontece inevitavelmente.

O Melhor:
+ JESSE!!!!
+ Quickwest
+ Westallen continua sendo o relacionamento sólido e saudável que todas as séries deveriam ter

O Pior:
- Gorilas... Por quê?
- Efeitos especiais
- Falta de sentido
- Julian/Caitlin, nada contra, mas parem de forçar qualquer carinha novo com ela
- Esse episódio foi ao ar no meu aniversário e foi péssimo, estou pessoalmente ofendida. 


Nota: 6,5


Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.


terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Review: Supergirl 2x13 - "Mr. & Mrs. Mxyzptlk"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Mr. & Mrs. Mxyzptlk", exibido no dia 20/02/2017!

supergirl 2x13

Demorou, mas o Valentine's Day chegou em Supergirl. Para dificultar ainda mais a vida amorosa da Kara, o episódio nos apresenta a Mxyzptlk, um ser da quinta dimensão que manipula a realidade. O final do 2x12 não foi pegadinha e o cara realmente está apaixonado por Kara, se é que podemos botar assim. Não só isso como decide fazer da vida dela um inferno para convencê-la a casar com ele. 


Mxyzptlk tenta de tudo, desde tentar matar bandidos e fingir ser o Superman salvando a cidade. Com o desenvolvimento da relação entre Kara e Mon-El tão recente, Mon-El é quem leva a situação para o lado pessoal ao extremo, o que nos permite explorar ainda mais o casal. 


Kara fica irritada com a audácia de Mxyzptlk, mas Mon-El quer protegê-la o tempo todo e sente como se não fosse bom o suficiente para ela, afinal Mxyzptlk tem poderes incríveis. Eis que nasce o problema: por mais que Kara fale para Mon-El permanecer na sua e que resolverá tudo, ele decide agir sozinho. E acaba pendurado no teto por um monte de cordas. 

Foi interessante ver os dois lidando com isso. Mon-El parecia achar que era dever dele defender Kara de Mxyzptlk, quando todos sabemos que Kara sempre consegue achar uma solução no final. Ele se tornou meio superprotetor, ao invés de confiar que Kara sairia dessa sem matar o cara.

Por mais que nem sempre ouça Kara, é compreensível que Mon-El estivesse com ciúmes e fizesse o que fez. Mon-El sempre ficou com várias mulheres, sem se preocupar com sentimentos, e não sabe como lidar muito bem com essa nova realidade. Vejam bem, fico feliz que ele tenha percebido isso e que realmente melhore a partir de agora. Acho que, com a influência da Kara, ele tem tido mais empatia pelos outros e possa ouvir mais o que ela fala. 

supergirl 2x13

Uma boa indicação de que ele começou a fazer isso foi quando Kara decidiu que iria casar com Mxyzptl, afinal de contas, e que ela e Mon-El não serviam para ficar juntos. Admito que já ia reclamar que os escritores estavam começando a ser repetitivos, já que Kara já tinha chegado a conclusão de que, por mais que fossem diferentes, Mon-El tinha suas qualidades. Felizmente, eles só usaram isso para enganar Mon-El e deixar Kara salvar o dia. 

Com Mxyzptl na Fortaleza de Solidão, Kara precisava fazer com que Mxyzptl falasse seu nome ao contrário para assim desaparecer da Terra. É, para derrotar o vilão desse episódio a solução eram palavras, só que não era nem um pouco fácil. Para isso, Kara teve que fingir que iria explodir a Fortaleza e se matar para assim fazer Mxyzptl escrever seu nome em código. Achei genial como um pequeno detalhe no começo do episódio (J'onn dizendo que em alguns planetas a palavra escrita era uma forma poderosa de falar) conseguiu resolver tudo. 

No final das contas, Mon-El e Kara conseguiram se resolver. Todo a espera e o vai-e-vem valeram a pena e eles ficaram juntos finalmente, amém. Estou animada para ver como vai ser daqui para frente. 



Os casais da noite não param por aí. Do outro lado do episódio, temos Maggie e Alex dando passos importantes no relacionamento. Com o dia de Valetim chegando, Alex logo descobre que a namorada não gosta do feriado. O enredo parecer caminhar o de sempre: uma gosta, a outra odeia. Uma tenta fazer a outra mudar de ideia criando algo único e consegue. 



supergirl 213 sanvers


Dessa vez, no entanto, as coisas não funcionam tão certinho. Seguindo a dica da Kara, Alex personaliza o dia dos namorados para o gosto de Maggie: tiramisú, whisky e bonsai. (Posso comentar o quão fofo foi a Alex listando estas particularidades da namorada?). Infelizmente, isso leva o casal a sua primeira briga. O problema de Maggie com o dia dos namorados tem a ver com a revelação de sua sexualidade aos pais. 

Se antes ela tinha dito que tudo tinha dado certo, fica claro que não foi bem assim. Ainda não temos detalhes, mas, quando era menor, Maggie se declarou para uma amiga e seus pais acabaram descobrindo por meio dos pais da garota. A experiência não foi nada boa. 

Apesar de tudo, Maggie percebe que, por mais que o feriado represente algo ruim para ela, é a primeira vez que Alex pode realmente comemorar o dia. Vestido vermelho em Alex, rosa no paletó de Maggie, balões de coração e as duas resignificam juntas o dia. Adorei como tivemos um pequeno twist na lógica de sempre desse tipo de enredo, apesar da ideia não ter mudado. 


Por fim, ainda tivemos um casal se formando. Winn conhece uma alienígena, Lyra, no bar e os dois acabam marcando um encontro. O interessante foi que, nas poucas cenas, pudemos ver como um relacionamento entre humanos e aliens é visto com certo preconceito das pessoas. A coisa toda foi bem rápida, o que achei meio jogado. No entanto, é possível que estejam criando algo a ser explorado mais para frente, então vamos esperar para ver.



O melhor
J'onn mandando mensagem para M'gann, além do mini insight para Kara.
Kara e Mon-El se resolvendo. Não consigo lidar com tamanha fofura dos dois meios desajeitados.
Alex e Maggie no final, além do começo da backstory da Maggie.
Mãe da Alex mandando cartão de Valetine's Day para filha. (Nos Estados Unidos, é comum dar cartões para a família e amigos).

O pior
Queria ter visto qual era a mensagem de J'onn.
Achei que teria mais Alex e Maggie.
Gostei do Winn e da Lyra, mas achei meio jogado. 

Nota 9,3

Mariana Oliveira Sou Publicitária, Beatlemaniaca e Coldplayer. Toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Estou sempre à procura de mais uma série, afinal nunca é demais.

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Spoiler Zone: Supergirl, The Vampire Diaries e Arrow!

A Entertainment Weekly responde e a gente ganha uns spoilers de presente. 

supergirl, vampire diaries, arrow

 
Supergirl

Fã: O que podemos saber mais sobre a Maggie, além de seu relacionamento com Alex?
EW:Vamos ter um pouquinho sobre a história de Maggie na episódio de Dia dos Namorados (Valentine's Day), mas tem mais por vir. "Em breve haverá uma história que não é tanto sobre a relação entre Maggie e Alex, mas mais sobre Maggie como policial no meio de um roubo de arte," o produtor Andrew Kreisberg conta.

The Vampire Diaries

Fã: Alguma novidade sobre o retorno de Kai em TVD?
EW: Não podemos esquecer que Damon foi quem matou Kai - então você pode imaginar que terá alguma tensão aqui. Espera, brincadeira. Segundo Chris Wood (Kai), seu personagem e Damon vão estar no mesmo time. "Eu não acho que ele realmente estava bravo com Damon pelo que ele fez. Isso é porque, de alguma maneira, ele sabe que ele mereceu," Wood disse. "E Kai é astuto o suficiente para resmungar pelos cantos e, pelo menos por enquanto, vai ganhar Damon como aliado." No então a dinâmica Damon-Kai já é conhecida - os dois dividiram uma prisão, afinal - então, dessas vez, parece que Kai vai poder interagir com outros personagens também. "Vão ter alguns encontros surpreendentes," Wood dá a dica. 

Arrow

Fã: Alguma novidade sobre a Thea?
EW: A Thea pode ter sumido por um tempo, mas Arrow vai focar nela de forma significativa no final da temporada. "Ela vai seguir uma direção similar a de sua mãe antes de ela morrer na segunda temporada," a produtora Wendy Mericle diz. "Eu estou bastante animada com a história dela, porque estamos a levando para um lugar onde ela tem lidado do mesmo jeito que o Oliver, com a sua 'sede por sangue' e com outros elementos de seu passado, e essa temporada ela vai se encontrar em um lugar parecido, mas por razões diferentes. Vai haver uma cena ótima entre o Oliver e a Thea que é uma das minhas favoritas da série." 


Fonte: Revista EW

Mariana Oliveira Sou Publicitária, Beatlemaniaca e Coldplayer. Toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Estou sempre à procura de mais uma série, afinal nunca é demais.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Review: Arrow 5x13 - "Spectre of the Gun"

Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Spectre of the Gun", exibido no dia 15/02/17.

arrow 5x13

Thea está de volta!! Esse não é nem de perto o foco do episódio, mas eu simplesmente preciso começar a review comentando isso, porque senti muita falta dela. E se você achava que teria alguma explicação para seu sumiço está inteiramente enganado, é só uma questão contratual (a Willa só aparecerá em 14 episódios nessa temporada, provavelmente porque esses produtores são mão de vaca). E ainda a temos representando todos nós quando ela fala mal da Susan, não se importando com a opinião do Oliver. Quando ele vai aprender que a Thea está sempre certa?

Mesmo que Thea não tenha chegado a tempo de impedir Oliver/Susan de acontecer, ela chega bem na hora de um tiroteio, algo que não falta em Star City, se vamos ser honestos, mas dessa vez é diferente, porque acontece bem na prefeitura. Esse acontecimento é usado como pretexto para termos um “episódio problema”, um estilo de episódio que lida com uma questão real a ser debatida, nesse caso: controle de armas.

É uma questão bem importante nos Estados Unidos, já que lá é muito mais fácil que no Brasil de conseguir uma arma, só pelo que vemos no episódio já dá para ver: as pessoas são contras até ter um registro dizendo quem ter armas. Americanos acreditam que seja um direito constitucional ter uma arma, não importa o quanto já tenha sido provado que a violência e acidentes diminuem muito quando há um controle sobre a venda de armas. Mas para que fatos, não é mesmo?

Mas isso aqui é review de Arrow, não redação do ENEM sobre meu posicionamento sobre armas, então vamos ao que interessa. Além do Team Arrow procurar o responsável pela chacina, principalmente porque acreditam que ele iria atacar novamente, Oliver também tem responsabilidades políticas, afinal o ataque ocorreu na própria prefeitura e levantou uma questão polêmica.

Eu amo o meu filho Oliver, mas meu deus, ele é um péssimo político. Imagina só os memes que não iam ter se perguntassem a opinião de um prefeito daqui sobre regulamentação de armas e ele respondesse o que o Oliver respondeu. Esse é o tipo de coisa para o qual um político precisa ter opinião. É claro que esse é muito mais um problema nacional do que municipal, mas depois de passar vergonha em frente às câmeras, Oliver resolve fazer o dever de casa – super atrasado – dele e chama uma vereadora ou sei lá para discutirem o assunto, criando algum tipo de regulamentação. Yay, segurança!

arrow spectre of the gun


Com algum jogo político que ele nem entende direito, Oliver consegue garantir uma maior segurança para a população, ao mesmo tempo que protege os direitos daqueles que querem portar armas. Só quero ver quando que essa possível vereadora (conselheira? Secretária?) aí vai vir cobrar esse favor do Oliver, ele devia saber que se meter com política nunca dá certo, aposto que sua volta será super inoportuna.  

Além disso, Oliver consegue descobrir quem foi o responsável pelo crime, com a ajuda do Team Arrow, é claro, e também descobrem onde ele está planejando atacar novamente: em um hospital. Uma das minhas escolhas preferidas do episódio foi o Oliver ir confrontá-lo como o prefeito, não como Green Arrow, conversando com o cara sobre suas motivações, falando sobre como ele faria uma regulamentação melhor e como ele entende sua raiva, mas ao mesmo tempo o convencendo a abaixar a arma e aceitar ser preso. Parece que o Oliver tem mais talento para mediação de conflitos do que a política, pelo menos nesse episódio.

A motivação do atirador era que ele perdeu duas filhas em um tiroteio, bem perto de quando votaram contra uma melhor regulamentação das armas. Achei bem fraquinho de Arrow jogar que o cara que matou as filhas dele obteve as armas ilegalmente e então não tem nada que o governo pudesse ter feito, ignora bastante todo o fator cultural envolvido no assunto, mas não esperava nada melhor de Arrow.

A verdade é que esse é um assunto bastante político e que eu discutiria por horas, mas preferia não ver debatido em Arrow, ainda tenho flashbacks com Glee tentando lidar com assuntos sérios e falhando terrivelmente. E por mais que eles tenham tentado nessa parte do episódio criar um clima de “realidade”, não podemos ignorar o universo em que esses personagens vivem, na vida real vigilantismo é errado – legal e moralmente – então parece muito irônico vê-los discutindo sobre algo sério. Tipo, quem são vocês para discutir qualquer coisa quando estão aí fazendo justiça com as próprias mãos?

Por mais que o episódio tenha lidado com o tópico de maneira até melhor do que se poderia esperar, explicando as motivações pessoais por trás das convicções políticas e chegando a um “meio termo”, achei bastante insincero uma série como essa fazer um episódio assim. Principalmente o jeito como eles tentaram balancear demais as ideias para deixá-los neutros, por exemplo Oliver, Felicity, Diggle e Thea não expressaram suas opiniões em momento algum, dizendo que é “complicado” ou que preferiam não discutir o assunto no momento. Já Lance e Dinah são policiais com opiniões diferentes sobre o assunto, mas que não discutem muito, deixando Curtis e Rene como foco para o debate, cada um em um polo oposto.

rene ramirez 5x13


De longe, a parte mais interessante do episódio foi o Rene. Ele e Curtis passam o episódio inteiro discutindo sobre o assunto, Curtis é totalmente a favor da regulamentação, citando até mesmo a violência racial, e eu parabenizo Arrow por não ter simplesmente ignorado essa questão e ter dado voz a um homem negro nessa discussão. Já Rene é contra qualquer forma de controle, dizendo que precisa das armas para se proteger e, ao longo dos flashbacks, vamos conhecendo mais sobre seu passado e descobrindo por que ele acredita isso.

Já tinham dado umas dicas que Rene tinha filhos, mas agora foi confirmado que ele tinha sido casado e tinha uma filha – entre uns dez e doze anos, eu diria. Eu passei o episódio inteiro morrendo de medo que eles fossem matar a menina, já que eles já mataram o Akio uma vez, então sabemos que eles não estão acima de matar crianças. Mas não, o que acontece é que a esposa do Rene – Laura? – está usando drogas e quando o traficante vai cobrá-la, ela não tem dinheiro para pagar, o que acaba gerando um conflito envolvendo armas.

Rene tem uma arma em casa, que fica trancada dentro de um cofre, ele até tenta chegar a tempo, mas não consegue, no momento em que ele atira no cara, ele dispara a arma, atingindo Laura e a matando. A história triste não para por aí, depois disso, a filha de Rene é levada para uma instituição de acolhimento e ele não pode mais vê-la.

Eu não entendi por que o Rene não poderia mais ver a filha, mesmo se ela estivesse institucionalizada, sei que isso não funciona assim no Brasil e tenho quase certeza que não deve nos Estados Unidos também. Mas tudo bem, a gente perdoa isso, porque agora Curtis sabe sobre o passado de Rene e prometeu ajudá-lo a conseguir a guarda da filha de volta, vamos ver.

Também achei bem estranho como o Rene fala que se ele tivesse uma arma a esposa estaria viva quando NÃO, ele literalmente tinha uma arma e o que aconteceu é que a esposa dele morreu. Pelo o contrário, se ele não tivesse uma arma em casa e tivesse resolvido de outra forma, talvez o cara não tivesse atirado. E se aquela arma estivesse do lado de fora do cofre, pode até ser que ele tivesse atirado mais rápido – e isso é especulação – mas aí pode ser também que a filha dele quando pequena fosse lá, pegasse a arma e acabasse atirando em um amiguinho. Não é como se situações desse tipo nunca tivessem acontecido.

Amo o Rene e amei saber mais sobre seu passado, mas a racionalização dele é cheia de furos e ninguém vai me convencer que ter uma arma em casa é algo seguro.

O Melhor:
+ Backstory do Rene
+ Thea de volta e falando mal da Susan, vivo pra isso!
+ Não teve Susan nesse episódio
+ Curtis com ótimas opiniões
+ Oliver salvando o dia como prefeito
Dinah ficando amiga do Diggle e se estabelecendo em Starling

O Pior:
- Temática desnecessária para o estilo da série
- Os furos na história do Rene me incomodaram
- Personagens sem opinião


Nota: 8,0

Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.


Review: Teen Wolf 6x09/10 - "Memory Found"/"Riders on the Storm"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers dos episódios  "Memory Found" e "Riders on the Storm", exibidos nos dias 25/01/2017 e 01/02/2017!

teen wolf 6x09

Depois de uma sexta temporada quase inteira sem Stiles, a conclusão da parte A teve um desfecho satisfatório. Porém, não sem os erros...

No penúltimo episódio, Lydia, Malia e Scott tentam lembrar do Stiles de um jeito nada simples: hipnose. O episódio fica todo nisso e se não fosse o contraste com as cenas de Theo e Liam tendo uma interação ao tentar escapar dos Caçadores seria maçante. Acontece que o xerife, após os momentos brilhantes no último episódio, foi rapidamente apagado pelos Ghosts Riders.

Restou a Liam e Theo tentarem atrasá-los enquanto os três protagonistas tentavam lembrar de Stiles. As tentativas só serviram para nos darem flashbacks de vários momentos da série. Deu para bater aquela nostalgia. Mas tudo ficou mais "claro" quando Lydia tenta de outra forma, já que não se cura como o alfa e a coiote. Ela lembra de momentos com Stiles e percebe que lá na terceira temporada, durante um beijo que deu nele começou a ter sentimentos. Algo surge e parece que Stiles está de volta.
teen wolf 6x09

O cliffhanger, no entretanto, nos engana, pois no 6x10, "Riders on the Storm", Stiles volta sim, mas para outro lugar, e Lydia fica sem saber até a cena de reencontro, emocionante, entre os dois. Eu não tenho uma opinião formada sobre os shippers, até gosto de Stydia, mas esse desenvolvimento demorou demais... porém entendo.

A partir dai o episódio teve, na minha opinião, uma série de furos. Como assim os mundos estavam "se fundindo"? O xerife aparece do nada? Liam consegue pegar um cavalo dos ghots e partir sem nenhum arranhão para a plataforma? E os caçadores, que só fim se vingaram do Douglas? Enfim, foram boas cenas de ação, mas achei que ficaram muitas coisas por preguiça de explicar. Então simplesmente aconteceram.

teen wolf 6x10

Apesar dessas coisas que me incomodam, foi uma boa finale. O team Pack do Scott foi com tudo e mesmo os Ghost Riders e Douglas parecendo invencíveis, tudo deu certo. Ponto para Theo que se sacrificou duas vezes para ganhar a confiança do Liam, do Peter que está aos poucos conquistando a Malia, e a própria Malia, que deu um show e "salvou" o dia. Eles não deixaram o trem de Beacon Hills descarrilhar, literalmente.

Agora em relação as cenas finais, não há do que se reclamar. Poderia ter sido o final da série, eles se formando e indo para a faculdade. Stiles e Scott indo para uma última missão quase fez uma lágrima descer. Parecia o fim. Mas não é, ainda temos 10 episódios antes do adeus. A série volta em Junho parece. Vamos aguardar!

Foi muito bom dividir minhas impressões no blog, mais uma vez.

Besos!

PS: Melissa e Argent, rolou. Shippo sim! E ele sendo herói amo forte.

teen wolf 6x10

PS2: A cidade ficou nas mãos de Liam e pack dos jovens. Por isso Scott volta. Brincadeira, eles até que ajudaram como sempre com a sagacidade do Mason e o menino Corey sobreviveu. Viva as 9 ervas!

PS3: Quero um boy pra Malia agora. Tem gente nova vindo ai que eu sei.

PS4: Theo, ah, Theo... sempre difícil te odiar.


Coisas da Juuh/ Autora: Juliana Rovere A resenha está em um modelo diferente do qual usamos porque foi posteriormente postada pelo nosso site parceiro Coisas da Juuh. A repostagem foi autorizada pelo autor e blog. 

 
UA-48753576-1