Image Slider

domingo, 11 de junho de 2017

Dica da Semana: Mulher-Maravilha (2017)

wonder-woman-2017-DC
Distribuição: Warner Bros.
Lançado esse mês, Mulher-Maravilha é o 4º filme do Universo Estendido da DC. Ao invés de continuar de onde Batman vs Superman: A Origem da Justiça (2016) largou a história, no entanto, Mulher-Maravilha foca na origem de Diana Prince.

Filha da Rainha das Amazonas, Hipólita, Diana cresceu na ilha de Themyscira. Longe do ‘mundo dos homens’ e seus conflitos, e treinada pela General Antíope, ela se torna uma das melhores guerreiras da ilha. Ela acredita estar se preparando para enfrentar o maior inimigo das Amazonas: Ares, o Deus da Guerra

Quando Steve Trevor cai no mar de Themyscira e Diana escuta os relatos aterrorizantes sobre a Grande Guerra (1914 – 1918) assolando o ‘mundo dos homens’, ela está certa do envolvimento de Ares. E, como uma Amazona, acredita ser seu dever destruí-lo e libertar os homens da sua influência maligna. Os dois, então, vão lutar no front.

wonder-woman-2017-DC
Distribuição: Warner Bros.
O 1º filme solo de uma heroína em mais de uma década, Mulher-Maravilha é uma lufada de ar fresco. Com um elenco excelente, contando com Gal Gadot, Chris Pine, Robin Wright e Connie Nielsen, e uma mulher talentosa na direção, Patty Jenkins, o filme destruiu um mito Hollywoodiano: o de que ninguém assiste filmes de heroínas.

Superando todas as expectativas (dos executivos das Warner Bros.), Mulher-Maravilha fui um sucesso de bilheteria e de crítica avassalador. E não é à toa! Com cenas incríveis, atuações impecáveis – e uma Diana Prince mais otimista –, muita ação e menos 'hello darkness my old friend', o filme não fica devendo nada à nenhum dos filmes da Marvel!

Com isso, o Universo Estendido da DC finalmente conseguiu se firmar melhor. E não tentem negar que a DC estava enfrentando uma baita crise cinematográfica antes de Mulher-Maravilha! Seus predecessores podem até ter tido ótimas bilheterias, mas a maioria dos fãs e da crítica especializada não gostou. Ninguém estava confiante nos filmes da DC – até agora, pelo menos. Vem Liga da Justiça (e não nos decepcione)!

wonder-woman-2017-DC
Distribuição: Warner Bros.
Honestamente, entretanto, não sei o que é mais inacreditável: que um filme das heroínas mais badaladas da DC Comics tenha demorado tanto pra sair... Ou quão bom foi ver uma mulher kicking ass do início ao fim. Muita gente pode discordar de mim, mas acredito que representatividade é importante. Afinal, tantas heroínas legais por aí e nenhuma vai pro telão? Por favor.

O mundo das HQs, questionável como pode vir a ser de vez em quando, têm muitas mulheres incríveis em suas páginas. E, como foi comprovado (há!), existe um público ansioso para vê-las. Delicie-se com seu sucesso DC, mas não pare por aí.

Enfim, ficou curioso/a? Assista ao filme! Prometo que não vai se arrepender. E ainda vai sair de lá querendo salvar o mundo. Checa só o trailer:




Thaís Cabral - Estudante de Publicidade, pseudo-escritora, leitora compulsiva e chocólatra. Gosto de séries de TV (americanas e/ou britânicas), filmes e anime/mangá.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

WTF is... Crazy Ex-Girlfriend?

crazy ex girlfriend

Rebecca Bunch (Rachel Bloom) é uma advogada muito bem sucedida em Nova York, mas infeliz. Assim, quando encontra com Josh Chan (Vincent Rodriguez III), seu antigo namorado do acampamento de quando tinha 16 anos, ela decide que, para encontrar a felicidade, precisa ir atrás de Josh e se mudar para uma cidadezinha da Califórnia. Ela basicamente segue o cara e quer reatar seu relacionamento, o que muitos falariam que é loucura.

Acompanhamos a vida de Rebecca e sua jornada de autodescoberta a partir daí. Você vai ver o trailer e achar que é mais um enredo bobo sobre uma ex-namorada louca correndo atrás de um homem, eu mesma não me interessei de primeira. No entanto, bastam alguns episódios e logo você vai ser fisgado e perceber que a história é muito mais do que isso.

Com Rebecca, aprendemos a falar sobre feminismo, girl power, depressão e muitas outras coisas. Em forma de música (que vamos combinar é a melhor forma de fazer as coisas), Rebecca fala sobre suas inseguranças e planos mirabolantes melhor do que ninguém. Parabéns à maravilhosa Rachel Bloom pelo talento em escrever tantas músicas divertidas e verdadeiras. Ela não só é a personagem principal, como é a criadora e produtora da série. Não é por menos que Bloom ganhou um Globo de Ouro de melhor atriz por ser papel como Rebecca. 

Ela foge das expectativas e mistura gêneros musicais de tal forma que as músicas sempre nos pegam de surpresa. Sem falar que as músicas de abertura da série ficam na sua cabeça até você saber tudo de cor. Alguns de vocês já deve conhecer o trabalho de Bloom, pois ela escreveu a música Superfriends do crossover musical entre The Flash e Supergirl.

crazy ex girlfriend

A série pode criar interesses românticos demais e ter alguns ciclos viciosos, mas a comédia das situações acabam compensando. Aliás, acho que o objetivo é exatamente mostrar os erros que cometemos repetidamente na vida. Não vou mentir, sim, Rebecca corre bastante atrás de Josh, o que significa que temos muitos momentos de 'morrer de vergonha' por ela. Muitos. Ela é o tipo de pessoa que sempre se embola nos assuntos mais do que deve. No entanto, é uma personagem que gera empatia, com todos os seus defeitos e qualidades.

Além disso, a série nos apresenta a outros personagens adoráveis como Paula, Darryl, Josh, Heather, Valencia, Greg e White Josh, que fogem dos padrões e nos divertem, ao mesmo tempo que são aprofundados ao longo das duas temporadas. Cada um ganha camadas de complexidade e nos faz gostar mais e mais deles. Não só isso como todos tem seu lado bom e ruim, aqui não tem nada de vilão ou herói perfeito da história.

A série é pouco convencional. Fala sobre temas às vezes pouco falados. Tem um pouco daquele clima dos besteiros americanos em alguns momentos, mas em outros mostra lições importantes. Os episódios falam sobre uma mulher que tem problemas como todo mundo e lida com eles de sua própria maneira.

Eu só posso dizer que se você gosta de música, comédia e girl power: assista! Pode maratonar as duas temporadas no Netflix, enlouquecer com a season finale da segunda temporada e ficar esperando comigo ansiosamente pela próxima temporada - que sai ainda esse ano.

Bora assistir o trailer?

 
*Infelizmente não achei com uma boa legenda, mas podemos sempre tentar a automática do youtube.


Mariana Oliveira Sou Publicitária, Beatlemaniaca e Coldplayer. Toco piano e praticamente vivo de séries e livros. Acho que começo uma série nova toda semana. 

 
UA-48753576-1